16/10/2018

Algumas diferenças entre a Previdência do Servidor e o INSS

 muito se fala, no momento, em reforma da previdência com o objetivo de modificar o sistema estabelecido pela constituição federal, apresentando-se propostas que, no fundo, não fogem muito uma da outra. além disso e longe de querer avaliar propostas apresentadas, o fato é que todos que falam em reforma voltam sua carga aos servidores públicos afirmando que se trata de um sistema que precisa ser alterado. essa necessidade de alteração decorre do desequilíbrio das contas públicas que, com a crise econômica, fica mais evidente, principalmente quanto as despesas com pessoal. nunca é demais lembrar que quando a crise chegou fortemente ao país, vários regimes próprios encontravam-se no auge da transição de um regime de repartição simples para um de capitalização iniciada nos anos 2000, a qual, como era de conhecimento de todos, atingiria um ápice de necessidade de esforço financeiro, só não se esperava que esse pico ocorresse em um momento de crise econômica. situação que exigiu uma série de medidas como as que vem ocorrendo país a fora e a nível nacional na discussão de nova modificação nas regras previdenciárias do servidor. discussão essa que deve ser feita considerando alguns aspectos extremamente importantes, principalmente para aqueles que defendem uma unificação total dos sistemas previdenciários brasileiros, cujo marco inicial, deve ser, ao menos a nosso ver, algumas diferenças existentes. a primeira delas consistente no fato de que os requisitos para a aposentadoria são bastante diferenciados, pois enquanto que no inss a aposentadoria por tempo de contribuição exige 35 (homem) ou 30 (mulher) anos, além da carência. no regime próprio o servidor só se aposenta quando completar 35 (homem) ou 30 (mulher) anos de contribuição e 60 (homem) ou 55 (mulher) anos de idade, desde que conte com 10 anos de serviço público e cinco no cargo. já com relação aos proventos, é bem verdade que no inss existe um teto máximo a ser recebido pelos segurados, enquanto que no serviço público, onde ainda não existe previdência complementar, o benefício pode chegar até a última remuneração recebida pelo servidor. ocorre que essa situação é decorrente da diferenciação existente entre a forma de incidência da contribuição previdenciária, pois no inss a contribuição possui três alíquotas (8%, 9% e 11%) e é definida de acordo com faixas salariais, além de alcançar no máximo o valor definido como limite para o benefício. enquanto que o servidor não pode possuir alíquotas progressivas, paga no mínimo 11% (onze por cento), por determinação constitucional e a base de cálculo é a totalidade de sua remuneração. vale destacar também que no regime geral a relação jurídica previdenciária é totalmente diversa da laboral, razão pela qual a aposentadoria não se constitui em causa de extinção do vínculo, fazendo com que o aposentado, salvo os casos de invalidez, continue a trabalhar normalmente, recebendo o salário e os proventos de aposentadoria. já o servidor público, quando se aposenta, deve deixar seu cargo efetivo, já que a aposentadoria é prevista nos estatutos como causa de extinção do vínculo. outra diferenciação significativa que merece destaque reside no fato de que, na iniciativa privada existe o fgts, que permite ao trabalhador a acumulação de valores ao longo do tempo, em decorrência de contribuições de seu empregador.  os quais podem ser sacados em determinadas hipóteses, dentre as quais figura a inativação. por outro lado, o servidor público não possui qualquer instituto semelhante, fazendo com que no momento em que se inativa não tenha qualquer valor a receber, salvo o que pode se chamar de verbas rescisórias consistentes, no máximo em saldo de salários, férias e licenças não usufruídas. longe de querer aqui dizer que esse ou aquele está em vantagem com relação ao outro, o fato é que a discussão sobre aproximação ou mesmo unificação de sistema, ainda que pela confluência de regras exige que sejam consideradas essas diferenciações, porque simplesmente aproximar as regras sem levá-las em conta fará com que os sistemas sejam cada vez mais diferentes. fonte: jornal jurid - considerações do colunista bruno sá freire martins.
16/10/2018

