30/07/2018

Brasileiros ainda têm o hábito de guardar dinheiro em casa

 guardar dinheiro no final do mês não é um hábito comum do consumidor brasileiro, como todos nós sabemos. mas um dado divulgado pelo spc revela que nem mesmo aqueles que conseguem poupar, um pouquinho que seja, procuram fazer o dinheiro render. a busca por aplicações rentáveis é uma atitude adotada por uma parcela mínima da população. um quarto dos poupadores guarda dinheiro na própria casa, o que é uma opção arriscada por questões de segurança e muito negativa do ponto de vista da rentabilidade, já que o dinheiro fica parado sem render juros. além disso, ao manter o dinheiro em casa, o consumidor está perdendo o poder de compra pela inflação e isso pode ser prejudicial para seus objetivos. se a intenção é se proteger dos imprevistos, o ideal é optar por uma reserva com alta liquidez – aquelas em é possível sacar o dinheiro a qualquer momento - ainda que isso implique em um rendimento menor. por outro lado, se o objetivo é poupar para o longo ou médio prazo, aplicações menos líquidas, isto é, com menos facilidade para sacar, podem servir de freio ao impulso de usar esse dinheiro para contas do dia a dia, por exemplo. mas poucos são os brasileiros que têm consciência real das suas necessidades financeiras, e isso inclui, a consciência das várias formas de fazer o dinheiro render.  uma prova disso é que, mesmo com a popularização de modalidades como o tesouro direto e das letras de crédito nos últimos anos, a velha caderneta de poupança continua líder absoluta como o principal tipo de aplicações dos poupadores brasileiros, citada por 60% dos entrevistados. outra escolha bastante mencionada é a conta corrente, modalidade usada por 18% dos brasileiros que possuem recursos guardados. completam o ranking de principais aplicações a previdência privada (7%), fundos de investimentos (5%), cdbs (4%) e tesouro direto (4%). a pesquisa do spc revela ainda que menos de 20% da população têm conseguido guardar dinheiro nos últimos meses. mesmo entre as pessoas de mais alta renda, o hábito de poupança revela ser algo precário. fonte: cidadeverde.com
30/07/2018

Quatro medidas para sua empresa se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados

  o projeto abrange as operações de tratamento realizadas no brasil ou a partir de coleta de dados feita no país por empresas brasileiras ou estrangeiras. o plenário do senado aprovou há duas semanas, a lei geral de proteção de dados pessoais, que tramitava como projeto de lei da câmara 53/2018. a lei disciplina a forma como informações são coletadas e tratadas, especialmente em meios digitais, como dados pessoais de cadastro ou até mesmo textos e fotos publicados em redes sociais. o projeto abrange as operações de tratamento realizadas no brasil ou a partir de coleta de dados feita no país por empresas brasileiras ou estrangeiras. a norma também vale para empresas ou entes que ofertem bens e serviços ou tratem informações de pessoas que estão aqui. também é permitida a transferência internacional de dados, desde que o país de destino tenha nível de proteção compatível ou quando a empresa comprovar que garante as mesmas condições exigidas pela lei, como por exemplo, por meio de contrato. com a aprovação da lei, para coletar e tratar um dado, uma empresa ou ente precisa solicitar o consentimento do titular de forma clara, em cláusula específica. a permissão dada por alguém, entretanto, pode ser revogada se o titular assim desejar. outra obrigação é a garantia da segurança dos dados, de modo a impedir acessos não autorizados e vazamentos.dada a complexidade das organizações, de seus sistemas e de seus ecossistemas de parceiros e de terceiros, a correta proteção de dados exigirá das organizações brasileiras que trabalham com dados pessoais a adequação em diferentes aspectos e níveis, que vão desde a cultura, políticas e procedimentos à implementação de tecnologias de ponta, para garantir a segurança e evitar multas e sanções. caso seja constatada alguma irregularidade, a empresa pode receber uma série de sanções, entre as quais está prevista a multa diária de até 2% do faturamento, com limite de r$ 50 milhões, assim como o bloqueio ou eliminação de dados tratados de maneira irregular e a suspensão ou proibição do banco de dados ou da atividade de tratamento. assim como ocorreu a partir da promulgação da lei europeia de proteção de dados, a gdpr (do inglês, general data protection regulation), que impulsionou a aprovação da lei brasileira, espera-se uma grande demanda por parte dos usuários por privacidade, exigindo que as empresas tenham capacidade para responder e se adequar rapidamente. será necessário o investimento em novas soluções como sistemas de avaliação de riscos de terceiros, gestão de dados, mascaramento de dados, portais seguros de transferência de dados, bancos de dados seguros e de alta volumetria, gestão de identidade de consumidores e clientes, além da adoção de práticas e arquiteturas tecnológicas que considerem a proteção de dados por padrão ("security by design") como, por exemplo, a encriptação nativa de dados pessoais quando forem coletados, a guarda segura destes dados em ambientes controlados e seguros, e o acesso controlado dos dados por meios seguros. para atender a estes desafios e atuar em conformidade na proteção de dados, é recomendável que as empresas sigam quatro etapas fundamentais: (i) descubra: identifique e realize o inventário de dados pessoais, incluindo sua classificação, quem controla, quem a processa e como são transferidas; (ii) gerencie: avalie o nível de proteção de dados em todos os envolvidos, sejam próprios ou terceiros; (iii) proteja: defina e implante soluções, políticas e governança de dados em toda a organização; (iv) monitore: controle e audite continuamente o nível de proteção, assim como avalie constantemente possíveis vazamentos internamente e externamente. diante da atual força da economia digital, o projeto, que agora vai para a sanção do presidente michel temer, é um passo evoluído do brasil no tratamento, confidencialidade e segurança de dados, juntamente com outros países que já possuem legislação sobre o tema. a hora é de adequação nas empresas brasileiras, afinal, é sempre melhor prevenir do que remediar.
30/07/2018

