21/09/2017

Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg

 o setor de seguros já superou r$ 1 trilhão em ativos e está pronto para alavancar o próximo ciclo virtuoso no país, defendeu nesta terça-feira, 19, o presidente da cnseg, marcio coriolano. “nos últimos dois anos, o país passou por dificuldades titânicas e impressionou a todos com sua enorme capacidade de superação. o sistema de seguros brasileiro pode contribuir de forma importante para a reversão cíclica e tem condições de suportar e alavancar novos ciclos virtuosos”, destacou ele, durante discurso de abertura na 8ª conseguro, conferência do setor de seguros promovida pela cnseg, no rio. segundo coriolano, apesar do tamanho do setor de seguros superar outros segmentos da economia, o segmento precisa ampliar sua presença e também ser melhor compreendido pela sociedade, mas depende de estímulo de políticas públicas e econômicas assertivas. isso porque, conforme ele, a contratação de apólices junto à iniciativa privada como, por exemplo, de seguro saúde e de previdência privada, desonera o governo e evita novos gastos públicos. lembrou ainda que as reservas técnicas das seguradoras contribuem para o financiamento da dívida pública e que ainda estimulam novos investimentos. o presidente da cnseg lembrou também que o setor de seguros é movido por melhor distribuição de renda e que mais camadas da população brasileira precisam ter acesso ao mercado assim como em países mais desenvolvidos. ele cobrou ainda, durante plateia de autoridades, incluindo o secretário executivo do ministério da fazenda, eduardo guardia, maior participação do setor de seguros no processo de retomada da economia brasileira. “nosso propósito é nos mostrarmos francamente, para a sociedade praticar reflexão da nossa capacidade de contribuir com um novo brasil”, concluiu coriolano. projeções a cnseg revisou para baixo as projeções para o crescimento do mercado de seguros neste ano e espera que o setor cresça entre 6% e 7,% ante intervalo de alta de 8% a 10%, de acordo com o presidente da entidade. a mudança nas expectativas, segundo ele, tem como pano de fundo o desempenho dos planos de previdência privada ao longo de 2017 e ainda o setor de saúde, que tem sido palco de uma migração de planos mais caros para soluções de custo mais baixo e, consequentemente, menos prêmio. “o mês de julho ficou no mesmo patamar de junho, o que pode ser uma boa notícia uma vez que a desaceleração no crescimento vista até então foi estabilizada. a taxa anual indica crescimento de cerca de 7%. apesar de ser menor, o mercado de seguros continua resiliente”, explicou coriolano, durante coletiva de imprensa. sobre o setor de previdência, o presidente da federação nacional das empresas de vida e previdência (fenaprevi), edson franco, explicou que o desempenho dos planos neste ano foram impactados pela piora da confiança no país em maio, após as delações de executivos da jbs e da j&f, e ainda pela redução dos juros básicos do país, a selic, que tornam os fundos de renda variável e de multimercados mais atrativos que a previdência. ele disse ainda que no ano passado o setor se recuperou depois de passar um momento mais difícil e que a manutenção deste patamar em 2017, a despeito de um crescimento menor, é uma boa notícia. fonte: c q c s com informações do cnseg
18/09/2017

José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha

  o grupo aspecir promoveu na noite de quinta-feira, dia 14, um grande encontro para seus convidados no piquete da rede pampa de comunicação, no acampamento farroupilha. a chuva não foi suficiente para espantar as reverências às tradições gaúchas. milton machado, presidente do grupo, foi o grande anfitrião do momento que contou com a presença de josé paulo cairoli, governador em exercício do rio grande do sul. alexandre gadret, presidente da rede pampa e paulo sergio pinto, vice-presidente, além de demais executivos do grupo confraternizaram ao som da boa música gaúcha. diretor da união seguradora, joão carlos lock e seus colaboradores também integraram o espírito farroupilha. tudo regado ao tradicional e suculento churrasco gaúcho, além de comidas campeiras e um chope de primeira. nota do editor: grupo aspecir, gaúcho de nascença, honra suas tradições com hospitalidade total aos convidados. fonte: jrs  
29/08/2017

Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento

  presidente do sincor-rs alerta profissionais da corretagem fonte: revista jrs quando a superintendência de seguros privados, a susep, decidiu não mais emitir a carteira de identificação profissional para os corretores de seguros habilitados, houve um descontentamento geral. nós, do sincor-rs, recebíamos inúmeras reclamações dos corretores, diariamente, sobre isso. ao invés de apresentarmos nossa carteira de identificação profissional, passamos a ter de acessar o site da susep para mostrar aos clientes que somos profissionais devidamente registrados, o que ocasiona um trabalho insano. nosso sincor-rs, com nossa fenacor, trabalhou junto à susep demonstrando que era o desejo do profissional corretor de seguros ter sua identidade profissional. sensibilizamos a autarquia. esta decidiu que sim, que após um amplo recadastramento que iria apontar quem realmente estava regular e ativo, a identidade profissional seria disponibilizada. comemoramos quando a susep anunciou definitivamente o retorno da nossa identidade – aquela com foto, que contém o brasão da república, nossa verdadeira identidade profissional e que tem validade como documento pessoal de identificação. todavia, a condição de retorno da carteira é que aconteça primeiro o recadastramento obrigatório de cada corretor. tudo alinhado, tudo pronto e agora, o que acontece? o ibracor, órgão que a autarquia susep firmou convênio para realizar este trabalho, nos informa que a adesão do recadastramento é ainda muito baixa, insignificante. e isto é muito preocupante. afinal, aqueles que tanto bradavam pela volta da identidade profissional, se recadastraram? então, lanço meu pedido aos colegas corretores profissionais de seguros, pessoas físicas, para efetivarem logo o seu recadastramento. não deixem para os últimos dias, quando certamente os sistemas estarão sobrecarregados e tranqueiras poderão inviabilizar o seu recadastramento. o prazo final já está próximo, é 30 de setembro. importante ressaltar que aqueles que não se recadastrarem estarão sujeitos a penalizações pela susep e até perder o seu registro profissional, ficando impedidos de exercer a atividade de corretor de seguros. ainda, as empresas corretoras de seguros (pessoas jurídicas) cujos corretores responsáveis não tenham se recadastrado, estarão igualmente irregulares e sujeitas a penalizações pela susep. vejam que as penalidades poderão acarretar graves contratempos. portanto, colegas, quem ainda não se recadastrou, acesse agora mesmo o portal do ibracor, efetive logo o seu recadastramento e não corra o risco de encontrar o sistema sobrecarregado. este processo é extremamente importante para a nossa categoria, pois, servirá para saber quem somos, quantos somos. é uma varredura muito bem vinda. então, se você é corretor de seguros de verdade, legalize a sua situação o quanto antes. o verdadeiro corretor profissional de seguros é aquele que se esforçou e alcançou a sua habilitação ao ser aprovado no exame da escola nacional de seguros. também é aquele que atua com ética no mercado e trata com respeito os seus segurados. leve em frente esta valorização. recadastre-se. e apresente com orgulho sua identidade profissional. porque “com corretor de seguros, é muito mais seguro”. ricardo pansera, presidente do sincor-rs.
29/08/2017

Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros

 fonte: portal nacional de seguros por láyra santa rosa / seguro noticia o mercado de seguros tem tido um crescente em todo o país. no distrito federal à tendência é a mesma, e segue se consolidando cada vez mais num ambiente desafiador e competitivo. segundos dados da federação nacional de corretores de seguros (fenacor) são quase 1500 pessoas físicas e 2500 pessoas jurídicas habilitadas para exercerem a profissão, que costuma ser conhecida como “anjo da guarda” de seus clientes. “o distrito federal é o local onde tudo acontece. as principais decisões do país passam pela capital brasília, isso tem tornado mercado cada vez mais competitivo para o corretor, que busca se reciclar e está apto para atender as demandas. é fato, que apesar das constantes oportunidades de negócio, também é um ambiente predatório, já que muitas companhias chegam sem experiência, querem aplicar taxas de outras regiões, e acabam não se encaixando na nossa realidade”, afirma o presidente do sindicato dos corretores de seguros, empresas corretoras de seguros, capitalização e previdência privada do distrito federal (sincor-df), dorival alves de sousa. o negócio costuma seguir as tendências das regiões, e na capital federal ele tem tido os mesmos propósitos, tornando-a um ambiente onde cada um quer conquistar seu espaço. “aqui existem características peculiares e diferentes de qualquer região do país. acredito que sejamos um dos mercados mais atípicos do brasil em funções da quantidade de órgãos públicos, de políticas econômicas e das constantes mudanças”, explica o presidente do sincor-df. “nós temos além do profissional das empresas situadas no distrito federal, colegas de outros estados que vem garimpar trabalho nesse nicho que é oportunizado para o corretor do distrito federal. aqui encontramos muitos corretores, que posso rotular como paraquedista, que tem suas sedes em outros estados, mas tem relação comercial no df. isso aumenta a concorrência, mas mostra um leque de opções de trabalho para os corretores”. de acordo com dorival sousa o corretor é livre para atuar em qualquer estado do território nacional, mas as companhias seguradoras não, e estas estão na mira do sincor do df. “nós cuidamos com muita atenção essa relação com as companhias seguradoras paraquedistas. elas precisam ter autorização para trabalhar em determinadas regiões e estados. como existe muitas oportunidades, algumas acreditam que podem atuar, mas não a autorização como é determinado por lei. quando somos informados e descobrimos estes casos, denunciamos imediatamente a superintendência de seguros privados (susep) para que as medidas cabíveis sejam tomadas”. oportunidades ainda analisando o mercado da capital, dorival sousa comenta que as grandes oportunidades de negócio estão nos ramos vida e saúde de associações e fundações. “imagina a possibilidade de ser contratado por uma fundação de determinado ministério ou órgão nacional, a partir daí começa a gerenciar os funcionários desses órgãos em todo o país. todo mundo quer partir para esse caminho, é por isso que a concorrência é pesada, inclusive devido a colegas paraquedistas”, relata. “outra coisa interessante são os seguros de condomínios, que aqui são bastante concorridos. existem corretores especialistas nestes segmentos, alguns não só do condomínio, como também de garantia de fiança locatícia. brasília tem uma rotatividade muito grande, gente que não consegue um avalista e precisa de um seguro para ter onde morar, então parte para os corretores”. outro público alvo dos corretores de brasília, além dos automóveis, são os funcionários de câmara e senado. “dentro daquele mundo que é o congresso nacional tem corretores atuando firme. imagine que ali dentro consegue fechar contratos de seguros de vida, patrimoniais, de veículos, com uma equipe enorme. isso mostra, que o corretor precisa está bem atualizado e ter conhecimento para manter-se dentro dessa realidade”, colocou. apesar dos grandes desafios, o presidente dorival sousa avalia que a chance de fechar grandes negócios no distrito federal faz com que está seja uma profissão cada vez mais consolidada e que necessita de uma atualização constante. “o corretor do df tem um perfil político, de agressividade no mercado, com muitos contatos e que busca sempre um bom relacionamento no dia-a-dia. em função da grande concorrência, o sincor tem feito muitas campanhas, mostrando a necessidade dos corretores se reciclarem e aprenderem mais sobre o mercado. temos jovens chegando cada dia mais e inovando, e o corretor mais antigo precisa acompanhar essa tendência”, completa.
29/08/2017

Como romper paradigmas no mercado de seguros?

 fonte: cnseg pela sua própria natureza, a atividade seguradora é conservadora. entretanto, o mundo transforma-se em uma velocidade cada vez maior, gerando muito rapidamente novos modelos de negócio e extinguindo outros. para se manter relevante neste novo mundo, é preciso se reinventar. como, então, romper paradigmas no mercado de seguros? isso é possível? isso é mesmo necessário? para ajudar a refletir sobre a questão, o insurance service meeting, um dos eventos integrantes da 8ª conseguro, realizado pela cnseg, convidou a apresentadora do programa mundo s/a, da globonews, maria prata, que apresentará sua palestra no primeiro dia do evento. além de apresentadora do programa que mostra as tendências do mundo corporativo, maria prata é ainda comentarista de moda e comportamento nos programas 'conta corrente' e 'estúdio i', também da globonews, colunista de estilo na rádio cbn e da revista vogue, onde evidencia o universo executivo feminino fora da moda e destaca mulheres que desempenham papéis importantes no mercado de trabalho. junto com maria, debaterão o tema curt cortese zimmermann, da bradesco seguros e marcos sirelli, superintendente de ti da porto seguro. o insurance service meesting, a conseguro e os demais eventos reunidos acontecerão de 19 a 21 de setembro, no windsor convention center & expo center, na barra da tijuca, no rio de janeiro.
29/08/2017