Guardar dinheiro: um hábito que se deve aprender desde cedo

  educação financeira deve ser estimulada pelos pais, dizem especialistas sabrina mestieri aprendeu desde cedo a economizar e a dar valor ao seu dinheiro. aos 10 anos chegou à conclusão de que não tinha sentido utilizar todo o dinheiro dado a ela pela mãe para comprar um presente de dia dos pais. sabrina passou, então, a dividir todo o dinheiro que recebia em envelopes conforme a destinação das quantias. este é um dos métodos que sabrina hoje, aos 34 anos, casada, mãe de um menino de 6 anos e de gêmeos de 4 anos, utiliza na educação financeira dos filhos e de outras famílias. “os livros de educação financeira não falam para crianças dessa idade. falam para crianças a partir de 8 anos. achei que meus filhos poderiam aprender isso antes”, afirma ela, jornalista especializada em negócios que desenvolve o projeto crianças e finanças”, com palestras e cursos sobre o tema. o programa mostra às crianças para que serve o dinheiro e incentiva o consumo e a organização da poupança por meio de uma carteira com divisões por cores, recompensas pelo desempenho escolar e um quadro de compromissos que resultam em estrelas trocadas por moedas. sabrina é apenas um dos casos de famílias que, em meio à insegurança em relação ao acesso futuro à aposentadoria proporcionada pelo instituto nacional do seguro social (inss), preocupam-se em ensinar os filhos a poupar desde cedo para garantir o seu futuro. a coach de educação financeira sabrina espíndola, de 37 anos, tem uma filha de 6 anos e conta que ela e seu marido se esforçam para mostrar à criança a importância do dinheiro e do seu bom uso. “digo que precisamos ganhar dinheiro para depois gastar. negociamos com ela os presentes e explicamos quando alguma coisa está cara e que não dá para comprar. demos à joana um porquinho de cofrinho para juntar dinheiro”, conta. de acordo com o economista e diretor-executivo da associação nacional dos executivos de finanças, administração e contabilidade (anefac), miguel ribeiro, o baixo crescimento econômico do país e os juros altos são outros motivos que explicam o estímulo das famílias à poupança dos filhos. “a conscientização é muito importante e, quanto mais cedo você começar a se preocupar com isso, mais fácil será as crianças crescerem em um ambiente de educação financeira”, afirma ele. números do serviço de proteção ao crédito (spc brasil) e da confederação nacional de dirigentes lojistas (cndl) mostram, entretanto, que o hábito de poupar e de se planejar ainda não é uma realidade para a maior parte dos brasileiros. conforme estudo divulgado em abril desse ano, oito em cada dez brasileiros (78%) admitem que não estão se preparando para a hora de se aposentar. a idade média em que os entrevistados começaram a poupar para a aposentadoria é de 28 anos. previdência pública x privada outro efeito das dificuldades econômicas do país é a busca pelos planos de previdência privados. “não quero que meus filhos tenham que contar com o governo. sabemos que, por mais que tenhamos fé e esperança de que as coisas possam melhorar, é surreal tentar contar com uma previdência pública que nunca funcionou”, afirma sabrina mestieri. a coach sabrina espíndola também conta que contratou dois planos de previdência privada logo após o nascimento de sua filha. de acordo com o economista e diretor-executivo da associação nacional dos executivos de finanças, administração e contabilidade (anefac), miguel ribeiro, a discussão da reforma da previdência gera ainda mais insegurança. “com a reforma, a gente não sabe o que vem pela frente, mas é fato que a idade mínima aumentará e as regras se tornarão mais rígidas”. 10% da renda de acordo com o vice-presidente da associação brasileira de educadores financeiros (abefin), jusivaldo almeida, é importante pensar em quando será iniciada a poupança para implantar o plano ideal. “quanto mais cedo começar, mesmo com valores pequenos, maior tempo a pessoa terá para acumular recursos. para se aposentar com 65 anos, considerando-se que a poupança comece aos 25 anos, o planejamento deveria prever no mínimo um valor equivalente a 10% da renda. para início com 35 anos, o valor subiria para 20%”, diz. para almeida, é importante que se pense no futuro desde cedo. “ter previdência privada desde jovem poderá garantir um futuro confortável, ainda mais com a reforma da previdência e as incertezas da aposentadoria do inss”. segundo ele, o jovem deve refletir sobre seu padrão de vida atual e o desejável na vida pós-aposentadoria e sobre aspectos como a manutenção da saúde e o preenchimento do tempo livre e buscar produtos conforme seu perfil financeiro. entre as opções estão planos da empresa dos pais ou de bancos e seguradoras, na modalidade pgbl (plano gerador de benefício livre), para aproveitar a dedução de 12% do imposto de renda, caso se utilize o modelo completo da declaração. há ainda o vgbl (vida gerador de benefício livre), plano vantajoso quando se utiliza a declaração simplificada do ir. “nos dois casos, se o jovem está consciente de que está fazendo um investimento de longo prazo, superior a dez anos, deve adotar o regime de tributação regressiva, pois o desconto no imposto de renda sobre o resgate ou renda será de apenas 10% lá na frente”, orienta. complemento o advogado previdenciário thiago luchin alerta que a previdência privada deve ser utilizada apenas como um complemento ao inss e nunca como substituta. “na previdência privada, o valor a ser investido é muito maior com um retorno e benefícios menores. com as notícias sobre a reforma da previdência muitas pessoas deixaram de contribuir, com medo de que estariam jogando dinheiro fora. esse é um grande equívoco, porque a previdência social é um recurso importantíssimo que. “quando investido corretamente, gera uma renda segura e fundamental para o trabalhador”, defende o especialista do escritório aith, badari e luchin advogados. para ele, o governo deve ser responsável pelo trabalho de educação e conscientização previdenciária. “falta um programa de incentivo previdenciário por parte do governo, assim como educação nas escolas e dentro de casa. com isto, as pessoas só vão perceber a necessidade de ter uma previdência próxima dos 30 anos de idade, retardando o momento de se aposentar e perdendo possíveis benefícios como, por exemplo, o salário-maternidade e o auxílio-doença”, analisa luchin. o economista e professor de ciências econômicas da universidade federal do abc (ufabc), ramon fernandez, aborda a discussão sob a ótica social e comportamental. “depois de algum tempo contribuindo com a sociedade, as pessoas ganharam o direito de deixar de trabalhar mesmo quando ainda poderiam continuar produzindo. a questão básica que se coloca é: de onde deveriam sair os recursos para manter essas pessoas?”. para o economista, é possível ver a previdência como um problema individual, no qual cada pessoa traça sua estratégia financeira, ou de todos, como um planejamento do estado para o bem da sociedade. fernandez afirma que a literatura econômica mostra que os seres humanos têm dificuldade de calcular a poupança de recursos em relação ao pós-aposentadoria, pois ninguém sabe o quanto irá viver. outra questão é que boa parte da população não tem condições de atender adequadamente às suas necessidades correntes e, menos ainda, de poupar para o sustento futuro. a jornalista e idealizadora do projeto crianças & finanças, sabrina mestieri, defende que o ideal seria focar menos nos programas sociais e gerar mais conhecimento em educação financeira. “não é possível tirar isso da noite para o dia e deixar as pessoas na miséria, pois elas não são educadas para isso (fazer o planejamento financeiro)”. * mais informações em www.previdenciatotal.com.br fonte: portal previdência total por arthur gangini
16/10/2018