Seguradora Líder e o compromisso com a transparência

 ei, sabia que a seguradora líder tem como compromisso gerir os recursos do seguro dpvat com total transparência? é isso aí! por aqui, acreditamos que todos os brasileiros precisam ficar por dentro de todos os detalhes desse importante benefício social, que ajuda em momentos tão complicados quanto os acidentes de trânsito. e a gente tem uma porção de iniciativas dentro de casa para tornar isso possível, confere só. mais solidez e transparência a transparência é um valor que acompanha a seguradora líder. você sabia que a criação da companhia, em 2008, teve o objetivo de garantir mais solidez às operações e mais transparência à gestão dos recursos arrecadados? é isso aí! \o/ através da atuação na gestão do seguro dpvat, a seguradora líder facilita a fiscalização e o relacionamento com as demais esferas de governo envolvidas direta e indiretamente na operação do seguro dpvat. todo mundo sai ganhando! portal da integridade pensando em oferecer acesso irrestrito a informações e dados da gestão do seguro dpvat em linguagem clara e objetiva para os mais de 207 milhões de brasileiros, a seguradora líder lançou, em novembro de 2017, o portal da integridade. por lá, é possível encontrar todos os números ligados ao universo do seguro dpvat, como o código de ética e de conduta da seguradora, as demonstrações financeiras mais atualizadas, todas as edições do boletim estatístico com o volume de indenizações pagas por mês, e as parcerias institucionais. bem legal, não é? para acessar, é só clicar aqui. \o/ relatório da administração e demonstrações financeiras anualmente, a seguradora líder disponibiliza, através do relatório da administração e demonstrações financeiras, a arrecadação bruta do ano, como se dá a distribuição dos recursos, o valor das despesas administrativas, as ações de combate à fraude, entre outros resultados. confira a última edição clicando aqui. código de ética e de conduta outro importante documento divulgado pela seguradora líder é o código de ética e de conduta, pessoal. neles, estão contidos os padrões obrigatórios de conduta e de comportamento que devem ser rigorosamente observados por todos, inclusive os nossos parceiros de negócios. tudo isso baseado nos princípios de transparência, respeito, lealdade e boa-fé. dá só uma olhadinha clicando aqui. planejamento estratégico 2018-2022 para traduzir os objetivos nos próximos quatro anos, a seguradora líder divulgou, em fevereiro, o seu planejamento estratégico 2018-2022. o documento traz algumas orientações estratégicas para orientar as ações de gestão em todos os níveis da companhia. e adivinha só: uma delas é justamente no sentido de transparência.  por aqui, até 2022, queremos assegurar uma gestão de recursos ainda mais clara, o que nos permitirá atuar proativamente na conscientização e na redução de acidentes de trânsito. muito amor envolvido, sim ou com certeza? aqui na seguradora líder, acreditamos que somente através de uma gestão clara e transparente é possível entregar um seguro dpvat melhor para todo mundo. para isso, precisamos ouvir você. deixe sua opinião aqui nos comentários! fonte: viver seguro no trânsito
30/07/2018

