26/10/2018

Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal

 seguro de vida, proteção financeira e seguro auxilio funeral estão entre os produtos mais procurados os brasileiros estão mais previdentes. até agosto deste ano, as contratações de seguros para proteção pessoal (seguro de vida, seguro de acidentes pessoais, prestamista, entre outras modalidades) totalizaram r$ 24,8 bilhões e o valor é 9,4% superior aos r$ 22,6 bilhões registrados de janeiro agosto de 2017, segundo levantamento da fenaprevi (federação nacional de previdência privada e vida). na análise por modalidade de produto, o seguro de vida tem a maior carteira do mercado de seguros de pessoas e esteve entre as coberturas mais contratadas. o volume de contratações cresceu 8,5% e os prêmios totalizaram r$ 9,7 bilhões. outros ramos também apresentaram alta expressiva no total de contratação no período com evolução acima de dois dígitos na comparação com o mesmo período do ano passado. um dos destaques foi o seguro prestamista, que cobre o pagamento de prestações de compras no varejo no caso de morte, invalidez ou perda involuntária do emprego do titular da apólice. a modalidade apresentou de 21,5% frente ao ano anterior, com r$ 7,4 bilhões em prêmios. as vendas do varejo avançaram 6,9% em agosto de 2018 frente ao mesmo mês do ano anterior, segundo o ibge, o que puxou o desempenho do seguro. o seguro auxilio funeral também esteve entre os seguros mais procurados pelos brasileiros no período. no acumulado de janeiro a agosto os prêmios foram de r$ 402,78 milhões e a alta foi de 11,1%. no mesmo período em 2017, os prêmios foram de r$ 362,4 milhões. segundo a federação, no acumulado de janeiro a agosto as indenizações totalizaram r$ 6,1 bilhões, valor maior que os r$ 6 bilhões de janeiro a agosto de 2017. “as indenizações em crescimento reforçam o caráter social do seguro que tem o propósito de garantir proteção para a vida econômica do segurado e de seus familiares”, diz edson franco, presidente da fenaprevi. resultado mensal na avaliação mensal, cresceram também as contratações. segundo os dados do balanço da fenaprevi, o valor pago pelos segurados para contratação de coberturas para seus riscos pessoais foi de r$ 3,2 bilhões, crescimento de 6,6% em relação aos r$ 3,0 bilhões de agosto de 2017. os dados do balanço da federação mostram que a contratação do seguro de vida cresceu 7,39% e movimentou r$ 1,3 bilhão. o seguro prestamista, por sua vez, obteve o maior crescimento relativo com alta de 15,8% e movimentou r$ 972,0 milhões no período, enquanto que no mês período do ano passado foram r$ 839,1 milhões em prêmios. o seguro auxílio funeral também apresentou crescimento nominal positivo de 10,0% e prêmios de r$ 50,7 milhões, enquanto que em agosto de 2017 as contratações totalizaram r$ 46,0 milhões. fonte: portal nacional de seguros
26/10/2018

Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador

 em setembro de 2004, o sincor-rs criou sua ouvidoria com a certeza de que estava preenchendo uma lacuna no mercado segurador gaúcho, pois, surgia um canal de conciliação entre o sindicato, corretores, seguradoras e segurados. a proposta, pioneira, hoje se mostra alinhada com a tendência mundial de diversas entidades. é um canal de diálogo onde as pessoas têm certeza de que suas reclamações, sugestões ou elogios serão levadas adiante. o coordenador da ouvidoria, luis alberto g. dos santos diz: - nos preocupamos sempre com efetividade de nossas ações. quando recebemos uma reclamação, tratamos sempre de chamar as partes para buscar um entendimento. se o assunto não tem saída, podemos levá-lo à susep. a maioria tem solução já com a mediação da ouvidoria. busca de entendimento as denúncias precisam ser bem fundamentadas, de preferência relacionando documentação existente sobre o caso, que confirmem atitude anti-ética ou ilegal. são recebidas também críticas, sugestões, elogios, consultas ou pedidos de informações. luis alberto prossegue: - procuramos fazer a conciliação entre segurado e segurador, segurado e corretor ou corretor e seguradora, para que aja um entendimento. através do contato direto com as seguradoras, as ocorrências têm resposta rápida a quem encaminhou: - graças ao respeito que o mercado gaúcho tem com o sincor-rs, o entendimento com as seguradoras é de excelente nível. nós temos sempre resposta e boa vontade das partes envolvidas -” destaca. a ouvidoria atende na sede do sindicato – praça oswaldo cruz, 15, conjunto 1714, em porto alegre – às terças e quintas-feiras para reuniões presenciais, mediante agendamento pelo fone (51) 3225-7726. outro canal de contato é o e-mail exclusivo ouvidoria@sincorrs.com. fonte: sincor-rs
26/10/2018