Petróleo fecha em alta com tensões entre Arábia Saudita e EUA

 nova york - os preços do petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira (15), em meio a uma série de ameaças entre estados unidos e arábia saudita, por causa do desaparecimento de um jornalista saudita na turquia. este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/financas/5926305/petroleo-fecha-em-alta-com-tensoes-entre-arabia-saudita-e-eua ou as ferramentas oferecidas na página.
16/10/2018

Bolsas da Europa fecham em alta com Itália e indicadores e de olho no Brexit

 os mercados acionários da europa fecharam em alta nesta terça-feira, com números positivos tanto da economia quanto do setor corporativo americano, ao mesmo tempo em que o envio do orçamento italiano à comissão europeia dá otimismo às bolsas, que se mantêm de olho nas negociações do brexit. o índice pan-europeu stoxx-600 avançou 1,58%, aos 364,97 pontos. a bolsa de milão, onde o índice ftse mib registrou alta de 2,23%, aos 19.717,83 pontos, liderou os ganhos, impulsionada pelo otimismo após o governo de coalização da itália ter enviado o orçamento do próximo ano fiscal à comissão europeia na segunda-feira, último dia do prazo. ainda assim, autoridades europeias sinalizam que devem pedir ajustes ao plano, que prevê um déficit público de 2,4% do produto interno bruto (pib). comissário da união europeia (ue) para o euro e o diálogo social, valdis dombrovskis afirmou que já é possível dizer que ele "parece um desvio significativo" das metas do bloco. mais cedo, o presidente da comissão europeia, jean-claude juncker, disse que a zona do euro "se revoltará" se a ue aprovar o orçamento. o restante das praças europeias também ganhou fôlego com a chegada de boas notícias do continente americano. o relatório jolts, divulgado hoje, mostrou que o número de vagas abertas nos estados unidos subiu de 7,077 milhões em julho (dado revisado, de 6,969 milhões anteriormente) para o nível recorde de 7,136 milhões em agosto, acima da previsão de 6,8 milhões. o resultado deu força às bolsas de nova york e foi bem recebido também na europa. além disso, resultados corporativos positivos nos eua repercutem no velho continente. em meio à temporada de balanços, os destaques do dia foram os bancos morgan stanley e goldman sachs, que surpreenderem ao registrarem lucro por ação acima das expectativas. com o cenário, o dax, de frankfurt, subiu 1,40%, aos 11.776,55 pontos, enquanto o cac 40, de paris, avançou 1,53%, para 5.173,05 pontos. já o ibex 35, de madri, ganhou 1,69%, aos 9.074,70 pontos, e o psi 20, de lisboa, registrou alta de 0,92%, aos 5,042,74 pontos. em londres, o ftse 100 fechou com ganho de 0,43%, aos 7.059,40 pontos, com a libra impulsionada pelo crescimento dos salários no reino unido, que avançaram 3,1% no trimestre até agosto, na comparação anual, mostraram dados oficiais, no patamar mais forte desde o início de 2009. segundo chris beauchamp, analista da corretora ig, a notícia foi suficiente, ao menos por ora, para retirar peso das advertências da ue sobre o risco de não haver acordo na saída do país do bloco, o brexit. para o presidente do conselho europeu, donald tusk, ainda não está claro se haverá um acordo até novembro, com a questão da fronteira entre as irlandas ainda no centro das negociações. investidores acompanharam ainda a divulgação do índice de expectativas econômicas da alemanha, que caiu de -10,6 em setembro para -24,7 em outubro, segundo o instituto alemão zew, recuo mais acentuado do que as projeções, de -12. já a zona do euro teve superávit comercial de 16,6 bilhões de euros (us$ 19,21 bilhões) em agosto, bem maior que o saldo positivo de 12,6 bilhões de euros observado em julho, segundo dados com ajustes sazonais publicados hoje pela eurostat, a agência de estatísticas da união europeia. addthis sharing buttons share to facebookshare to twittershare to linkedinshare to e-mailshare to imprimir comentar | corrigir | compartilhar comentários seja o primeiro a comentar esta notícia hoje no jc para folhear modo texto assine já ios android capa leia também com favoritismo de bolsonaro e exterior positivo, ibovespa sobe dólar cai abaixo de r$ 3,70 com otimismo ampliado após pesquisa ibope bolsas da ásia fecham sem direção única, com ganhos em tóquio e perdas na china bolsas de nova iorque recuam ainda com mau humor, com queda em techs e bancos capinha cadastre seu e-mail no formulário abaixo para começar a receber a newsletter diária.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/10/652744-bolsas-da-europa-fecham-em-alta-com-italia-e-indicadores-e-de-olho-no-brexit.html)
11/10/2018