Seguros funeral, viagem e prestamista se destacam

 os seguros funeral, viagem e prestamista continuam se destacando no ramo de pessoas. segundo dados oficiais da susep, de janeiro a maio, por exemplo, essas três carteiras geraram, juntas, receita de prêmios da ordem de r$ 438,8 milhões, o que representou um crescimento de 20% em comparação ao mesmo período no ano passado. o principal destaque foi o seguro prestamista, com receita de r$ 226,6 milhões até maio, incremento de 20,7%. contudo, percentualmente, o maior volume de prêmios foi apurado no seguro funeral, que avançou 42,7%, para r$ 49,8 milhões. já no seguro viagem, a receita acumulada nos cinco primeiros meses do ano ficou pouco abaixo de r$ 162,3 milhões, com crescimento de 13,5%. ainda de acordo com a susep, a taxa média de sinistralidade nessas carteiras permaneceu em um patamar baixo, de 29%. de janeiro a maio, a soma dos sinistros ocorridos nesses ramos ficou em r$ 117,8 milhões, cifra 22,2% maior que a apurada no mesmo período, em 2017. as despesas comerciais, que englobam as comissões de corretagem e as campanhas promocionais, entre outros custos, atingiram r$ 179 milhões até maio, 23,5% acima do montante registrado de janeiro a maio do ano passado. fonte: cqcs
30/07/2018

Joaquim Mendanha aposta na inovação e nas relações pessoais

  superintendente da susep concedeu entrevista ao programa seguro sem mistério o mercado brasileiro de seguros cresceu 9% no último ano. os dados foram apurados em maio pela superintendência de seguros privados (susep) e evidenciam a seriedade com a qual o setor é conduzido. o dado foi apresentado pelo superintendente da susep, joaquim mendanha, ao programa seguro sem mistério na tv. “nesses últimos dois anos pautamos nossa gestão em desburocratização, ou seja, tornar o setor mais livre de suas amarras para um custo menor de distribuição. temos a questão de solvência e o fomento, que é apontar ao setor soluções dentro das comissões técnicas que visam o crescimento do setor”, diz mendanha. presente no congresso sul brasileiro de corretores de seguros, em florianópolis (sc), mendanha ressaltou a importância da força de trabalho da categoria. “o corretor é fundamental, representa mais de 80% do canal de distribuição. fizemos o recadastramento das pessoas físicas e preparamos o recadastramento das jurídicas”, explica. “eu ouvi uma frase há quase 30 anos que afirmava que o corretor de seguros não ia durar mais dois anos, passou o tempo e estamos aí com um segmento muito solido. estamos diante de diversas inovações no mundo, o corretor terá que adaptar-se e aproveitar essa inovação como benefício para sua atividade em benefício do consumidor. no futuro as relações com as pessoas ainda serão importantes”, explica. “uma de nossas comissões trata sobre as insurtechs e trata justamente sobre o segmento de inovação”, finaliza. fonte: jrs
30/07/2018