Seguro de pessoas cresce 10,9% até junho e movimenta R$ 16,68 bilhões

 fonte: jornal do comercial   o mercado de seguros de pessoas, que engloba apólices de vida e acidentes pessoais, dentre outras modalidades, movimentou r$ 16,68 bilhões em prêmios no primeiro semestre, cifra 10,96% superior ao mesmo período de 2016, de cerca de r$ 15 bilhões, segundo a federação nacional de previdência privada e vida (fenaprevi). o impulso para o desempenho veio, além do seguro de vida, que tem a maior representatividade, do prestamista, que cobre prestações no caso de morte, invalidez ou desemprego do segurado; viagem, utilizado para custear despesas médicas e até extravio de bagagens em deslocamentos no brasil ou no exterior; e ainda o educacional, que garante o pagamento de mensalidades na falta do responsável. no desempenho por modalidade, o seguro de vida respondeu por 39,6% do resultado, com r$ 6,61 bilhões em prêmios emitidos na primeira metade do ano, alta de 5,15% em relação ao mesmo período de 2016. dentre os destaques, o prestamista teve alta de 21,08%; vida resgatável, aumento de 27,96%; viagem, de 52,93%; e educacional, alta de 24,03%. já o auxílio funeral somou r$ 274,353 milhões em prêmios, alta de 16,36% em relação aos r$ 343,96 milhões contratados no primeiro semestre de 2016. o seguro de acidentes pessoais, que oferece coberturas em caso de morte e invalidez permanente (total ou parcial) e outros riscos causados por acidentes involuntários, teve arrecadação 1,84% superior, com r$ 2,64 bilhões, enquanto no mesmo período de 2016 foram registrados r$ 2,59 bilhões. no primeiro semestre, o valor das indenizações pagas aos segurados (ou aos seus beneficiários) totalizou r$ 4,27 bilhões, volume 1,6% superior a 2016. dos r$ 16,68 bilhões em prêmios no primeiro semestre, são paulo respondeu por 44,4%, seguido pelo rio de janeiro (9,2%), distrito federal (8,2%), rio grande do sul (7,9%), minas gerais (7,4%) e paraná (5,5%). os demais estados responderam por 3%. - jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581352-seguro-de-pessoas-cresce-10-9-ate-junho-e-movimenta-r-16-68-bilhoes.html)
29/08/2017

Confiança dos empresários do comércio recua 1 ponto em agosto

 fonte: agência brasil   o índice de confiança do comércio, da fundação getulio vargas (fgv) recuou 1 ponto entre julho e agosto deste ano. o indicador atingiu 82,4 pontos, em uma escala de zero a 200, o menor nível desde janeiro passado. a queda do índice atingiu empresários de nove dos 13 segmentos do comércio pesquisados. os empresários estão menos confiantes tanto no presente (queda de 1,8 ponto, para 77,4 pontos), quanto no futuro (queda de 0,3 ponto, para 88,1 pontos). de acordo com a fgv, tanto os consumidores quanto os empresários do comércio sentem o efeito do aumento de uma incerteza no cenário político nacional. depois da liberação dos recursos das contas inativas do fundo de garantia do tempo de serviço (fgts), o comércio está "em compasso de espera" por notícias que deem mais segurança ao setor. - jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581801-confianca-dos-empresarios-do-comercio-recua-1-ponto-em-agosto.html)  
29/08/2017

