17/09/2018

União Seguradora comemora 105 anos no Acampamento Farroupilha

  parceiros de negócios, diretoria e colaboradores participaram do momento a união seguradora, empresa do sólido grupo de origem gaúcha aspecir, acaba de completar 105 anos de existência. e, para realçar a importante data, a seguradora recebeu convidados especiais, corretores de seguros e parceiros de negócios. assim, na quinta-feira (13), no piquete da rede pampa de comunicação, no acampamento farroupilha em porto alegre, foi servido um saboroso churrasco, com atendimento impecável, próprio dos parceiros da união seguradora, que evidenciou a nobreza do encontro. as presenças dos funcionários da companhia, do presidente milton machado, do diretor joão carlos lock, e com o prestigio do vice-presidente de rede pampa, paulo sérgio pinto. parabéns grupo aspecir! fotos: filipe tedesco/jrs
17/09/2018

Previdência: um dia você vai precisar dela

 tudo o que você precisa saber sobre aposentadoria, reforma da previdência social e previdência privada. tire suas dúvidas sobre o inss com renato follador! herança para evitar disputas judiciais e gastos dos herdeiros, muitos pais têm adotado a “doação com reserva de usufruto”. essa é a forma legal pela qual o proprietário pode transmitir, em vida, a propriedade de um bem para outra pessoa, mas mantendo o direito de usá-lo e administrá-lo até morrer. ocorre que, se o doador fizer doações a quem não tenha direito, ou seja, a um herdeiro que não seja legal, os prejudicados podem contestar depois. também, ao fazer a doação, o doador deverá pagar o imposto de transmissão causa mortis e doações (itcmd), o que é uma despesa para a qual pode não estar preparado. um pai me perguntou qual seria a alternativa. olha, na previdência privada, quem tem um plano já define, no momento da inscrição, a quem e em qual percentual vai deixar sua poupança previdenciária, em caso de seu falecimento. deixa o dinheiro para quem quiser e não necessariamente para quem é herdeiro legal. isso não pode ser contestado. é lei. esse dinheiro não entra em inventário e economiza tempo e gasto com advogados e impostos no caso de sua destinação. no mês seguinte pode ser resgatado ou recebido como renda pelo beneficiário. voltando à doação com reserva de usufruto, se o dono do imóvel não precisa de dinheiro para viver na velhice, perfeito. agora, para quem é proprietário e passa necessidades com uma aposentadoria minguada da previdência social, uma sugestão: não deixe nada para ninguém. use o imóvel para melhorar a aposentadoria, hipotecando-o na hora em que se aposentar. depois da morte, o imóvel fica com o banco. fonte: tribuna por renato follador
17/09/2018

Mercado segurador cresce apesar da instabilidade política

 o ano de 2018 iniciou-se com previsões otimistas em relação ao crescimento da economia brasileira. os índices, entretanto, caíram de 2,5% para 1,5%. de acordo com francisco galiza, consultor de economia, a instabilidade política é um dos principais motivos para a queda. “há uma incerteza grande, que atinge todos os setores econômicos e isso acaba diminuindo investimentos e consumos”, explica. o mercado de capitalização, após dois anos seguidos de queda de receita, demonstra possível recuperação. o setor de seguros, sem o vgbl e saúde, também pode esperar por crescimento até o final do ano. “como um todo, o que a gente pode dizer do mercado de seguros, ele tem conseguido, apesar de todas as dificuldades, crescer acima da inflação”, conclui galiza. fonte: revista apólice
17/09/2018

Primeira turma do Programa Recomeço, desenvolvido pela Seguradora Líder, conclui qualificação