Mercado financeiro mantém projeção de inflação para 2018 em 4,11%

 os economistas do mercado financeiro mantiveram a previsão para o ipca - o índice oficial de preços - de 2018 e 2019. o relatório de mercado focus divulgado na manhã desta segunda-feira (30) pelo banco central, mostra que a mediana para o ipca este ano permaneceu em 4,11%. há um mês, estava em 4,03%. já a projeção para o índice em 2019 seguiu em 4,10%. quatro semanas atrás, estava no mesmo patamar. o relatório focus trouxe ainda a projeção para o ipca em 2020, que seguiu em 4,00%. no caso de 2021, a expectativa foi de 3,95% para 4,00%. há quatro semanas, essas projeções eram de 4,00% para ambos os anos. a projeção dos economistas para a inflação em 2018 está dentro da meta deste ano, cujo centro é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 3,0% a 6,0%). para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%). no caso de 2020, a meta é de 4,00%, com margem de 1,5 ponto (de 2,5% a 5,5%). já a meta de 2021 é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). em 20 de julho, o instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge) informou que o ipca-15 de julho subiu 0,64%. a taxa acumulada no ano foi de 3,00% e nos 12 meses encerrados em julho de 4,53%. entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do ipca no médio prazo, denominadas top 5, a mediana das projeções para 2018 no focus foi de 4,09% para 4,04%. para 2019, a estimativa do top 5 foi de 4,06% para 4,07%. quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,83% e 4,00%, respectivamente. no caso de 2020, a mediana do ipca no top 5 permaneceu em 4,00%, igual ao verificado há um mês. a projeção para 2021 no top 5 seguiu em 3,75%, também igual ao visto um mês atrás. a projeção mediana para o ipca 2018 atualizada com base nos últimos cinco dias úteis foi de 4,11% para 4,10%. houve 35 respostas para esta projeção no período. há um mês, o porcentual calculado estava em 4,16%. no caso de 2019, a projeção do ipca dos últimos 5 dias úteis passou de 4,10% para 4,11%. há um mês, estava em 4,10%. essas projeções do ipca que consideram apenas os últimos 5 dias úteis são uma das novidades do novo formato do focus. as projeções gerais do ipca, que seguem fazendo parte do focus, levam em conta os últimos 30 dias. conforme o bc, a intenção de divulgar projeções com base nos últimos dias úteis tem como objetivo mostrar um retrato mais tempestivo do indicador de inflação. os economistas do mercado financeiro mantiveram a previsão para a inflação em julho de 2018, em 0,30%. para agosto, a projeção seguiu em 0,07% e, para setembro, passou de 0,21% para 0,22%. há um mês, os porcentuais eram de 0,12% e 0,22%, respectivamente. no relatório trimestral de inflação (rti), divulgado no fim de junho, o bc informou que suas projeções de inflação no curto prazo são de 0,27% em julho e 0,20% em agosto. no focus agora divulgado, a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de 3,70% para 3,67% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,02%. alta do pib de 2018 permanece em 150 na pesquisa focus a expectativa de alta para o pib este ano seguiu em 1,50%, conforme o relatório de mercado focus, divulgado nesta segunda-feira, 23, pelo banco central. há quatro semanas, a estimativa era de crescimento de 1,55%. para 2019, o mercado manteve a previsão de alta do pib de 2,50% ante 2,60% de quatro semanas atrás. no fim de junho, o bc reduziu sua projeção para o pib em 2018, de 2,6% para 1,6%. a instituição atribuiu a mudança na estimativa à frustração com a economia no início do ano. na última sexta-feira, o ministério do planejamento também atualizou sua projeção, de 2,5% para 1,6%. produção industrial no relatório focus desta segunda-feira, 23, a projeção para a produção industrial de 2018 passou de alta de 2,96% para avanço de 2,91%. há um mês, estava em 3,50%. no caso de 2019, a estimativa de crescimento da produção industrial seguiu em 3,00%, ante 3,20% verificados quatro semanas antes. a pesquisa mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o pib para 2018 foi de 54,93% para 54,60%. há um mês, estava em 55,00%. para 2019, a expectativa permaneceu em 58,00%, mesmo porcentual de um mês atrás.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/07/640901-mercado-financeiro-mantem-projecao-de-inflacao-para-2018-em-4-11.html)
30/07/2018