Corretor: segmento de seguros possui novas regras

 o cnsp estabeleceu através da resolução 364/18 novas regras para o seguro de responsabilidade civil do transportador rodoviário de passageiros, por meio de ônibus, micro-ônibus e similares. nesse seguro, o segurado é, exclusivamente, o transportador devidamente autorizado. a cobertura básica do seguro deverá compreender, no mínimo, a garantia das quantias devidas, pelo segurado, a título de reparação civil, relativas a danos corporais e/ou materiais causados aos passageiros que estejam no interior do veículo segurado, ocorridos durante viagem, desde que estes decorram, direta e exclusivamente, de um ou mais eventos definidos nas condições contratuais. a seguradora reembolsará as custas judiciais e os honorários dos advogados de defesa do segurado, quando contratualmente previsto, e do reclamante. as condições gerais do seguro deverá prever que esse reembolso somente ocorrerá quando o pagamento advenha de sentença judicial ou acordo autorizado pela seguradora, e até o valor da diferença, caso positiva, entre os limites máximos estabelecidos na apólice em vigor, e a quantia pela qual o segurado é civilmente responsável. as seguradoras poderão oferecer coberturas adicionais, com a respectiva cobrança de prêmio, desde que os riscos cobertos estejam diretamente relacionados com a responsabilidade civil do transportador rodoviário de passageiros. para que os tripulantes do veículo transportador estejam cobertos pelo seguro deverá ser contratada cobertura adicional específica. o segurado será obrigado a comunicar, por escrito, à seguradora, qualquer alteração que ocorra nos dados constantes na proposta de seguro, com, no mínimo, cinco dias úteis de antecedência, contados da data do início de vigência da alteração pretendida. a seguradora deverá se pronunciar, dentro de 15 dias após o recebimento da comunicação, sobre a sua aceitação ou não. a ausência de manifestação, por escrito, da seguradora, caracterizará a aceitação tácita da alteração proposta. não será admitida a presunção de que a seguradora possa ter conhecimento de circunstâncias que não constem da proposta e daquelas que não tenham sido comunicadas posteriormente, na forma do artigo anterior. garantias o seguro de responsabilidade civil do transportador rodoviário de passageiros garante ao segurado, quando responsabilizado por danos causados aos passageiros, o reembolso das indenizações que for obrigado a pagar, a título de reparação, por sentença judicial transitada em julgado, ou por acordo com os passageiros prejudicados e/ou seus beneficiários, com a anuência da seguradora, desde que atendidas as disposições do contrato. ao invés de reembolsar o segurado, a seguradora poderá oferecer a possibilidade de pagamento direto ao passageiro prejudicado e/ou seus beneficiários. o valor das reparações, acrescido do reembolso das respectivas despesas, não poderá exceder, na data de liquidação do sinistro, os limites máximos estabelecidos na apólice. caso, na data de liquidação do sinistro, as reparações devidas, somadas com as respectivas despesas, perfizerem total maior que os limites máximos estabelecidos na apólice, estes serão os valores dos pagamentos, não respondendo a seguradora pela diferença. nessa hipótese, a seguradora priorizará o pagamento, até os limites máximos estabelecidos na apólice, das reparações devidas aos passageiros, limitando o reembolso das despesas efetuadas pelo segurado, à diferença, se positiva, entre aqueles limites e o valor pago a título de reparações. se a reparação devida compreender pagamento em dinheiro e prestação de renda ou pensão, a seguradora pagará preferencialmente o primeiro, respeitadas, na data de liquidação do sinistro, as disposições deste seguro. caso a seguradora tenha que contribuir também para renda, ou pensão, fá-lo-á mediante o fornecimento ou a aquisição de títulos em seu próprio nome, cujas rendas serão inscritas em nome das pessoas com direito a recebê-las, com cláusula estipulando que, cessada a obrigação, tais títulos reverterão ao patrimônio da seguradora. esse seguro poderá ser contratado pelo período de duração de apenas uma viagem ou por período prefixado, bem como poderá ser anual ou plurianual. no seguro contratado pelo período de apenas uma viagem, a seguradora emitirá um certificado de seguro previamente a cada viagem de cada veículo transportador. a seguradora poderá emitir uma única apólice para cobertura de mais de um veículo transportador. neste caso, na apólice única deverão estar relacionados todos os veículos transportadores incluídos no seguro. a contratação desse seguro deverá ser feita sempre a primeiro risco absoluto e sem prejuízo da cobertura do seguro obrigatório de danos pessoais (dpvat). as seguradoras poderão oferecer, facultativamente, a segundo risco em relação ao seguro de responsabilidade civil do transportador rodoviário em viagem internacional – rctr-vi, a extensão do presente seguro para os países signatários do acordo sobre transporte internacional terrestre – atit. os termos da resolução entram em vigor 90 dias após a data de sua publicação, ou seja, na primeira quinzena de janeiro do próximo ano. fonte: cqcs
26/10/2018