 no dia 04 de setembro, a seguradora líder promoveu uma solenidade, no rio de janeiro, para marcar o término da qualificação da primeira turma do curso-piloto de qualificação do programa recomeço, que tem como objetivo oferecer aos beneficiários do seguro dpvat a oportunidade do retorno ao mercado de trabalho. a primeira turma teve 17 participantes que, nesta ocasião, receberam uma carta de reconhecimento e foram homenageados pela diretoria da seguradora líder e por professores e integrantes da escola nacional de seguros (ens), parceira na execução desta turma-piloto. para o professor andré peres, que acompanhou a turma durante toda a capacitação, iniciativas como o programa recomeço tem o potencial de mudar vidas. segundo ele, é por meio das histórias dos alunos que se aprende que a solução está dentro de cada um. “diariamente, estamos cercados por boas ideias, mas partir para a ação é o grande diferencial e vimos isso através do programa recomeço. a iniciativa da seguradora líder motiva outras empresas a fazer parte dessa história”, completou. o diretor-presidente da seguradora líder, ismar tôrres, destacou em seu discurso de abertura no evento a importância deste marco para todo o programa recomeço. “a qualificação destes alunos é um grande passo e motivo de orgulho para todos nós. nossa expectativa é que outras turmas de qualificação aconteçam em outros estados e que o programa contribua para tornar o mercado de trabalho mais inclusivo”, afirmou. tôrres revelou, ainda, que mais de 19 empresas já cadastraram suas vagas no portal recomeço, que pode ser acessado pelo endereço: renatrudes costa, de 62 anos, uma das alunas do curso, ficou emocionada ao compartilhar suas expectativas. “desde o início, quando recebi a ligação para participar do projeto, comecei a acreditar que, de fato, conseguiria voltar ao mercado de trabalho. o curso foi, de fato, um recomeço. hoje, posso afirmar que voltei a sonhar”, destacou. a qualificação da primeira turma começou no dia 6 de agosto e contou com parceria da escola nacional de seguros. durante 84 horas, os 17 alunos selecionados tiveram aulas sobre temas como atendimento ao cliente; conceitos básicos de seguros; língua portuguesa; orientação profissional; matemática financeira; rotinas administrativas e informática básica. fonte: cqcs
17/09/2018

Transparência nas licitações: seguradoras apoiam

 o estadão informa que o instituto observ pretende criar uma plataforma online, aberta, que concentre os documentos das licitações de obras, traduza os requisitos do projeto e monitore os editais públicos. o projeto brasileiro teve sua primeira apresentação pública em washington ontem. em uma sala que acomodaria 30 pessoas no brazil institute do think tank wilson center, cerca de 50 curiosos acompanharam a apresentação. o projeto é tocado pelo instituto ethos, a empresa de tecnologia jusbrasil, a consultoria de estratégia global albright stonebridge group e o escritório de advocacia barros pimentel, que pretendem criar até novembro o instituto. fundações com verba para investir em combate à corrupção e empresas de diversos setores, como seguradoras, demonstraram interesse em financiar o projeto. fonte: sonho seguro
17/09/2018

Seguros: vendas estagnadas no acumulado do ano, até julho

 até julho deste ano, as vendas de seguros ficaram estáveis em relação ao mesmo período de 2017. isso significa dizer zero de crescimento. se considerarmos a inflação, de 4,48% acumulada nos últimos doze meses considerando julho passado, a crise chegou ao setor e os números mostram que as vendas estão encolhendo. dados analisados pela consultoria siscorp, com base nos dados estatísticos divulgados pela superintendência de seguros privados (susep), revelam que a arrecadação do setor totalizou r$ 117 bilhões, de janeiro a julho deste ano, considerando-se seguros gerais, de vida e vgbl (sem capitalização, pgbl e saúde). o vgbl, que por anos puxou o crescimento do setor, segue amargando queda de 7% no acumulado dos sete primeiros meses do ano. dpvat também recua 23%, decorrente da redução do preço do seguro determinada pelo conselho nacional de seguros privados (cnsp). já riscos especiais, que contempla seguros sofisticados como de petróleo e nucleares, exibe alta de 108% no período analisado, para r$ 468 milhões. segundo a corretora jlt, esse incremento vem do otimismo com a retomada do segmento de óleo e gás com o anúncio do lucro de r$ 6,9 bilhões da petrobras e também pela arrecadação recorde na 15ª rodada de licitações da agência nacional do petróleo (anp). vale ressaltar também a carteira de automóveis, que depois de quedas sucessivas, segue há três meses sinalizando melhora e exibe avanço de 5% até julho, para r$ 20,5 bilhões. microsseguros, que ainda não rompeu a barreira dos r$ 100 milhões em prêmios, registrou avanço de 47%. outra novidade, além das vendas menores, é o braço segurador do banco do brasil, que assumiu a liderança do ranking elaborado pela siscorp, mesmo com queda de 13% na arrecadação comparado a julho de 2017, com receitas de r$ 22,4 bilhões nos sete meses deste ano. o bradesco vem em segundo, com r$ 20 bilhões. em ambos, o vgbl tem uma grande participação: 77% e 64%, respectivamente. caixa, prudential, icatu, sulamérica e liberty registraram no período os maiores índices de crescimento. o avanço da caixa vem youse, a plataforma digital que se tornou uma das maiores anunciantes do setor no ano passado. em jantar realizado com corretores em são paulo nesta semana, a prudential divulgou alta de 23% na totalidade de prêmios de seguros de vida individual no primeiro semestre ante um ano, rompendo a marca de r$ 1 bilhão. a icatu cresceu 18% em seguro de vida, enquanto o mercado apresentou crescimento de 12% no primeiro semestre de 2018. a sulamérica registrou crescimento de 75% no volume de prêmios em novas contratações do seguro personalizado para lojas de cosméticos e perfumarias no acumulado do primeiro semestre de 2018, em comparação ao ano anterior. o setor de institutos de beleza e estética (salões, esmalterias, espaços de depilação etc.), que também conta com um seguro personalizado da sulamérica, igualmente apresentou aumento de prêmio em contratações novas, ficando na casa de 25% no período acumulado de 2018 contra 2017. “a personalização de produtos conforme as demandas dos clientes é uma estratégia da companhia que evidencia o trabalho constante de ouvir e atender diferentes perfis de negócio. o avanço dos números para estes segmentos mostra que estamos no caminho certo, sempre de olho nas tendências do mercado”, avalia o vice-presidente de auto e massificados da sulamérica, eduardo dal ri. “este comportamento também demonstra maturidade por parte destes setores, em franco crescimento no país, já que contratar um seguro significa reconhecer a importância de proteger o patrimônio”, completa. a liberty tem comemorado a venda do seguro sob medida para automóveis, comercializado pela nova marca aliro. as soluções da nova marca foram criadas para pessoas que buscam serviços mais simplificados e acessíveis: por isso o nome aliro, que significa acesso em esperanto, conhecida língua criada para comunicação internacional, informa a companhia. apesar das vendas menores, o lucro do seguro segue avançando. analistas citam que boa parte do aumento do lucro vem de seguradoras que inovam em produtos, melhoram a comunicação com consumidores, que estimulam os corretores a venderem produtos antes fora do portfólio e também pelo uso de tecnologia, que traz ganhos com eficiência, redução de fraudes e de desperdício de tempo e de recursos financeiros. fonte: sonho seguro
17/09/2018