IGP-M recua em julho, mas acumula alta de 8,24% em 12 meses, revela

 o índice geral de preços - mercado (igp-m) desacelerou de 1,87% em junho para 0,51% em julho, divulgou na manhã desta segunda-feira (30) a fundação getulio vargas (fgv). assim, o indicador saltou de 6,92% em 12 meses até junho para 8,24%. no ano, o acumulado registra elevação de 5,92%. entre os três indicadores que compõem o igp-m, o índice de preços ao produtor amplo (ipa-m) desacelerou de 2,33% para 0,50% entre junho e julho. o índice de preços ao consumidor (ipc-m) também desacelerou de 1,09% para 0,44. o índice nacional de custo da construção (incc-m) que passou de 0,76% para 0,72% no período. a desaceleração no ritmo de alta do igp-m teve bastante influência do índice de preços ao produtor amplo (ipa) agropecuário, que saiu de alta de 3,03% em junho para recuo de 1,83% em junho, conforme informou a fgv. o alívio ainda foi puxado pelo arrefecimento do ipa industrial, que saiu de 2,10% no sexto mês do ano para 1,30% em julho. o ipa atingiu 0,50%, ficando bem aquém da elevação de 2,33% em junho. em 12 meses, o ipa acumula alta expressiva de 10,50%, inferior à de 8,24% do igp-m em igual período e que ficou em 0,51% em julho (de 1,87%). na cadeia produtiva, os bens finais justificaram o arrefecimento do ipa, com recuo de 0,15% depois de aumento de 2,58% em junho. nessa etapa de produção, o destaque foram os alimentos in natura, cuja taxa de variação passou de elevação de 8,19% para declínio de 11,55%. o índice relativo a bens finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou alta de 0,99% em julho, ante 1,84% no mês anterior. os bens intermediários tiveram leve arrefecimento, de 2,42% em junho para 2,11% em julho, com influência de subgrupo suprimentos, que saiu de alta de 4,72% para variação positiva de 2,25%. já as matérias-primas brutas tiveram queda de 0,70% este mês depois de elevação de 1,92% em junho. os itens que mais contribuíram para esse alívio foram: milho (em grão), de alta de 3,70% para recuo de 9,53%; aves, de elevação de 21,22% para alta de 8,12%; e minério de ferro, que passou de retração de 0,06% para declínio de 1,50%). em contrapartida, os produtos a seguir pressionaram o índice: leite in natura (de alta de 3,24% para 7,36%), bovinos (de queda de 0,64% para alta de 1,18%) e arroz (em casca) (de alta 2,54% para 4,69%).   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/07/640898-igp-m-recua-em-julho-mas-acumula-8-24-em-12-meses-revela-fgv.html)
30/07/2018

Dólar tem sinais mistos com exterior e Ptax no radar

 o dólar opera em baixa ante o real nos primeiros negócios desta segunda-feira (30) e conduz os juros futuros para bem perto dos ajustes anteriores, refletindo o desempenho fraco da moeda americana no exterior em meio à postura cautelosa nos mercados internacionais ante a forte agenda semanal. no mercado doméstico, as rolagens de contratos cambiais no mercado futuro adicionam volatilidade aos negócios e o dólar futuro de agosto, mais negociado até hoje, já subia 0,03%, a r$ 3,7110, na máxima às 9h20min. no mesmo horário, o dólar à vista recuava 0,19%, aos r$ 3,7104. os sinais desiguais refletem ajustes após o dólar agosto ter fechado a r$ 3,710, mais baixo que o valor de encerramento da taxa à vista, a r$ 3,7173 na sexta-feira. os investidores em geral estão à espera das decisões de juros do banco do japão, na madrugada desta terça-feira, do copom brasileiro e do federal reserve (fed), na quarta-feira, e do banco da inglaterra, na quinta-feira. para esta terça-feira, é esperado o dado de inflação do pce, que é a medida preferida do fed, e na sexta-feira, o relatório de empregos (payroll) dos estados unidos. lá fora, o dólar caía nesta manhã ante moedas fortes, com os investidores evitando assumir grandes posições antes da decisão de política monetária do fed. ante a libra e o iene, o dólar opera próximo à estabilidade, com investidores no aguardo também pelas decisões de juros do banco do japão e do banco da inglaterra (boe). às 9h30, o dólar operava estável a 111,10 ienes, o euro subia a us$ 1,1681 e a libra tinha leve alta a us$ 1,3117. nas mesas de operação domésticas, a eleição ainda bastante incerta seguirá no radar, com candidaturas e coligações devendo ser fechadas até domingo (5/8). o presidente do banco central, ilan goldfajn, reúne-se nesta segunda-feira, em são paulo, com o ministro da fazenda, eduardo guardia, e com o coordenador do programa de governo do pt, fernando haddad. no encontro, marcado para entre 10h00 e 11h00, eles tratarão de assuntos econômicos. a questão comercial segue também no foco. um alto funcionário do governo trump disse no domingo que os eua "começarão imediatamente" a negociar com a união europeia para forjar acordos comerciais sobre produtos agrícolas e energéticos, prometendo "uma transação real" para vender mais soja, carne bovina e gás natural líquido aos países europeus. no câmbio, no fim da manhã, o bc faz leilão de 14.455 contratos de swap (us$ 722,8 mi) e conclui a rolagem dos us$ 14,023 bilhões que vencem em agosto (11h30).   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/07/640903-dolar-tem-sinais-mistos-com-exterior-e-ptax-no-radar.html)
26/07/2018