Dia da Criança

 pouco mais da metade (51%) dos entrevistados pela boa vista em sua pesquisa realizada para identificar a percepção dos brasileiros sobre a importância da educação financeira a crianças e adolescentes afirma poupar para os filhos. destes, 62% dizem guardar mensalmente acima de r$ 50, o que representa um aumento de 9 pontos percentuais (p.p.) na comparação com o ano anterior. de acordo com a pesquisa da boa vista, dos pais que fazem algum tipo de investimento para os filhos, 65% alegam economizar para ajudar nos estudos, como, por exemplo, a pagar a faculdade. 15% afirmam poupar para a compra da casa própria. 13% para outras finalidades, como aposentadoria, previdência e independência financeira. tratamento médico e compra de carro representam 4% e 3%, respectivamente. a poupança ainda é a favorita na hora de investir para os filhos (61%). aplicações em fundos, ações ou cdb são outras modalidades recorrentes para 6% dos pais, quando indagados onde aplicam os recursos para as crianças. previdência privada e títulos de capitalização também são alternativas para 10% e 7% dos entrevistados, respectivamente. a imagem abaixo contém os detalhes. 85% dos consumidores acreditam ser muito importante a orientação financeira para jovens e adolescentes. este mesmo percentual acredita ser importante que desde criança se aprenda a lidar com dinheiro. e como fazem na prática para que isso aconteça? 66% costumam conversar e explicar o que é, como se ganha e para que serve o dinheiro. outros 31% estimulam a criança por meio da economia da mesada ou semanada e 3% alegam que a escola onde a criança estuda tem este tipo de orientação. em média, 23% dos consumidores costumam dar mesada ou semanada. entre 2017 e 2018, este percentual aumentou em 4 pontos percentuais (passando de 23% para 27%). 93% dos consumidores que adotam a prática da mesada utilizam o dinheiro. apenas 6% adotam o cartão, e destes, 71% o consideram uma boa ferramenta para organização das despesas. 64% dos que já dão mesada ou semanada fazem justamente para estimular a educação financeira. 25% para prover recursos para a alimentação e 11% como uma forma de recompensa por bom comportamento. a pesquisa também perguntou se substituiriam o tradicional presente do dia das crianças por um investimento. 58% não substituiriam o presente por uma modalidade de investimento. 42% substituiriam, e destes, 67% optariam pela poupança. 11% por fundos, ações e cdbs. 9% previdência privada. 6% título de capitalização e 7% outros tipos de investimentos. para auxiliar na tarefa de falar de dinheiro com as crianças, a área de serviços ao consumidor da boa vista lançou a cartilha de educação financeira infantil “você sabe de onde vem o dinheiro? ” para baixar o material acesse: www.consumidorpositivo.com.br. metodologia a pesquisa online sobre os hábitos de consumo para o dia das crianças, realizada pela boa vista scpc, entrevistou pouco mais de 1.800 consumidores, em nível nacional, entre 23 de agosto e 20 de setembro, com objetivo identificar a pretensão de compra para o dia das crianças. para leitura dos resultados, considera-se margem de erro de 3p.p. e 95% de grau de confiança. fonte: redação e-commerce news
11/10/2018