Seguros fazem a economia girar

 mercado, além de reparar os danos dos eventos adversos que ocorrem com pessoas e empresas, movimenta os setores de toda a cadeia produtiva na economia, o risco é um agente dos fortes. e para todo agente macroeconômico, um movimento paralelo acontece. a proteção passa a ser um instrumento primordial na hierarquia de despesas das pessoas e do setor produtivo. para o risco, o mercado de seguros aparece como um mecanismo cuja função vai além da reposição de perdas. além de reparar os danos dos eventos adversos que ocorrem com pessoas e empresas, os seguros assumiram papel importante na economia. no brasil, em 2017, eles representaram 6,5% do produto interno bruto (pib), movimentando r$ 470 bilhões em prêmios (valores pagos pelos segurados em 2017). desse montante, r$ 277 bilhões voltaram à economia como indenizações e restituições de bens e patrimônios. e vale mais que isso. o professor da escola nacional de seguros, bruno kely, explica que devolver o equilíbrio financeiro evita, por exemplo, descompassos nas finanças de pessoas físicas e desabastecimentos da produção industrial ou agrícola, o que neutraliza reflexos inflacionários da queda de oferta. “detalhe: o ‘restante’ do saldo também movimenta outros setores, já que não fica parado. as seguradoras passam a compor fundos de investimentos em áreas de retorno potencial e também no mercado de capitais”, diz. são diversos produtos oferecidos por seguradoras no brasil, que vão dos tradicionais seguros de carro e de residência, até os seguros de vida ou das atividades agrícola e industrial. planos de saúde também integram o mercado. ainda segundo kelly, o seguro tem um objetivo social. “os seguros não são feitos para dar lucro. se der lucro, pode-se avaliar que há margem para fraude. a função é repor perdas causadas por fatos inesperados, algo que ocorreu subitamente e que tirou um lastro financeiro importante das pessoas ou de uma empresa. considerando um seguro de vida, a perda de um ente ou um acidente que provoca invalidez têm grave impacto familiar, ou seja, um seguro de vida, apesar de a vida não ter preço, ajuda na reestruturação da família. então tem esse lado social”, pontua. o advogado e especialista em direito securitário do escritório queiroz cavalcanti advocacia, leonardo cocentino, reforça que o seguro é um produto legal, regulamentado e que cumpre regras. “no brasil, todas as seguradoras têm que seguir normas regulamentadas pela susep, órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro. o mercado cumpre, por exemplo, requisitos de lastro financeiro de reservas para indenizar tudo que é coberto pela apólice. ela é a lei dos seguros. é o contrato que vai detalhar tudo que é direito e dever das duas partes envolvidas. então a recomendação é atentar para o contrato, onde vão estar também as causas de exclusão de cobertura”, destaca. uma recomendação para o bom funcionamento do setor é a transparência. “o segurado precisa prestar as informações para não haver falhas no cálculo do prêmio, que é o custo do seguro para o segurado. esconder fatos pode ser interpretado como fraude e colocar em risco o recebimento da indenização. é o caso de dizer que o carro dorme em garagem quando ele fica na rua, onde está mais exposto a sinistros”, explica. “outro equívoco é o de escolher correr riscos porque possui seguro ou então usar o seguro sem necessidade, o que ocorre principalmente em planos de saúde. o que também é bom esclarecer é que quem paga as indenizações ou os custos das consultas médicas são os segurados e não as seguradoras. a conta é simples. quanto mais se usa, maior será o reajuste do plano de saúde ou o valor do prêmio do seguro, porque o cálculo do preço considera os riscos de sinistralidade, mas os reajustes são medidos a partir das despesas com indenizações dividido por todos os segurados”. saldo se torna investimento em termos econômicos, além de manter o equilíbrio das atividades das pessoas e das empresas a partir das indenizações, a gestão dos valores pagos pelos segurados às seguradoras tem procurado movimentar o dinheiro recolhido para rentabilizá-lo, inclusive financiando diretamente outras atividades produtivas. com dados de 2017, aproximadamente r$ 200 bilhões estariam parados por não terem sidos demandados pelos segurados para pagar as indenizações. as seguradoras passaram a investir tanto em fundos de investimentos privados, capitalizando empresas que querem expandir, como também na aquisição de ações de empresas públicas e privadas. “a economia brasileira possui muitos investidores institucionais e as seguradoras são um deles. todo o dinheiro que ela recolhe dos prêmios, ela usa para pagar os sinistros e não deixar o restante parado passou a ser um uso eficiente do dinheiro. esse dinheiro volta para a economia de várias formas e o principal é alimentar fundos de investimentos para viabilizar setores da economia de alto impacto, como o de construção civil. a bradesco seguros, por exemplo, já financiou a construção de um shopping center. o aluguel das lojas do shopping era rentabilidade para a seguradora”, destacou. outro mercado em questão é o de capitais. “quando uma empresa quer se capitalizar para investir, ela abre o capital e faz uma oferta inicial de ações. o montante gerido pelas seguradoras também é aplicado nesse mercado, a roda vai girando e a economia vai se retroalimentando. essa oferta de ações capitaliza a empresa, que reinveste no negócio para, na maioria dos casos, ganhar mercado e ampliar produção, o que a gente entende que promove avanços com empregos. é quando você percebe que a geração de empregos promovida pelo segmento de seguros vai além das seguradoras”, detalha.  fonte: diário de pernambuco por andré clemente
26/10/2018

Governo Central registra déficit primário de R$ 23 bilhões em setembro

 no mês passado, o resultado ficou negativo em r$ 22,979 bilhões no mês passado, o resultado ficou negativo em r$ 22,979 bilhões marcello casal jr/abr/jc agência brasil o subsídio para o óleo diesel e o aumento de despesas não obrigatórias fizeram o governo central (tesouro nacional, previdência social e banco central) registrar o segundo maior déficit da história para meses de setembro. no mês passado, o resultado ficou negativo em r$ 22,979 bilhões. apenas em setembro de 2016, o déficit para o mês foi maior (r$ 25,239 bilhões). em relação a setembro do ano passado, o resultado negativo subiu 0,7% em valores nominais, mas caiu 3,7% ao descontar a inflação do ano passado pelo índice nacional de preços ao consumidor amplo (ipca). o déficit primário é o rombo nas contas do governo desconsiderando o pagamento dos juros da dívida pública. da janeiro a setembro, o resultado negativo soma r$ 81,591 bilhões, valor 28,6% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado (r$ 109,566 bilhões), descontado o ipca. mesmo com o resultado de setembro, o déficit acumulado é o menor para os nove primeiros meses do ano desde 2015. de acordo com o tesouro nacional, dois fatores contribuíram para o pequeno aumento nominal do déficit em setembro. o primeiro foi a execução de créditos extraordinários provocada pelo subsídio ao óleo diesel, que consumiu cerca de r$ 1,7 bilhão apenas em setembro e está previsto para fechar o ano em r$ 9,5 bilhões. o segundo fator foi o aumento de despesas discricionárias (não obrigatórias) do poder executivo, que subiram 9% acima da inflação de janeiro a setembro em relação ao mesmo período do ano passado. as maiores altas foram provocadas pelo desbloqueio de gastos de custeio (manutenção da máquina pública) nos ministérios e pela execução de emendas parlamentares impositivas. os ministérios que mais puxaram a alta foram defesa, com crescimento de 29% acima da inflação, e saúde, com alta de 7,9% acima da inflação. o déficit só não foi maior porque as receitas do governo central tiveram, em setembro, o reforço do leilão da quarta rodada de partilha do pré-sal e pelos royalties de petróleo, que foram impulsionados pela alta do dólar e pela valorização da cotação internacional do barril. de janeiro a setembro, as receitas líquidas acumulam alta de 5,9% acima da inflação oficial pelo índice nacional de preços ao consumidor amplo (ipca). as despesas totais, em contrapartida, subiram em ritmo menor: 2,3% acima da inflação. os gastos com a previdência social subiram 2% além da inflação, contra alta de 0,9% (também acima da inflação) dos gastos com pessoal. as demais despesas obrigatórias, no entanto, acumulam queda de 2,6% descontada a inflação, por causa principalmente da redução dos gastos com subsídios (-29,7%), com o fundo de financiamento estudantil (fies) (-35,4%) e com abono e seguro desemprego (-4,8%). as despesas de custeio (manutenção da máquina pública) acumulam alta de 7% acima da inflação nos nove primeiros meses do ano. os investimentos (obras públicas e compra de equipamentos) somaram r$ 31,862 bilhões, alta de 20,4% além da inflação em relação ao mesmo período de 2017. o principal programa federal de investimentos, no entanto, está executando menos. os gastos com o programa de aceleração do crescimento (pac) somaram r$ 16,063 bilhões de janeiro a setembro, queda de 1,7% em relação aos mesmos meses do ano passado, descontada a inflação.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/10/654426-governo-central-registra-deficit-primario-de-r-23-bilhoes-em-setembro.html)
26/10/2018