IBC-Br sobe 0,57% em julho ante junho, com ajuste, revela BC

 o índice de atividade econômica do banco central (ibc-br) teve alta de 0,57% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, informou a instituição nesta segunda-feira (17). a elevação ocorre depois de avanço de 3,42% em junho (dado já revisado), em movimento de recuperação após a greve dos caminhoneiros. o índice de atividade calculado pelo bc passou de 138,17 pontos para 138,96 pontos na série dessazonalizada de junho para julho. este é o maior patamar para o ibc-br com ajuste desde outubro de 2015 (139,05 pontos). a atividade em maio havia sido prejudicada pela paralisação dos caminhoneiros em todo o brasil, verificada nas últimas semanas do mês. em junho, o movimento arrefeceu e a atividade voltou a acelerar. agora, em julho, mais uma vez, o indicador apresentou alta, embora em ritmo menor que o do mês anterior. o aumento do ibc-br ficou acima do intervalo projetado pelos analistas do mercado financeiro consultados pelo broadcast projeções, que esperavam resultado entre queda de 0,67% e avanço de 0,50% (mediana positiva de 0,10%). na comparação entre os meses de julho de 2018 e julho de 2017, houve alta de 2,56% na série sem ajustes sazonais. esta série encerrou com o ibc-br em 142,19 pontos em julho, ante 138,64 pontos de julho do ano passado. o indicador de julho de 2018 ante o mesmo mês de 2017 veio dentro do intervalo das projeções, mas mostrou desempenho acima do apontado pela mediana (1,75%) de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo broadcast projeções (0,80% a 2,90% de intervalo). o patamar de 142,19 pontos é o melhor para meses de julho desde 2015 (143,63 pontos). conhecido como uma espécie de "prévia do bc para o pib", o ibc-br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. a previsão atual do bc para a atividade doméstica em 2018 é de avanço de 1,6%. jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/09/648741-ibc-br-sobe-0-57-em-julho-ante-junho-com-ajuste-revela-bc.html)  
17/09/2018