Dia do Securitário

 comemora-se, dia 15 de outubro, a terceira segunda-feira do mês, o dia do securitário. o grupo aspecir parabeniza todos os profissionais do mercado de seguros, que juntos, contribuem para o constante crescimento e aperfeiçoamento deste setor que alcança números de sucesso no brasil.
10/10/2018

Planejamento Financeiro e Previdência Privada

 especialista da ***** previdência orienta sobre como programar gastos e investimentos o planejamento financeiro permite ter uma visão clara de como e quando será possível alcançar objetivos, que podem ser desde temas simples como a próxima viagem, passando pela aquisição da casa própria, até a independência financeira. é o início e o passo fundamental de quem quer ver o dinheiro render. de acordo com maristela gorayb, diretora da ***** previdência e planejadora financeira cfp®, primeiro, é necessário definir objetivos e prazos, que poderão ser postergadas ou não, dependendo do fluxo de caixa. a próxima etapa é levantar dados de receitas e despesas, bens, condição tributária, dependentes etc. “assim é possível identificar oportunidades de melhoria no fluxo de caixa, para buscar superávit orçamentário, e levantar riscos financeiros que poderiam desestabilizar e até impedir a realização dos objetivos traçados. e, uma vez identificados os riscos, é possível mitigá-los usando apólices de seguro pessoal ou patrimonial”, explica a especialista. finalmente, é possível criar planos de ação para o alcance das metas estabelecidas, que podem considerar mudanças nos hábitos de consumo e controles de gastos, entre outros. por fim, e não menos importante, há que se definir as melhores classes de ativos para investimentos dos recursos financeiros, sempre de forma alinhada com o perfil do investidor, os prazos de cada objetivo e o cenário econômico. “em um momento inicial, a prioridade deve ser criar uma reserva de emergência capaz de cobrir, pelo menos, seis meses de despesas, podendo variar de acordo com a profissão, com um investimento em um fundo conservador e com liquidez. isto resolvido, é importante que os dependentes estejam protegidos por uma apólice de seguro de vida com vigência até o final do prazo em que se estima esta necessidade e capital suficiente para cobrir as despesas durante todo este período de dependência financeira”, orienta maristela. e a previdência privada? resolvidas as questões iniciais, está na hora de começar a se preocupar com outras situações porvir. contar apenas com a aposentadoria paga pelo inss fará com que a pessoa abra mão de outros sonhos e objetivos que dependem de investimentos. a reserva para a velhice deve estar separada das economias necessárias para outros projetos de médio prazo. maristela lembra que, quanto mais cedo a formação da reserva de aposentadoria tiver início, menor é o valor de investimento mensal. com juros baixos e longevidade em alta, o tempo é fundamental para se alcançar a quantia necessária de forma viável para o orçamento do investidor. “o valor separado para a previdência depende muito de caso a caso. considera idade atual, data prevista para aposentadoria, valor da reserva necessária, e disponibilidade financeira, além dos juros estimados.” como escolher a melhor previdência privada? antes de tudo, é preciso escolher entre o pgbl – melhor opção para quem opta pelo modelo completo de declaração do imposto de renda – e o vgbl – mais adequado para quem usa o modelo simplificado de ir. depois, compare as condições ofertadas, como carregamento, taxa de gestão e tábua atuarial (embora os planos novos ofereçam basicamente a tábua br-sem sem juros garantidos). em seguida, busque um fundo que esteja alinhado com o seu prazo de investimento e perfil, mais agressivo ou conservador. fonte: seguro total
10/10/2018

Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC

 pouco mais da metade (51%) dos entrevistados pela boa vista em sua pesquisa realizada para identificar a percepção dos brasileiros sobre a importância da educação financeira a crianças e adolescentes afirma poupar para os filhos. destes, 62% dizem guardar mensalmente acima de r$ 50, o que representa um aumento de 9 pontos percentuais (p.p.) na comparação com o ano anterior. de acordo com a pesquisa da boa vista, dos pais que fazem algum tipo de investimento para os filhos, 65% alegam economizar para ajudar nos estudos, como, por exemplo, a pagar a faculdade. 15% afirmam poupar para a compra da casa própria. 13% para outras finalidades, como aposentadoria, previdência e independência financeira. tratamento médico e compra de carro representam 4% e 3%, respectivamente. a poupança ainda é a favorita na hora de investir para os filhos (61%). aplicações em fundos, ações ou cdb são outras modalidades recorrentes para 6% dos pais, quando indagados onde aplicam os recursos para as crianças. previdência privada e títulos de capitalização também são alternativas para 10% e 7% dos entrevistados, respectivamente. a imagem abaixo contém os detalhes. 85% dos consumidores acreditam ser muito importante a orientação financeira para jovens e adolescentes. este mesmo percentual acredita ser importante que desde criança se aprenda a lidar com dinheiro. e como fazem na prática para que isso aconteça? 66% costumam conversar e explicar o que é, como se ganha e para que serve o dinheiro. outros 31% estimulam a criança por meio da economia da mesada ou semanada e 3% alegam que a escola onde a criança estuda tem este tipo de orientação. em média, 23% dos consumidores costumam dar mesada ou semanada. entre 2017 e 2018, este percentual aumentou em 4 pontos percentuais (passando de 23% para 27%). 93% dos consumidores que adotam a prática da mesada utilizam o dinheiro. apenas 6% adotam o cartão, e destes, 71% o consideram uma boa ferramenta para organização das despesas. 64% dos que já dão mesada ou semanada fazem justamente para estimular a educação financeira. 25% para prover recursos para a alimentação e 11% como uma forma de recompensa por bom comportamento. a pesquisa também perguntou se substituiriam o tradicional presente do dia das crianças por um investimento. 58% não substituiriam o presente por uma modalidade de investimento. 42% substituiriam, e destes, 67% optariam pela poupança. 11% por fundos, ações e cdbs. 9% previdência privada. 6% título de capitalização e 7% outros tipos de investimentos. para auxiliar na tarefa de falar de dinheiro com as crianças, a área de serviços ao consumidor da boa vista lançou a cartilha de educação financeira infantil “você sabe de onde vem o dinheiro? ” para baixar o material acesse: www.consumidorpositivo.com.br. metodologia a pesquisa online sobre os hábitos de consumo para o dia das crianças, realizada pela boa vista scpc, entrevistou pouco mais de 1.800 consumidores, em nível nacional, entre 23 de agosto e 20 de setembro, com objetivo identificar a pretensão de compra para o dia das crianças. para leitura dos resultados, considera-se margem de erro de 3p.p. e 95% de grau de confiança. fonte: redação e-commerce news
10/10/2018

Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro

 são paulo - (atualizada às 13h19) o ibovespa intensificou o ritmo de perdas e já opera em queda de mais de 2% nesta quarta-feira, num dia marcado pelo noticiário político agitado e pela maior aversão ao risco no exterior. nesse contexto, os investidores aproveitam para embolsar parte dos ganhos acumulados ao longo de outubro -- e as ações de empresas estatais aparecem entre as principais afetadas por esse movimento. às 13h19, o ibovespa recuava 2,20%, aos 84.197 pontos. o giro financeiro do índice soma r$ 6,2 bilhões. na terça-feira, o índice da bolsa paulista fechou praticamente estável, aos 86.087 pontos, um dia depois de ter subido 4,57%, aos 86.084 pontos, maior nível desde 16 de maio. eletrobras pnb (-13,8%) e eletrobras on (-12,6%) apresentam o pior desempenho do ibovespa na sessão. outras estatais, como banco do brasil on (-3,77%), petrobras on (-4%) e petrobras pn (-3,84%) também recuam com intensidade e pressionam o índice como um todo. o tom mais cauteloso dos investidores ocorre na esteira do noticiário político-eleitoral. além das alianças que começam a se formar entre os partidos, o mercado também repercute declarações recentes de jair bolsonaro (psl) a respeito dos planos econômicos de seu eventual governo. para um analista, as recentes declarações de jair bolsonaro (psl) trouxeram algum desconforto aos mercados. além disso, a sinalização de maior gradualismo na implantação das reformas econômicas, rechaçando o modelo proposto pelo governo michel temer, também contribui para trazer cautela aos investidores. em entrevista à tv bandeirantes, bolsonaro mostrou-se resistente à ideia de privatizar empresas estatais consideradas "estratégicas", incluindo o setor energético -- em especial, a área de geração da eletrobras. o presidenciável disse ser contra a privatização do 'miolo' da eletrobras e da petrobras. questionado, o candidato do psl afirmou que a venda área de distribuição da eletrobras até poderia ser discutida, mas não a de geração. quanto à petrobras, bolsonaro disse considerar possível privatizar o refino do petróleo. além disso, também gera ruído a declaração do coordenador político da campanha de bolsonaro, deputado onyx lorenzoni (dem-rs), dando a entender que o militar e seu entorno não são favoráveis à reforma da previdência nos modelos propostos pelo governo michel temer. além das estatais, outros setores que também avançaram forte nos últimos dias também operam em queda hoje. é o caso dos bancos privados, com itaú pn (-2,31%) e bradesco pn (-2,17%), e das varejistas, com b2w on (-6,21%) e magazine luiza on (-2,84%). já o segmento de mineração e siderurgia tem baixa na esteira das tensões globais com a china. vale on (-2,03%), csn on (-5,05%), gerdau pn (-2,87%) e usiminas pna (-5,79%) aparecem na ponta negativa do ibovespa. poucos papéis conseguem avançar nesta quarta-feira, em especial os de empresas exportadoras -- o dólar sobe mais de 1%, na casa de r$ 3,75. suzano on tem o melhor desempenho do dia, avançando 3,98%, seguido por fibria on (1,43%), weg on (1,2%) e units da klabin (0,67%). nos últimos dias, a euforia tomou conta do mercado e fez o valor de mercado das ações do chamado "kit eleições" - papéis mais sensíveis ao cenário político - subir quase 20% no início de outubro. esse pacote inclui companhias estatais - petrobras, eletrobras e banco do brasil - bem como bancos privados (itaú unibanco e bradesco) e varejistas (magazine luiza e lojas renner), além de embraer. fonte: este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/financas/5915221/ibovespa-cai-mais-de-2-investidor-repercute-declaracoes-de-bolsonaro ou as ferramentas oferecidas na página.