Dívida pública cai 0,15% e atinge R$ 3,779 trilhões

 redução da dívida ocorreu por conta do resgate líquido de títulos, que somou r$ 26,73 bilhões redução da dívida ocorreu por conta do resgate líquido de títulos, que somou r$ 26,73 bilhões marcos santos/usp imagens/imagens públicas/jc agência brasil a dívida pública federal (dpf), que inclui o endividamento interno e externo do brasil, teve queda de 0,16% e passou de r$ 3,785 trilhões em agosto para r$ 3,779 trilhões em setembro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (26), em brasília, pela secretaria do tesouro nacional, do ministério da fazenda. a redução da dívida ocorreu por conta do resgate líquido de títulos, que somou r$ 26,73 bilhões, descontado parcialmente pela apropriação positiva de juros, no valor de r$ 20,55 bilhões. segundo a receita, a apropriação de juros representa o reconhecimento gradual das taxas que corrigem os juros da dívida pública. as taxas são incorporadas mês a mês ao estoque da dívida, conforme o indexador de cada papel. por meio da dívida pública, o governo pega recursos emprestados dos investidores para honrar compromissos. em troca, ele se compromete a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa selic, da inflação ou do câmbio. a dívida pública mobiliária federal interna (dpmfi) - em circulação no mercado nacional, que é a parte da dívida pública que pode ser paga em reais - teve o estoque reduzido em 0,07% em setembro, ao passar de r$ 3,630 trilhões para r$ 3,628 trilhões, devido ao resgate líquido de r$ 26,77 bilhões, compensado, em parte, pela apropriação positiva de juros, no valor de r$ 24,22 bilhões. do total de r$ 57,38 bilhões de emissões de títulos da dpmfi em setembro, foram emitidos r$ 55,50 bilhões nos leilões tradicionais; r$ 1,76 bilhão relativo às vendas de títulos do tesouro direto e r$ 125,43 milhões referentes a emissões diretas. com relação ao estoque da dívida pública federal externa (dpfe), captada do mercado internacional, também houve redução dede 2,34% sobre o estoque apurado em agosto, encerrando setembro em r$ 151,12 bilhões (us$ 37,74 bilhões), sendo r$ 136,71 bilhões (us$ 34,14 bilhões) relativos à dívida mobiliária e r$ 14,42 bilhões (us$ 3,60 bilhões), à dívida contratual. no mês de setembro, os ingressos de recursos da dívida contratual à dpfe totalizaram r$ 255,13 milhões. a dpf voltou a ficar abaixo das previsões do tesouro. de acordo com o plano anual de financiamento, divulgado em janeiro, a tendência é que o estoque da dpf encerre o ano entre r$ 3,780 trilhões e r$ 3,980 trilhões. a variação do endividamento do tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões pela internet (tesouro direto) ou pela emissão direta. além disso, pode ocorrer assinatura de contratos de empréstimo para o tesouro, tomado de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. já a redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos. em setembro, os maiores detentores da dívida pública eram os fundos de investimento, com 26,14% da dívida, alcançando r$ 948,53 bilhões. o grupo previdência ficou em segundo lugar, com uma participação relativa de 25,35% e variação positiva em seu estoque, passando de r$ 911,87 bilhões para r$ 919,90 bilhões, entre agosto e setembro. em seguida, estão as instituições financeiras com 22,79%, grupo que reduziu o estoque em r$ 3,96 bilhões, chegando a r$ 826,87 bilhões. os investidores estrangeiros também apresentaram queda de r$ 9,21 bilhões em seu estoque e concentraram 11,67% da dívida. já o governo possui 4,20% da dívida pública; as seguradoras, 3,99%; e outros, 5,86%.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/10/654411-divida-publica-cai-0-15-e-atinge-r-3-779-trilhoes.html)
24/10/2018

Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?