Mercado projeta crescimento do PIB ainda menor em 2018

 a projeção de crescimento do produto interno bruto (pib) neste ano caiu pela quarta vez consecutiva, de 1,40% para 1,36%, conforme o relatório de mercado focus, divulgado nesta segunda-feira (17), pelo banco central. há quatro semanas, a estimativa era de crescimento de 1,49%. para 2019, o mercado manteve a previsão de alta do pib de 2,50%, igual ao visto quatro semanas atrás. para o ipca, o mercado aponta leve recuo da estimativa, prevendo a a mediana do índice de alta de 4,05% para elevação de 4,09%. há um mês, estava em 4,15%. no câmbio, as apostas indicam alta neste ano e em 2019. a mediana das expectativas passou de r$ 3,80 para r$ 3,83, ante os r$ 3,70 verificados há um mês. em relação à selic, taxa básica de juros, o mercado espera a manutenção em 6,5% ano ano. no fim de julho, o bc reduziu sua projeção para o pib em 2018, de 2,6% para 1,6%. a instituição atribuiu a mudança na estimativa à frustração com a economia no início do ano. no fim de agosto, foi a vez de o instituto brasileiro de geografia e estatística (ibge) informar que o pib cresceu apenas 0,2% no segundo trimestre, em função dos efeitos da greve dos caminhoneiros ocorrida em maio e junho. no primeiro semestre, a alta acumulada foi de 1,0%. no relatório focus desta segunda, a projeção para a produção industrial de 2018, porém, subiu de alta de 2,26% para elevação de 2,67%. há um mês, estava em 2,73%. no caso de 2019, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,82% para 3,00%, mesmo patamar de quatro semanas antes. a pesquisa focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o pib para 2018 foi de 54,20% para 54,32%. há um mês, estava em 54,25%. para 2019, a expectativa passou de 57,60% para 57,75%, ante os 57,70% de um mês atrás. os economistas consultados pelo focus alteraram a previsão para a inflação em setembro de 2018, de 0,24% para 0,25%. um mês antes, o porcentual projetado estava em 0,22%. para outubro, a projeção subiu de 0,30% para 0,31% e, para novembro, permaneceu em 0,30%. há um mês, os porcentuais eram de 0,29% e 0,30%, respectivamente. no focus agora divulgado, a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de 3,89% para 3,90% de uma semana para outra - há um mês, estava em 3,67%. o relatório de mercado focus indicou alta na projeção para os preços administrados em 2018. a mediana das previsões do mercado financeiro para o indicador este ano passou de avanço de 7,20% para alta de 7,30%. para 2019, a mediana se manteve em elevação de 4,80%. há um mês, o mercado projetava aumento de 7,10% para os preços administrados neste ano e elevação de 4,73% no próximo ano. as projeções atuais do bc para os preços administrados, no cenário de mercado, indicam elevações de 7,2% em 2018 e 4,6% em 2019. estes porcentuais foram informados no último relatório trimestral de inflação (rti), divulgado em junho.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/09/648745-mercado-projeta-crescimento-do-pib-ainda-menor-em-2018.html)
14/09/2018

União Seguradora comemora 105 anos.

 o grupo aspecir esteve no piquete da rede pampa, dia 13, para homenagear a união seguradora que comemora 105 anos no dia 20 de setembro. como uma típica gaúcha, a empresa festejou com um excelente churrasco e uma boa prosa ao lado de amigos, colaboradores e parceiros. para milton machado, o segredo da longevidade é o trabalho feito com simplicidade e dignidade, uma equipe de confiança e a parceria dos corretores. “vida longa à união seguradora!” presentes ao evento: o presidente milton machado, o diretor júlio machado, carlos alfredo radanovitsck, maurício farias, joão lock, antônio coutinho, marco rocha, ilton manique, samantha valle, sérgio sokal, thiago lopes estevem, renata ribeiro, patrícia schoffen, elizângela canello, raquel chaves coutinho, janete roque coronel, deise darski, regina simões e rita stalbaum santos.   