GDF prevê aprovação de projeto de lei sobre Previdência na próxima semana

  fonte: correio brasiliense proposta enviada à câmara legislativa cria regime complementar e limita a aposentadoria dos futuros funcionários públicos ao teto do inss. entenda o que prevê o texto. para tentar reduzir o deficit da previdência e garantir o pagamento dos salários em dia, o executivo local enviou ontem à câmara legislativa um projeto de lei que altera o sistema de pagamento de aposentadorias de servidores do distrito federal. além de criar um regime de previdência complementar, limitando as aposentadorias dos futuros funcionários públicos ao teto do inss, de r$ 5.531,31, a proposta prevê a unificação dos dois fundos existentes. desde 2007, o df conta com o fundo financeiro de previdência e seguridade social, chamado de plano financeiro e destinado aos beneficiários que entraram no serviço público até 31 de dezembro de 2006. esse fundo é deficitário — o governo gasta pelo menos r$ 170 milhões por mês para complementar as aposentadorias desses inativos. o outro, o fundo previdenciário do distrito federal (dfprev), conhecido como plano capitalizado, garante os benefícios dos que ingressaram no quadro de pessoal do df a partir de 1º de janeiro de 2007. ele conta com um superavit de r$ 3,7 bilhões e tem apenas 150 aposentados. para justificar a proposta, o governador rodrigo rollemberg afirmou que “um dos princípios da previdência é a solidariedade”. segundo o chefe do executivo, a ideia é que as contribuições dos mais novos garantam a aposentadoria dos mais velhos. “a partir de agora, todos contribuiriam para o mesmo fundo, para pagar todos os aposentados. assim, poderemos aproveitar parte do superavit para pagar aposentados, liberando r$ 170 milhões ao mês, que poderão ser usados para pagar servidores, fornecedores e prestadores de serviço”, explicou. rollemberg disse que, para suspender o parcelamento de salários e pagar os vencimentos de todos os servidores, em dia, em setembro, o projeto tem de ser aprovado até a próxima semana. na terça-feira, o governo anunciou o parcelamento dos vencimentos de quem ganha acima de r$ 7,5 mil líquidos. no total, 22% dos servidores distritais serão afetados pela eventual divisão dos salários em duas prestações — uma no quinto dia útil e outra até o dia 15. “a proposta é boa para aposentados e servidores, que terão pagamentos em dia, e é boa para os fornecedores e prestadores de serviços. os pagamentos em dia movimentarão a economia da cidade”, argumentou o governador. “conto muito com a câmara legislativa para que possamos aprovar esse projeto na semana que vem”, reforçou rollemberg. estruturação ontem, o chefe do executivo se reuniu com deputados da base aliada para pedir empenho na aprovação da proposição. à noite, ele foi à câmara legislativa e entregou o projeto de lei nas mãos do presidente da casa, joe valle (pdt). o distrital não garantiu que os parlamentares agirão de acordo com os planos do governo. “vamos fazer uma série de estudos técnicos. o projeto tem urgência. mas, se for o caso, vamos trabalhá-lo ainda mais aqui na câmara”, disse joe. ele não quis comprometer-se com a inclusão do texto na semana que vem. “amanhã (hoje), vamos nos reunir com sindicatos para falar do projeto. é uma proposta de interesse de todos, mas ainda vamos discutir”, finalizou. a secretária de planejamento, orçamento e gestão, leany lemos, acrescentou que o projeto de lei facilita a incorporação de imóveis e de ações do brb cuja cessão ao instituto de previdência foi aprovada em 2015 e 2016, em troca da utilização de parte do superavit. “a proposição faz a incorporação imediata dos imóveis e de ativos do brb, que ainda dependem de uma avaliação. além dos atuais r$ 3,7 bilhões, haverá incorporação dos novos ativos”, argumentou a secretária. o detalhamento da proposta de previdência complementar ainda será definido por uma equipe técnica. “a estruturação do fundo será realizada nos mesmos moldes do que foi feito no governo federal. os trabalhadores poderão optar por fazer previdência complementar pública ou privada”, detalha (leia tira-dúvidas). segundo leany, a unificação dos fundos resolve o problema da previdência a curto e médio prazos, mas só a criação do sistema complementar garantirá a sustentabilidade a longo prazo. se o texto for aprovado, deve haver um aporte de r$ 1 bilhão de um fundo para o outro, até 2020. o presidente do sindicato dos servidores do df,  ibrahim yusef, reclama da falta de consulta à categoria. “o governo, mais uma vez, apresenta uma proposta que interfere na vida do servidor público sem ouvir a categoria. buscaremos o pagamento integral dos salários na justiça e não aceitaremos que o projeto traga prejuízo aos servidores”, conclui. tira-dúvidas o que prevê o projeto de lei que altera o sistema da previdência do df » a proposta prevê a criação de um regime de previdência complementar para os servidores que ingressarem nos quadros do gdf a partir da aprovação do texto » com isso, as aposentadorias dos futuros funcionários públicos serão limitadas ao teto do inss, de r$ 5.531,31 » a proposta também prevê a unificação dos dois fundos existentes atualmente: o dos servidores que entraram no gdf até 2007, deficitário, e o fundo dos funcionários que ingressaram no governo a partir de 2007, cujo superavit é de r$ 3,7 bilhões » a previdência complementar será de adesão facultativa. o funcionário público poderá optar por contribuir para uma previdência privada caso ache mais vantajoso » quem acumula cargos poderá fazer a adesão à previdência complementar em relação a um ou ambos os cargos » os participantes poderão desistir da adesão à previdência complementar ou solicitar a suspensão de contribuições por período não superior a um ano » a adesão à previdência complementar é interrompida por pedido do participante, por exoneração, demissão ou perda de cargo ou por vacância em razão de posse em outro cargo público inacumulável » servidores cedidos a outros órgãos permanecem na previdência complementar, salvo manifestação em contrário » a contribuição do governo não pode exceder o valor da contribuição do participante nem superar 7,5% da base de cálculo, que é a remuneração, sem levar em conta o que ultrapassar o teto, adicionais de férias, adicionais noturnos ou vantagens eventuais » a contribuição previdenciária dos segurados inativos e dos pensionistas será cobrada no mesmo percentual fixado pela união para os servidores públicos federais » na hipótese de aumento de alíquota de contribuição de servidores públicos federais inativos, o aumento será aplicado aos servidores do df após 90 dias da data de edição da lei federal » toda nova lei do df que criar fontes de receitas não tributárias, incluindo aquelas que autorizarem a venda de ativos e concessões de bens e serviços públicos, deverá destinar, pelo menos, 50% das receitas futuras geradas ao fundo financeiro da previdência social, para ajudar a resolver o desequilíbrio econômico e atuarial do fundo » o projeto obriga o governo a apresentar, em 180 dias, a contar da entrada em vigor da lei, estudo que indique a viabilidade de venda de ativos com liquidez e os valores aptos a auxiliarem no equacionamento do desequilíbrio financeiro remanescente.  
27/07/2017