 especialista responde dúvida de leitor sobre investimentos. envie você também sua pergunta pergunta do leitor: tenho 37 anos, trabalho com suporte de informática e atualmente meu negócio está ficando bem rentável, porém, não faço ideia de como investir meu dinheiro. tenho filho e esposa e gostaria de me preparar melhor para o futuro. pretendo pagar uma previdência privada para o meu filho e abrir uma poupança para fazer uma reserva. é uma boa ideia? resposta de marcela kawauti*: para escolher o investimento mais rentável, é preciso fazer as contas considerando a incidência de impostos e demais taxas. existem diversos aplicativos e calculadoras virtuais que podem te ajudar nisso. porém, acima de tudo, é importante ter objetivos bem definidos. isso porquê, dependendo da finalidade da aplicação, você pode optar por alternativas mais ou menos rentáveis e arriscadas, mas que estejam de acordo com a liquidez que você precisa. pensando nisso, a previdência privada pode ser sim uma boa alternativa, mas apenas se você estiver pensando em investimentos com duração superior a dez anos. caso contrário, as taxas e impostos cobrados acabam prejudicando muito o seu rendimento. se a intenção for manter uma reserva de longo prazo pensando na faculdade ou maioridade do seu filho, por exemplo, há outras opções de baixo risco que podem ser interessantes. uma delas é o tesouro direto ipca+, que paga uma taxa de juros anual acrescida da inflação oficial do período, garantindo que o dinheiro aplicado tenha sempre um rendimento real – ou seja, acima da inflação. outra alternativa são os cdbs e lcs de bancos pequenos, que costumam oferecer melhor remuneração para os títulos com vencimento mais longo. além disso, a alíquota do imposto de renda cobrada sobre esse tipo de aplicação é regressiva, beneficiando quem mantem o investimento por mais tempo. agora, pensando no curto e médio prazo – ideal se você pretende comprar um imóvel ou fazer uma grande viagem daqui a alguns anos, por exemplo – há alternativas bastante seguras e que rendem mais do que a poupança. uma boa opção são lcis, lcas, cras ou cris, papéis de renda fixa sobre os quais não incide imposto de renda. esses títulos possuem prazos de vencimento variados, e você pode optar por aquele que mais te convém.  por fim, se estiver pensando em uma reserva para imprevistos, em que você pode precisar recorrer à quantia a qualquer momento, é necessário buscar uma aplicação com alta liquidez. nesse caso, uma boa alternativa é o tesouro selic – ele apresenta pouca volatilidade e, portanto, os riscos de você perder dinheiro se precisar vender o título antecipadamente são muito baixos. *fonte: exame por marcela kawauti, economista-chefe do spc brasil
24/10/2018

Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT

 comemorado hoje, dia 20 de outubro, o dia da estatística reconhece a importância dos estudos estatísticos para a sociedade. e, para celebrar essa data tão importante, vamos falar um pouco mais sobre o seu papel aqui na seguradora líder, especialmente dos dados do seguro dpvat. continue acompanhando! centro de dados e estatística: uma área inteiramente dedicada aos números não poderíamos começar esse post de forma diferente, não é mesmo? se sempre dizemos que aqui na seguradora líder temos muitos números, isso só é possível graças ao nosso centro de dados e estatística. criada em 2011, a área é responsável por fornecer dados de indenizações do seguro dpvat e pela produção dos famosos boletins estatísticos, cujos detalhes a gente conta aqui embaixo. boletim estatístico: números que tornam o trânsito melhor se você acompanha regularmente o blog viver seguro no trânsito, sabe que sempre falamos do boletim estatístico. mas, afinal, que documento é esse? divulgado mensalmente, ele consolida informações como o volume de indenizações pagas pelo seguro dpvat, o perfil das vítimas, o mapa das indenizações, além de um recorte específico sobre as motocicletas. ficou curioso? confira os boletins estatísticos: https://www.seguradoralider.com.br/centro-de-dados-e-estatisticas/boletim-estatistico recortes especiais do seguro dpvat e, como a gente sabe da importância dos dados do seguro dpvat para o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes cada vez mais efetivas em todo o país, o nosso boletim estatístico também conta com recortes especiais. e adivinha só? somente neste ano, foram três: o boletim especial “dez anos de trânsito”, boletim “mulheres no trânsito” e o boletim “semana nacional de trânsito”. e vem muito mais por aí! você confere mais detalhes sobre esses documentos neste post do blog viver seguro no trânsito, publicado no dia 18 de outubro. radar dpvat mas não para por aí! você também pode conferir mais dados sobre o seguro dpvat na sessão radar dpvat do site da seguradora líder, que traz, semanalmente, uma série de informações sobre os acidentes de trânsito de maior relevância no brasil sob a luz das indenizações pagas no estado da ocorrência. o objetivo é despertar, através dos números, a conscientização em relação à importância da segurança no trânsito. curtiu? então, é só clicar aqui para dar aquela olhadinha. ao disponibilizar ao público diferentes documentos contendo dados estatísticos das indenizações pagas pelo seguro dpvat, a seguradora líder quer colaborar com o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes cada vez mais efetivas. fonte: viver seguro no trânsito
24/10/2018

Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros

 a maioria dos executivos de grandes empresas afirmou que há planos dessa natureza para os próximos três anos. a coluna mercado aberto, da folha de s. paulo, informa que as aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros, segundo a consultoria kpmg, que fez um estudo global sobre o tema. a maioria (80%) dos executivos de grandes empresas afirmou que há planos dessa natureza para os próximos três anos. a principal razão para o movimento é a intenção de mudar a maneira como as operadoras obtêm suas receitas, o que a consultoria chama de modelo de negócios. “as maiores empresas do setor querem comprar outras que deem a elas novas capacidades”, afirma fernando mattar, sócio da kpmg. adquirir concorrentes para ficar com a base de clientes também é um motivo, mas o menos comum na lista dos apresentados. a concentração deverá levar mais tempo para acontecer no brasil, diz mattar, pois há incertezas econômicas. fonte: folha de s. paulo via sindseg sp