Conseg: todos os olhares voltam-se para o Nordeste


04/06/2018

15 expositores nacionais e mais de mil participantes são esperados no evento

A cidade de Maceió (AL) recebeu o 3° Congresso de Corretores de Seguros do Nordeste entre os dias 31 de maio e 1º de junho. Mais de mil participantes e 15 expositores entre as grandes companhias seguradoras do país estiveram no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso. O encontro, que é o maior e o mais importante do mercado de seguros do Nordeste, contou com o apoio institucional da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), do Sindicato das Seguradoras Norte Nordeste (Sindseg N/NE), do Sindicato das Seguradoras da BA/SE/TO e da Escola Nacional de Seguros (Funenseg).

O tema do congresso este ano foi “Adaptando-se às mudanças – evoluir conservando os princípios”. Na programação da feira, palestras dos órgãos reguladores e de outras empresas do mercado.
O potencial do mercado local pode ser expresso em números. Segundo dados da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), o mercado segurador movimentou cerca de R$ 58,4 bilhões no primeiro trimestre de 2018 no Brasil, sem contar o segmento de Seguro Saúde. A região Nordeste representa 10,6% da arrecadação do setor (cerca de R$ 6,1 bilhões). Até março deste ano, o setor como um todo devolveu R$ 32,3 bilhões à sociedade em forma de indenizações, sorteios, resgates e benefícios.

Com um stand Congresso, a Capemisa Seguradora participou do evento pelo terceiro ano consecutivo. Desta vez, a companhia reforça o lançamento do seu novo PME e a Campanha Sou+Você 2018. O superintendente regional Marcelo Vasconcelos fez uma apresentação no painel Diretores Regionais. Além dele e dos executivos da região da companhia, o diretor comercial, Fabio Lessa, também participou do evento.

A Previsul Seguradora atua no Nordeste por meio da sucursal da Bahia e escritórios em Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte. Marcando presença também no evento, a diretora de Negócios, Andreia Araújo, destaca a importância de participar de congressos como este. “É uma honra muito grande estar presente neste evento de grande destaque no cenário nacional de seguros. O Nordeste é uma região muito importante para mercado segurador, e a Previsul busca oferecer ao nosso parceiro, o corretor de seguros, grandes possibilidades de negócios por meio do nosso portfólio de produtos e ferramentas digitais”, afirma.

A Tokio Marine Seguradora também participou do Congresso. O executivo Ronaldo Dalcin compartilhou, em rede social, uma imagem da equipe da companhia no stand organizado para o 3º Conseg.
Já os executivos da Allianz Seguros abordaram o potencial do mercado nordestino e apresentaram novidades de produtos no Conseg-NE. Eduardo Grillo e Alexandro Barbosa enfatizaram a importância estratégica da região e apresentaram aos corretores locais as reformulações ocorridas nos produtos de Automóvel, Residência e Vida.

No painel “O que devemos esperar do mercado de seguros do Nordeste”, o executivo Eduardo Grillo, diretor executivo Comercial da Allianz Seguros, evidenciou que a região acumulou R$ 8,6 bilhões em prêmios em 2017 e obteve aumento de 13,5%, sobre 2016. “O Nordeste foi a região do Brasil que mais se desenvolveu em seguros no ano passado. A nossa perspectiva é que o seu crescimento permaneça nesse patamar, de dois dígitos, sendo impulsionado pelas carteiras de Automóvel, Residência e Vida”, disse.

À tarde, Alexandro Barbosa, diretor regional Norte e Nordeste, abordou as oportunidades de negócios, com foco em diversificação, e apresentou as novidades dos seguros de Automóvel, Residência e Vida da seguradora – os três produtos passaram por simplificação de processos e estão mais ágeis para cotação. “No novo Allianz Auto, uma única cotação gera 12 cálculos para que o segurado possa comparar custos e benefícios e verificar aquela que melhor se encaixa às suas necessidades e há também um novo conceito de perfil de risco”, contou Barbosa. Já o Residência passou a ter diferenciais como: cobertura para veículo na garagem em caso de incêndio; novos serviços de assistência 24 horas; e opção de seguro para residências com escritório. E entre as novidades do Vida estão: capital segurado máximo de 1 milhão com cotação na ponta; vigência da apólice de cinco anos; e preenchimento e análise do questionário de saúde totalmente online.