Susep recebe escritório da A2ii

 o brasil, por meio da superintendência de seguros privados (susep), no rio de janeiro, foi escolhido para sediar o primeiro escritório regional da iniciativa de acesso a seguros (a2ii, na sigla em inglês) para a américa latina. a escolha indica a importância do mercado brasileiro de seguros no cenário global e aproxima a susep e outros órgãos supervisores regionais da associação internacional de supervisores de seguro (iais, na sigla em inglês). segundo o superintendente da susep, joaquim mendanha de ataídes, a iniciativa corrobora a necessidade de troca de experiências em prol da expansão do mercado. “é fundamental que haja sinergia entre os órgãos supervisores”, pontuou, ressaltando que a agenda de capacitação e de difusão dos seguros inclusivos da a2ii vai ao encontro das diretrizes da autarquia. para ocupar o cargo de coordenadora regional para a américa latina, a a2ii escolheu a ex-servidora da susep, regina simões, que acumula mais de 20 anos de experiência nas áreas de regulação de produtos e canais de distribuição. “a susep volta a desempenhar um papel importante na história da a2ii, pois em 2009 deu suporte a sua criação e, hoje, ao sediar o seu escritório regional, ajuda a promover as suas atividades na américa latina. sinto-me privilegiada por participar desses dois momentos, agora como membro da equipe da a2ii”, informou. lançada à ocasião da reunião anual da iais no rio de janeiro em outubro de 2009, a a2ii é o braço da iais para inclusão financeira e promoção dos seguros inclusivos. sua missão é inspirar e apoiar os órgãos supervisores de seguros com estudos e treinamentos para a expansão do mercado de seguros de forma responsável, principalmente em relação às camadas menos favorecidas da população. fonte: susep

As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019


08/02/2019
Os últimos meses de 2018 serviram para deixar as empresas do setor de seguros otimistas para o ano que acabou de começar. Tudo isso motivado pela recuperação no crescimento da economia, o que aumenta a confiança dos empresários e melhora as perspectivas na retomada de investimentos nos serviços oferecidos pelas seguradoras de todo país.