O acordão da Previdência


12/04/2019

Como uma espécie de Davos à brasileira, o 18º Fórum do LIDE reuniu, de forma inédita, governadores, parlamentares, empresários e o Executivo para fecharem questão em torno de mudanças na aposentadoria, no maior pacto federativo já visto sobre o tema. Agora é possível que a Reforma saia de uma vez do papel

O ministro Paulo Guedes e o presidente da Câmara Rodrigo Maia tocam instrumentos diferentes na sinfonia do poder, mas nada impede que atuem na mesma orquestra quando a partitura interessa a todos. No caso, a tão decantada e ainda aguardada Reforma da Previdência. Semanas a fio, de uns tempos para cá, os dois estão compondo, afinados, a banda de articulações que tenta a aprovação da proposta, ainda no primeiro semestre se tudo correr bem. Marcam quase todos os dias conversas fechadas nos gabinetes do Parlamento e do ministério para acertar pontos ainda pendentes. Seguem juntos para conversas com as bancadas dos partidos e com públicos e plateias os mais variados. Tratam de ajustes pontuais no texto e no calhamaço de estatísticas para chegar ao número mágico pretendido de uma economia na casa de R$ 1 trilhão em dez anos.
E trocam elogios mútuos quando se referem à disposição do interlocutor para aceitar sugestões. Viraram, por assim dizer, verso e emenda do mesmo refrão. Na semana passada, os dois e mais o presidente do Senado David Alcolumbre – que também dá corda à cantilena da Reforma – além de portentos empresariais, ministros, congressistas e seis governadores se reuniram em um encontro tão representativo como inequívoco na demonstração de força e sintonia em torno do tema. Na 18º edição do Fórum Empresarial do LIDE, dessa vez realizado em Campos do Jordão, interior de São Paulo – com um formato e dinâmica que lembram em muito as conferências globais de Davos -, todos pareciam sinceramente ávidos por enfrentar o impossível para chegar lá (ou, pelo menos, o aparentemente impossível, dado que sai governo, entra governo, ninguém consegue emplacar a ideia) com uma espécie de bloco coeso de apoio, integrado por camadas de diversos setores comprometidos com a retomada econômica. Foi um ponto de inflexão importante nessa trajetória de idas e vindas daquela que é, de fato, a principal pauta lançada sobre as mesas de deputados e senadores neste ano. Até aqui não havia ocorrido ainda uma reunião tão ampla e diversificada de agentes envolvidos com a reforma. Na batuta da mobilização, o governador de São Paulo, João Doria, funcionou ali como uma espécie de intermediador de interesses, sem tomar lados, uma vez que o intuito geral era o de fechar a agenda comum pelo engajamento para ajudar no rito da aprovação. “Não há mais o que esperar, o Brasil precisa o quanto antes dessa reforma, o recado ficou claro e vamos trabalhar em conjunto por ela. Articulem-se, sejamos todos ativos nessa direção”, convocou Doria, que há quase duas décadas idealizou os fóruns anuais (ainda organizados pelo grupo que leva o seu nome e do qual se desligou desde que entrou para a política, deixando a direção a cargo de uma banca de profissionais). De uns tempos para cá, no comando da máquina paulista, Doria procurou ser uma espécie de fiador de entendimentos nesse sentido, se esforçando como poucos para reunir, inclusive na própria casa, vários dos personagens da complexa negociação. Foi assim na semana passada quando recepcionou o vice-presidente General Mourão e sugeriu alguns encontros entre ele e os governadores dos demais Estados para ouvir as necessidades de cada um, e ao receber também o presidente do Supremo Tribunal, Dias Toffoli, que reagiu entusiasmado ao convite: “estou há 10 anos no STF e nunca ninguém me chamou para uma conversa como essa e o senhor faz isso justo no momento mais decisivo do País”, disse ao anfitrião. No ponto alto das rodadas de tratativas que entabulou pela reforma, Doria resolveu falar a respeito tanto com o presidente Bolsonaro como com o deputado Maia para aparar arestas, tal qual um bombeiro que percebe a fumaça a tempo de controlar o incêndio. É um trabalho de diplomacia que vem fazendo a diferença. No Fórum de Campos, ele dobrou a aposta. Lá, de certa forma, estavam colocados inúmeros papeis estratégicos disponíveis a cada um dos participantes para o sarau de negociações. Para quem viu de fora foi possível alimentar razoável otimismo sobre a costura de saídas para o impasse previdenciário. Basta compreender a função dos protagonistas daqueles tête-à-tête e a dimensão de um encontro como o de Campos, quando esses senhores reservaram o final de semana para juntos debater e firmar denominadores comuns.
“Não há mais o que esperar. O Brasil precisa o quanto antes dessa reforma” João Doria, governador de São Paulo
Existiam diferenças? Claro. Incontornáveis? O desenrolar do evento acabou demonstrando que não. Lado a lado, sem intermediários, os participantes acabaram por fechar convergências em vários aspectos. E isso fez toda diferença na evolução dos ânimos quanto à entrega ao País de uma reforma verdadeiramente eficaz. O clima de hostilidade de outras ocasiões foi superado e análises consistentes sobre crise fiscal, reorientação de receitas e passos complementares na área das privatizações e do ajuste no Sistema “S” pontificaram sem maiores resistências. Os governadores, por exemplo, estão muitos deles em situações calamitosas de caixa. Não sabem como seguir um ano sequer a mais com o atual quadro de vinculações orçamentárias para a rubrica das pensões, bem mais salgadas no campo da atividade pública se comparadas às da iniciativa privada. Deram ali esse testemunho e reforçaram a carga de pressão sobre os representantes do Legislativo presentes. Prefeitos, deputados e senadores que foram ao Fórum, dentre os quais Antonio Carlos Magalhães Neto, de Salvador, e Nelson Marchezan, de Porto Alegre, repisaram o alerta da inanição dramática de verbas nas respectivas regiões para bancar o compromisso. Cada uma das vozes serviu de caixa de ressonância direta sobre os feitores da costura do projeto, dispostos de maneira genuína a escutar e ajustar excessos.
Ministros como o responsável pela pasta da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, trouxeram sua contribuição mostrando os esforços em andamento para a recomposição de receitas. Freitas listou um balanço de leilões que repassaram, dentre outras estruturas, inúmeros terminais portuários, ferroviários e aeroportos. No total, em 60 dias, 23 ativos mudaram de mãos, do Estado para a iniciativa privada, gerando resultados bilionários que vão ajudar no resgate da saúde financeira da União. Longe dali, até a ala militar, através dos generais Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança, e Eduardo Villas Bôas, ex-comandante-geral do Exército, saíram em busca de apoio para as mudanças nas aposentadorias e serviram de promotores do tema em convescote no final de semana com um grupo de governadores liderados por Ronaldo Caiado, de Goiás. Caiado esteve ainda no pelotão dos participantes do Fórum.