Emater leva projetos de energia solar ao campo gaúcho


12/04/2019
Um estado essencialmente agrícola e do tamanho do Rio Grande do Sul não deixa de ter suas inúmeras dificuldades no campo, sobretudo quando os custos de produção são elevados ou quando a energia elétrica ainda não chegou a algumas localidades. Devagar, mas expressivamente, as alternativas energéticas começam a alcançar pagos distantes, melhorando a produtividade e pesando menos no bolso do produtor. A concretização é possível através de iniciativas como a da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), que leva projetos de implementação de geração de energia de fonte solar para o interior gaúcho. A empresa auxilia os agricultores no desenvolvimento dos projetos e no acesso ao crédito de bancos e programas de financiamento. Somente em 2018, foram 611 projetos, sendo 254 deles já implantados. São cerca de 50 técnicos capacitados, que fazem reuniões e dias de campo para explicar o processo aos agricultores. Mostardas, no Sul do Estado, foi o município pioneiro na implementação da geração de energia fotovoltaica. Os primeiros estudos começaram em 2008, para facilitar a captura de camarão ao longo do Parque Nacional da Lagoa do Peixe. Atualmente, a energia solar chega ao local através de luminárias de jardim abastecidas com fotocélulas. A alternativa foi mais barata do que instalar grandes placas solares e ainda eliminou por completo o abastecimento por gás. As ações da Emater na região evoluíram para outras demandas e projetos maiores, quando, em 2013, foram atendidas quatro famílias de pescadores que viviam sem energia elétrica, em razão da infraestrutura da CEEE-D, concessionária que abastece o trecho, que não chegava até as casas. Os projetos ganharam corpo quando se abriu a oportunidade de financiamento pelo Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper), relembra o agrônomo Gustavo Chaves Alves, extensionista rural da Emater. Os projetos também podem ser viabilizados pelo Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com juros de 2,5% ao ano para empreendimentos de infraestrutura. A energia solar passou a abastecer as residências e os freezers que armazenam os pescados. Por inviabilidade técnica, esses projetos não foram conectados à rede da concessionária, como ocorre nos casos de microgeração distribuída que cada vez ganha mais espaço no País. A energia produzida é armazenada em baterias. 'Projetos de fotovoltaicos em Mostardas. Placas alimentam casas dos pescadores que vivem na beira da praia de Mostardas. Foto Gustavo Chaves Alves/Divulgação/JC Foi só em 2015, porém, que o projeto contemplou a primeira propriedade rural conectada à rede de energia elétrica. Uma fazenda com produção de arroz, também no município de Mostardas, recebeu as placas para abastecer a irrigação da lavoura e a secagem do grão. A economia no bolso do produtor foi sentida consideravelmente: a conta de luz, que chegava a mais de R$ 1,5 mil ao mês, passou a custar a tarifa básica da CEEE-D para o sistema trifásico no meio rural (algo em torno de R$ 46,89, mas o valor varia com os impostos federais). Nesse modelo, que é de microgração distribuída ou on grid, a energia produzida pelas placas fotovoltaicas é injetada no sistema elétrico da companhia, gerando créditos ao produtor que podem ser utilizados em até cinco anos, abatendo o valor da conta de luz. O financiamento do projeto foi feito para dez anos, mas a projeção é de que o investimento retorne antes disso, em até oito anos. Desde 2018, ao menos cinco projetos foram levados para análise na região de Mostardas. Os pedidos envolvem geração de energia com autonomia para pecuaristas familiares, abastecimento de água para os animais e implementos de segurança das propriedades, como cercas elétricas. "A adesão ocorre aos poucos, mas vem crescendo. A região tinha uma deficiência muito grande de qualidade de energia, e a geração solar supre essa demanda", avalia Alves. "Os agricultores estão demandando mais energia do que é disponibilizado", observa Lino Moura, diretor técnico da Emater. Por isso, a adesão à energia fotovoltaica tem crescido bastante nas regiões de produção de fumo e aviários, como o Vale do Taquari, onde há muita demanda energética. A região de Caxias do Sul, na Serra gaúcha, também desponta pelo número de iniciativas. A estimativa é de que a energia solar cresça de 20% a 25% ao ano no Brasil como um todo. Em Teutônia, um dos projetos mais significativos atende a 138 agricultores da Cooperativa Agroindustrial São Jacó. A energia representava o segundo maior custo do orçamento da fábrica de ração para animais, mas a luz solar conseguiu reduzir em 50% os gastos com energia. O investimento foi de R$ 500 mil, financiado pelo Feaper, e a estimativa é de que se pague em dois anos. Com a economia, o custo da ração caiu em 7%, afirma o gerente regional da Emater em Lajeado, Marcelo Brandoli. Na região de Lajeado já são 39 projetos instalados. O Vale do Caí é exemplo de outros casos, onde a energia solar é utilizada para manter câmaras frias que armazenam frutas e hortaliças. "É importante reforçar que existe uma facilidade de crédito muito grande para o produtor rural, com juros baixos, que permitem o retorno dos investimentos em poucos anos", salienta Brandoli.

Fonte: Jornal do Comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2019/04/679017-emater-leva-projetos-de-energia-solar-ao-campo-gaucho.html)

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989