Estabilidade e complemento de renda na aposentadoria

 | futuro | previdência privada é uma das alternativas para quem deseja garantir uma renda equilibrada no futuro. benefício deve ser pensado desde cedo. quanto maior a contribuição, maior o valor pago pensar na aposentadoria não é algo que deve ser feito quando se chega próximo dos 60 anos. o benefício da previdência social, para quem contribuiu por 35 anos, está garantido, mas ele nem sempre atende às necessidades da família – especialmente quando se supera o teto de r$ 5.646 do instituto nacional do seguro social (inss). contudo, o pagamento de uma previdência complementar é uma alternativa para garantir conforto e estabilidade ao segurado. a equação do plano privado é simples: contribuir mais para ganhar mais. “nós temos hoje uma previdência social pagando cada vez menos. não adianta pensar nessa questão nos 50 anos. a tendência é que, no futuro, o pagamento do teto do inss seja mais baixo, diminuindo para r$ 5 mil ou r$ 2,5 mil”, estima newton conde, proprietário da conde consultoria atuarial (cca). o planejamento, segundo ele, deve ser feito desde cedo. “geralmente, os pais podem já iniciar o plano de previdência dos filhos. eles vão depositando valores e, quando ficarem mais velhos, os filhos vão ter a garantia de recursos para a aposentadoria”, explica. considerando que uma pessoa ganha r$ 3 mil mensais e tem recolhido 11% do salário (r$ 330) pelo inss, seu benefício seria quase r$ 2,7 mil – levando em conta que ela começou a contribuir aos 20 anos e se aposentou aos 60 anos. na previdência privada, se utilizado o mesmo padrão, o benefício será de r$ 1,51 mil. “para ele ter na previdência privada próximo dos r$ 2,7 mil, a contribuição seria de r$ 586, enquanto na previdência social ele pagaria r$ 330”, avalia. em outro caso, segue a lógica do contribuir mais para ganhar mais: o segurado investia r$ 700 mensais, com a mesma idade de 20 anos e, aos 50 anos, acumulou r$ 500 mil. para se aposentar na previdência privada teria uma renda de r$ 2,17 mil. com esses mesmos r$ 500 mil, se a aposentadoria fosse aos 60 anos, ele teria um benefício mensal de r$ 2,6 mil. no país, há duas modalidades de planos de previdência privada. a primeira é o plano gerador de benefício livre (pgbl). sua principal característica é a dedução da contribuição do imposto de renda (ir), permitindo abater até 12% da renda bruta tributável (salário, renda de aluguéis, etc). ideal para pessoas que têm mais despesas que o normal a deduzir, como gastos com planos de saúde, educação e dependentes. “a grande vantagem é que você pode ter isenção de imposto. lança o que aplicou na declaração anual. mas, no início da aposentadoria, como você teve deduções durante anos, o valor será cobrado ao longo do pagamento do seu benefício”, destaca fernando aquino, conselheiro do conselho federal de economia (cofecon). já o vida gerador de benefício livre (vgbl) é aplicado para quem opta pelo modelo de declaração simplificado, ou seja, possui menos deduções a fazer e utiliza o padrão de 20% de desconto. aqui não incidem tributos sobre o dinheiro a receber no início da aposentadoria. números 5,6 mil reais é o atual teto do inss, em que as aposentadorias do país são baseadas. 2,7 mil reais seria o valor da aposentadoria de quem ganha r$ 3 mil e tem recolhido 11% do salário pelo inss.