Um pacto federativo

Mas vamos nos ater aos principais protagonistas dessa espécie de pacto federativo que ocorreu durante as rodadas de Campos – e não se pode chamar de outra coisa uma sinalização conjunta de ideias em torno da Reforma. Maia e Guedes exerceram no encontro a condição de maestros da pacificação. Por mais que opositores e críticos do Governo tentem desmerecer o escopo do projeto, a dupla de seus defensores tem acertado não apenas no diagnóstico da crise como na receita para saná-la. Tal qual padarias mal administradas, o Tesouro Nacional mergulhou há muito tempo no vermelho e já teria ido à falência se estivesse no ramo comercial – principalmente devido aos desembolsos descomunais que realiza para arcar com a Previdência, na casa dos R$ 720 bilhões ao ano. Os arautos da reforma estão juntos conversando com os interlocutores para demonstrar por A mais B que o único jeito de consertar a situação e evitar o desfecho trágico passa por uma reformulação completa do sistema de gastos sob essa rubrica. “Tenho a minha absoluta tranquilidade, fora dos ruídos aqui e ali, quanto à dinâmica maior dos eventos. Para mim é claro que a continuar nessa marcha estaremos indo para a desordem da forma mais organizada que já vi”, alertou Guedes ainda na sexta-feira 05 a uma plateia de atentos ouvintes. “As pessoas estão irritadas e ansiosas porque vivemos uma crise há quase cinco anos e precisamos da reforma para mudar esse estado de coisas”, reforçou Maia. Os dois estão pedindo ao Congresso celeridade. Essa é uma providência habitualmente perseguida pelos governantes, mas a missão de cobrá-la e negociá-la foi tão mal recebida pelo mandatário que ambos decidiram tomar a frente do processo. Diga-se de passagem que os brasileiros acompanham desde o início, com certa sofreguidão, o desenrolar dos acordos. Em um primeiro momento majoritariamente contra a perda de benefícios perceberam que seriam os principais prejudicados, ou no mínimo seus filhos, pela falta de uma solução estrutural. A história revelou que, a rigor, a curva de contribuintes e de beneficiários se inverteu dramaticamente com o avanço da população idosa – fenômeno que, por aqui, assumiu contornos de calamidade na equação. O resultado a que se chegou, com risco de calote generalizado dos pagamentos em até três ou quatro anos, pode ter contribuído para a mudança dos humores da população a favor de um ajuste. Pesquisa da XP Investimentos divulgada recentemente mostrou que 65% dos entrevistados se colocam agora a favor da reforma. O aval serviu de senha para que o ministro Guedes tomasse novo fôlego após o bombardeio de ataques que sofreu da bancada do atraso na Câmara. Ah, as contradições da democracia! Se há 15 dias Guedes perdeu a paciência com um auditório dominado por arrivistas que o exauriram em seis horas de depoimento, nas apresentações de Campos, logo após, ele teve que seguidamente interromper as mesmas explicações em virtude dos aplausos de convertidos, inebriados com a clareza dos argumentos. Dois públicos, duas reações absolutamente distintas. A soma das sessões lhe dá ainda assim um quórum altamente favorável à cruzada que empreende. De Posto Ypiranga a “tchutchuca”, Tigrão ou czar da economia, Guedes conheceu todos os mimosos epítetos com que o brindaram na trajetória de andarilho atrás de votos pela Previdência, mas segue indiferente, talvez porque costuma colocar a causa acima dos contratempos. Disse isso em Campos: “vou me irritar com o que? Tem uma minoria que fica batendo bumbo, problema deles.
“As pessoas estão ansiosas e irritadas porque vivemos uma crise há quase cinco anos e precisamos da reforma para mudar esse estado de coisas” Rodrigo Maia, presidente da Câmara
A minha expectativa da classe política é a melhor possível, a construtividade do Maia, do Doria e de muitos outros reforça a minha convicção de não recuar. Sem recuo e sem rendição”, estabeleceu o ministro. Seu companheiro de batalha, Rodrigo Maia, que compartilha da mesma fama de pavio curto, sempre com uma resposta na ponta da língua, tem um pé cautelosamente atrás e o outro lado a lado com o de Guedes. “Perdi a condição de cumprir um papel de articulador porque fui mal compreendido, mas se a gente quer reformar o Estado precisamos agora de um pacto onde a Previdência é o primeiro item”, afirma. Maia tem surpreendido positivamente como um autêntico embaixador da reforma no Congresso. Até Guedes reconhece isso. Com seu estilo carrancudo, parrudo, mas competente em todos os sentidos, o presidente da Câmara virou o fiador do projeto, mesmo que o presidente Bolsonaro inicialmente não o tenha enxergado assim. Já no segundo mandato, com assento cativo no comando da Câmara pelos próximos dois anos, não há mais dúvidas de que ele participará das decisões-chaves do que mudar e do que manter na estrutura da proposta (leia quadro) e, aos interlocutores, Maia vem enviando sinais de que não se furtará da missão de harmonizar a Casa, buscando uma solução que elimine os privilégios em qualquer direção: dos servidores públicos aos militares. É aí que a coisa pode pegar. No Executivo se coloca como assunto fechado o tratamento diferenciado para a caserna, com um regime especial de Previdência.
“A gente pode enveredar já pelo caminho certo da reforma porque a convicção de sua importância nunca foi tão acentuada” André Esteves, presidente do BTG Pactual
O Congresso discorda e Maia precisará atuar como apaziguador. Guedes, de sua parte, tem um tom mais incisivo sobre o assunto. Disse na Comissão de Constituição e Justiça, dias antes, que cabe aos parlamentares a coragem de mudar ou não o modelo sugerido para os aposentados de farda. No íntimo ele torce pela revisão para reforçar as chances da economia na casa do trilhão. Sempre preciso na exposição dos motivos, Guedes não arreda pé do ouvido do presidente e atende quando pode demandas como a dos militares. Nesse pormenor, no entanto, ele foi menos enfático – talvez por não estar plenamente a favor – e assim deixou de transmitir explicações convincentes na defesa da categoria. O mesmo não aconteceu quando o item abordado foi o esquema de “capitalização” para as gerações futuras que entrarão daqui por diante no sistema. Com essa via Guedes advoga que serão criados milhares de empregos rápidos em virtude da “desoneração dramática” (expressão dele) dos encargos trabalhistas. Bolsonaro mostra resistência, parlamentares idem, governadores como Doria e Eduardo Leite (RS) apoiam e Guedes se equilibra insistindo na alternativa. De todo modo, o ministro tem se consagrado como referência quando se fala do lado bom do Governo.
Com o seu estilo surpreendente, brilhante e obstinado virou o estrategista-chefe do acordo em andamento. E ainda bem que está sendo bem-sucedido na empreitada. Desenho estatístico de um País que caminha a fortes solavancos, os índices de aposentadoria por aqui dizem respeito a uma velha tragédia nacional – a de não se preparar para o envelhecimento da população. As estatísticas indicam que ocorreu em curtíssimo espaço de tempo aquilo que muitas pessoas temiam: o risco da insolvência do sistema, que se tornou inviável há alguns anos e que agora consome boa parte do orçamento federal. Como pontua Guedes, devido aos estouros bilionários desse modelo os brasileiros ficaram literalmente atolados. “Carimbamos os recursos, vinculamos os gastos e assim reconstruímos uma Europa por ano para ficar no mesmo lugar. R$ 4 trilhões de receita equivale a um Plano Marshall por ano”. O economista se refere ao valor do PIB e o compara ao plano de ajuda financeira das nações destruídas pela II Grande Guerra. Os desembolsos realizados atualmente sangram quase três quartos das receitas públicas disponíveis. Em bom português: não sobra nada, ou quase nada, para o resto. Com uma escalada vertiginosa e ininterrupta do problema. Em sua infelicidade burocrática, o Brasil está enredado numa armadilha da qual precisa se livrar urgentemente.
Os empresários que desembarcaram em peso no foro estão unanimemente convencidos de que não há outra saída que não a da reforma já. “quantas vezes vimos essa discussão ser colocada à mesa e adiada por falta de disposição política? Agora o quadro parece diferente”, disse o presidente da MAN, líder na produção de caminhões no Brasil, Roberto Cortes. “O que temos de notar é que há no momento uma vontade geral na busca por convergência sobre a questão”, endossou o presidente da gigante nacional do aço CSN, Benjamin Steinbruch. “A Reforma garante a solvência do estado brasileiro no futuro, sem isso entramos numa sociedade à beira da falência”, pontuou Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco.