Enquanto isso o Grupo MBM levou corretores e associados ao Sincor-PE para o evento. Trinta corretores de seguros, juntamente com o superintendente comercial, Alexsander Kaufmann e o executivo de contas da filial MBM Pernambuco, Rodrigo Rabelo, saíram de Recife com destino a Maceió. “É uma ótima oportunidade para estreitar laços entre MBM e corretores. Agradeço a Ana Izabel Lopes da Silva, diretora do Sincor-PE, assim como o Carlos Valle, presidente da entidade e toda sua diretoria pela oportunidade e confiança”, comenta Rodrigo Rabelo.

Com o conceito “Um mar de oportunidades com bons ventos para você”, a Porto Seguro apresentou aos Corretores informações e oportunidades comerciais sobre os produtos e serviços da companhia. Rivaldo Leite, Diretor Geral da seguradora, foi um dos participantes do painel “O que devemos esperar do mercado de seguros no Nordeste nos próximos anos”. Por sua vez, Jaime Soares, Diretor da Porto Seguro Auto, fez apresentação sobre o seguro de automóveis.

A Liberty Seguros, outra apoiadora do evento, marcou presença com um stand para que corretores conheçam as novidades da companhia, além de participar do painel de seguradoras representada por Emerson Passos, diretor Norte e Nordeste. “O Nordeste apresenta inúmeras oportunidades para o setor de seguros. É muito importante a participação da Liberty no Conseg para apresentar suas soluções e manter a proximidade dos corretores e parceiros da região, cujo papel é essencial para expansão do negócio”, reforça Emerson Passos, diretor Norte e Nordeste da Liberty Seguros.

O desempenho da Liberty no Nordeste em 2018 impressiona. O crescimento da companhia foi de 33,5%, enquanto o mercado cresceu 11,2% (excetuando-se os produtos de saúde, vida e previdência). Os números em Alagoas, onde aconteceu o 3º Conseg-NE, são ainda melhores. A Liberty Seguros viu seus resultados crescerem 49%, enquanto a alta do mercado foi de 9%.

A Sompo Seguros demonstrou aos agentes do segmento os investimentos para aumentar market share na região. Além de estande com destaque às mais recentes soluções da companhia em termos de produtos de seguros, os executivos da companhia também participam de diversos painéis, nos quais serão tratados aspectos relevantes de mercado, sejam eles de ordem econômica ou técnica.

 “A Sompo tem investido substancialmente para potencializar nossa atuação no mercado nordestino. A região tem uma capacidade bastante relevante em termos de expansão no segmento e pretendemos contribuir com esse movimento alcançando uma participação expressiva em carteiras que consideramos estratégicas”, destaca Fernando Grossi, diretor executivo comercial que representou a companhia no painel realizado com os CEOs das seguradoras.

“As estratégias que vimos adotando já trazem resultados para a companhia. No primeiro quadrimestre de 2018, a Sompo apresentou crescimento de 33% em seguros de Transporte e 10% em seguros de Pessoas em comparação aos quatro primeiros meses de 2017. Esses são índices acima da média de mercado e nós pretendemos continuar a conquistar mais representatividade nos nove Estados da Região com nosso portfólio de produtos”, destaca Eduardo Fazio, Diretor Comercial para Rio de Janeiro, Espírito Santo, Norte e Nordeste, que participou dos painéis técnicos do encontro, bem como Edson Toguchi, Superintendente de Grandes Riscos da Sompo.

Em seu processo de dinamizar a atuação no mercado nordestino, a Sompo anunciou em maio Ana Eliza Aladim como a nova Gerente de Negócios Corporativos para a Região Nordeste. Ela terá como desafio expandir o trabalho já realizado na Filial Recife para os demais estados da região. A executiva aumentou expressivamente a atuação da companhia em segmentos de riscos corporativos.

A Essor Seguros foi representada pelo Executivo de Relacionamento, Tasso Gomes, que apresentou os produtos da seguradora aos presentes. Hoje, a carteira conta com os diversos seguros especializados, mas o foco será a divulgação do Seguro Penhor Rural – Equipamentos, recém-lançado pela companhia ao mercado.

Na ocasião, ainda foi realizada ainda a cerimônia de posse da diretoria da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor).

*Colaboraram: Agência Race, Agência RMA, Danthi, Edelman Significa, Literal Link, SmartPR e VTN Comunicação.

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989