Conseg: todos os olhares voltam-se para o Nordeste


04/06/2018

15 expositores nacionais e mais de mil participantes são esperados no evento

A cidade de Maceió (AL) recebeu o 3° Congresso de Corretores de Seguros do Nordeste entre os dias 31 de maio e 1º de junho. Mais de mil participantes e 15 expositores entre as grandes companhias seguradoras do país estiveram no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso. O encontro, que é o maior e o mais importante do mercado de seguros do Nordeste, contou com o apoio institucional da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), do Sindicato das Seguradoras Norte Nordeste (Sindseg N/NE), do Sindicato das Seguradoras da BA/SE/TO e da Escola Nacional de Seguros (Funenseg).

O tema do congresso este ano foi “Adaptando-se às mudanças – evoluir conservando os princípios”. Na programação da feira, palestras dos órgãos reguladores e de outras empresas do mercado.
O potencial do mercado local pode ser expresso em números. Segundo dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), o mercado segurador movimentou cerca de R$ 58,4 bilhões no primeiro trimestre de 2018 no Brasil, sem contar o segmento de Seguro Saúde. A região Nordeste representa 10,6% da arrecadação do setor (cerca de R$ 6,1 bilhões). Até março deste ano, o setor como um todo devolveu R$ 32,3 bilhões à sociedade em forma de indenizações, sorteios, resgates e benefícios.

Com um stand Congresso, a Capemisa Seguradora participou do evento pelo terceiro ano consecutivo. Desta vez, a companhia reforça o lançamento do seu novo PME e a Campanha Sou+Você 2018. O superintendente regional Marcelo Vasconcelos fez uma apresentação no painel Diretores Regionais. Além dele e dos executivos da região da companhia, o diretor comercial, Fabio Lessa, também participou do evento.

A Previsul Seguradora atua no Nordeste por meio da sucursal da Bahia e escritórios em Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte. Marcando presença também no evento, a diretora de Negócios, Andreia Araújo, destaca a importância de participar de congressos como este. “É uma honra muito grande estar presente neste evento de grande destaque no cenário nacional de seguros. O Nordeste é uma região muito importante para mercado segurador, e a Previsul busca oferecer ao nosso parceiro, o corretor de seguros, grandes possibilidades de negócios por meio do nosso portfólio de produtos e ferramentas digitais”, afirma.

A Tokio Marine Seguradora também participou do Congresso. O executivo Ronaldo Dalcin compartilhou, em rede social, uma imagem da equipe da companhia no stand organizado para o 3º Conseg.
Já os executivos da Allianz Seguros abordaram o potencial do mercado nordestino e apresentaram novidades de produtos no Conseg-NE. Eduardo Grillo e Alexandro Barbosa enfatizaram a importância estratégica da região e apresentaram aos corretores locais as reformulações ocorridas nos produtos de Automóvel, Residência e Vida.

No painel “O que devemos esperar do mercado de seguros do Nordeste”, o executivo Eduardo Grillo, diretor executivo Comercial da Allianz Seguros, evidenciou que a região acumulou R$ 8,6 bilhões em prêmios em 2017 e obteve aumento de 13,5%, sobre 2016. “O Nordeste foi a região do Brasil que mais se desenvolveu em seguros no ano passado. A nossa perspectiva é que o seu crescimento permaneça nesse patamar, de dois dígitos, sendo impulsionado pelas carteiras de Automóvel, Residência e Vida”, disse.

À tarde, Alexandro Barbosa, diretor regional Norte e Nordeste, abordou as oportunidades de negócios, com foco em diversificação, e apresentou as novidades dos seguros de Automóvel, Residência e Vida da seguradora – os três produtos passaram por simplificação de processos e estão mais ágeis para cotação. “No novo Allianz Auto, uma única cotação gera 12 cálculos para que o segurado possa comparar custos e benefícios e verificar aquela que melhor se encaixa às suas necessidades e há também um novo conceito de perfil de risco”, contou Barbosa. Já o Residência passou a ter diferenciais como: cobertura para veículo na garagem em caso de incêndio; novos serviços de assistência 24 horas; e opção de seguro para residências com escritório. E entre as novidades do Vida estão: capital segurado máximo de 1 milhão com cotação na ponta; vigência da apólice de cinco anos; e preenchimento e análise do questionário de saúde totalmente online.