De acordo com os números apresentados pelo Boletim do Banco Central, a previsão para este ano é de crescimento do PIB em torno de 2,5%, quase o dobro dos números alcançados no ano passado. Esse crescimento afeta diretamente toda a cadeia produtiva e de serviços, inclusive o mercado de seguros, pois com a economia mais saudável, as empresas tendem a retomar todo tipo de investimento.

Os planos de saúde corporativos refletem diretamente esse crescimento, pois com a economia se recuperando, as taxas de desemprego diminuem e o número de beneficiários desse serviço aumentam, justamente pelo fato de que os principais contratantes são as próprias empresas.

Para Rogério Walmor Cervi, Presidente da REP seguros, as expectativas são muito boas para o decorrer do ano: "estamos investindo no crescimento sustentável da empresa, projetamos aumento no nosso quadro de funcionários. Crescemos 27% no ano de 2018 e pretendemos seguir o nosso planejamento estratégico de crescimento e expansão."

E um dos fatores que gera esse otimismo e valoriza ainda mais a retomada do desenvolvimento é o histórico de crescimento do setor de seguros nos últimos anos, que ano após ano apresenta um índice médio 4 vezes maior que o percentual do PIB.

Já referente às tendências e novidades do mercado de seguros, a previsão é de aumentar cada vez mais a utilização de novas tecnologias nos processos e no oferecimento de serviços de seguros. Felipe Weiler Cervi, Vice-Presidente Comercial, mostra como isso já está presente e complementa: "A REP Seguros investe nas tecnologias para oferecer mais agilidade para seus clientes, contudo, acreditamos que estar ao lado do cliente é fundamental. Com os fornecedores (Seguradoras e Resseguradoras) funciona no mesmo sentido, buscamos estar sempre presente no dia a dia para exposição dos riscos e trazendo uma personalização para os serviços." Assim, a inovação surge como uma forma de complementar a oferta de produtos, diminuindo a burocracia, otimizando e melhorando a qualidade dos atendimentos, e barateando os custos do serviço.

Um dos pontos que promete evoluir com a implementação de novas tecnologias é a análise de perfis dos clientes, por parte das seguradoras. Essa análise é uma forma de definir os valores das apólices e, com o uso destas análises de comportamento mais aprofundadas, tende a resultar em cotações com taxas mais bem definidas e assertivas no perfil de cada indivíduo.

Mostrando como as expectativas para 2019 são interessantes para o mercado de seguros, empresas já estão se movimentando e iniciando o ano em expansão, como afirma César Dioni Costa, Vice-Presidente da REP Seguros: "Neste mês de janeiro inauguramos nossa filial em Chapecó, firmando mais uma vez com o compromisso que temos com nossos clientes do Oeste Catarinense, Gaúcho e Paranaense. Temos certeza que o nosso trabalho, que é altamente técnico, terá ainda mais aderência nas empresas destas localidades. E que essa decisão estratégica tende a fazer com que todas as tendências e expectativas de crescimento se tornem realidade."
O mercado segurador nacional passa realmente por um momento de recuperação, o que traz uma expectativa de resultados promissores, colocando o Brasil novamente como um país com potencial de crescimento e perfeito para investir.

A REP Seguros é uma seguradora especialista em encontrar soluções inovadoras para clientes corporativos e clientes físicos, oferecendo um serviço personalizado no gerenciamento de riscos, em seguros de garantias, transportes nacionais e internacionais, responsabilidade civil, seguros de vida e saúde, e demais serviços securitários.

Fonte: Website: http://www.repseguros.com.br

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989