Vozes em Uníssono

Nessa ala que responde pela produção e, na prática, é quem faz a roda girar para os resultados auspiciosos do Produto Interno Bruto, não foram poucas, nem isoladas, as vozes pedindo a solução urgente. Engrossaram o coro personagens como Michael Klein, que construiu a rede varejista Casas Bahia e no momento dedica-se ao setor de aviação, José Luiz Gandini, da Kia Motors e dirigente da associação de importadores de veículos, Claudio Lottenberg, que preside a líder de planos de saúde Amil e Manfredo Rübens, presidente da gigante química Basf. Ali, naqueles dias de agitação sectária que tomou a aprazível cidadezinha de Campos, com ares de recanto europeu, eram ao menos 700 CEOs, financistas e executivos de grandes conglomerados batendo ponto e empenhando aval na composição da Previdência. “Potencialmente, pelo que tratamos aqui, a gente pode enveredar já pelo caminho certo da reforma porque a convicção de sua importância nunca foi tão acentuada”, convocou o fundador e presidente do conselho do BTG Pactual, André Esteves. O Chairman do LIDE, Luiz Fernando Furlan, definiu em uma parábola o que considera como uma fase de transição: “Se queremos pular para um novo Brasil, esse é o caminho”. Do contrário, como pontua o governador Doria, qualquer impulso de retomada estará comprometido. “Sem a reforma, estados, municípios e o próprio Governo Federal entrarão em um caos, com a falta de recursos para o pagamento de serviços básicos de saúde, educação e segurança entre outros”. É melhor não arriscar.

“A Reforma garante a solvência do estado no futuro. Sem isso, entramos numa sociedade à beira da falência” Luiz Carlos Trabuco, Bradesco

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989