Enquanto isso o Grupo MBM levou corretores e associados ao Sincor-PE para o evento. Trinta corretores de seguros, juntamente com o superintendente comercial, Alexsander Kaufmann e o executivo de contas da filial MBM Pernambuco, Rodrigo Rabelo, saíram de Recife com destino a Maceió. “É uma ótima oportunidade para estreitar laços entre MBM e corretores. Agradeço a Ana Izabel Lopes da Silva, diretora do Sincor-PE, assim como o Carlos Valle, presidente da entidade e toda sua diretoria pela oportunidade e confiança”, comenta Rodrigo Rabelo.

Com o conceito “Um mar de oportunidades com bons ventos para você”, a Porto Seguro apresentou aos Corretores informações e oportunidades comerciais sobre os produtos e serviços da companhia. Rivaldo Leite, Diretor Geral da seguradora, foi um dos participantes do painel “O que devemos esperar do mercado de seguros no Nordeste nos próximos anos”. Por sua vez, Jaime Soares, Diretor da Porto Seguro Auto, fez apresentação sobre o seguro de automóveis.

A Liberty Seguros, outra apoiadora do evento, marcou presença com um stand para que corretores conheçam as novidades da companhia, além de participar do painel de seguradoras representada por Emerson Passos, diretor Norte e Nordeste. “O Nordeste apresenta inúmeras oportunidades para o setor de seguros. É muito importante a participação da Liberty no Conseg para apresentar suas soluções e manter a proximidade dos corretores e parceiros da região, cujo papel é essencial para expansão do negócio”, reforça Emerson Passos, diretor Norte e Nordeste da Liberty Seguros.

O desempenho da Liberty no Nordeste em 2018 impressiona. O crescimento da companhia foi de 33,5%, enquanto o mercado cresceu 11,2% (excetuando-se os produtos de saúde, vida e previdência). Os números em Alagoas, onde aconteceu o 3º Conseg-NE, são ainda melhores. A Liberty Seguros viu seus resultados crescerem 49%, enquanto a alta do mercado foi de 9%.

A Sompo Seguros demonstrou aos agentes do segmento os investimentos para aumentar market share na região. Além de estande com destaque às mais recentes soluções da companhia em termos de produtos de seguros, os executivos da companhia também participam de diversos painéis, nos quais serão tratados aspectos relevantes de mercado, sejam eles de ordem econômica ou técnica.

 “A Sompo tem investido substancialmente para potencializar nossa atuação no mercado nordestino. A região tem uma capacidade bastante relevante em termos de expansão no segmento e pretendemos contribuir com esse movimento alcançando uma participação expressiva em carteiras que consideramos estratégicas”, destaca Fernando Grossi, diretor executivo comercial que representou a companhia no painel realizado com os CEOs das seguradoras.

“As estratégias que vimos adotando já trazem resultados para a companhia. No primeiro quadrimestre de 2018, a Sompo apresentou crescimento de 33% em seguros de Transporte e 10% em seguros de Pessoas em comparação aos quatro primeiros meses de 2017. Esses são índices acima da média de mercado e nós pretendemos continuar a conquistar mais representatividade nos nove Estados da Região com nosso portfólio de produtos”, destaca Eduardo Fazio, Diretor Comercial para Rio de Janeiro, Espírito Santo, Norte e Nordeste, que participou dos painéis técnicos do encontro, bem como Edson Toguchi, Superintendente de Grandes Riscos da Sompo.

Em seu processo de dinamizar a atuação no mercado nordestino, a Sompo anunciou em maio Ana Eliza Aladim como a nova Gerente de Negócios Corporativos para a Região Nordeste. Ela terá como desafio expandir o trabalho já realizado na Filial Recife para os demais estados da região. A executiva aumentou expressivamente a atuação da companhia em segmentos de riscos corporativos.

A Essor Seguros foi representada pelo Executivo de Relacionamento, Tasso Gomes, que apresentou os produtos da seguradora aos presentes. Hoje, a carteira conta com os diversos seguros especializados, mas o foco será a divulgação do Seguro Penhor Rural – Equipamentos, recém-lançado pela companhia ao mercado.

Na ocasião, ainda foi realizada ainda a cerimônia de posse da diretoria da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor).

*Colaboraram: Agência Race, Agência RMA, Danthi, Edelman Significa, Literal Link, SmartPR e VTN Comunicação.

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989