03/04/2018

Setor de seguros mantém otimismo e índice de confiança cresce em março

 fonte: jrs por william anthony apenas 2 das 100 seguradoras consultadas acreditam que a economia deve piorar nos próximos 6 meses a consultoria rating de seguros divulgou o índice de confiança do setor de seguros (icss) referente ao mês de março. desde o final do ano passado, os indicadores são positivos, com variação entre 120 e 130 pontos. a avaliação é realizada junto a seguradoras, empresas de resseguros e grandes corretoras. apenas 2 das 100 seguradoras consultadas acreditam que a economia deve piorar nos próximos 6 meses. a desconfiança sobe quanto o assunto é a rentabilidade do setor. das 300 empresas consultadas, 46 acreditam que a mesma deve ficar pior ou muito pior. todas as consultadas acreditam que o faturamento do mercado segurador devem ser melhores ou iguais aos registrados atualmente. as corretoras de seguros são as mais otimistas entre as pesquisadas. o grau de otimismo chega a 126,8 – em uma escala que varia de 0 a 200. entre as seguradoras, o índice é de 123,5, enquanto que, para as resseguradoras chega a 121,7. na média, o grau de confiança do setor de seguros é de 122,3. confira o estudo completo neste link.
03/04/2018

Ouro sobe com busca por ativos considerados seguros em meio a aversão ao risco

 fonte: estadão conteúdo o ouro fechou em alta na sessão desta segunda-feira, 2, na qual a aversão ao risco fez investidores migrarem de papéis considerados arriscados, como ações, para ativos vistos como seguros, a exemplo do metal amarelo. na comex, a divisão de metais da new york mercantile exchange (nymex), o contrato futuro de ouro para junho encerrou com avanço de us$ 19,60 (+1,48%), a us$ 1.346,90 a onça-troy. em um movimento que deu fôlego ao metal amarelo, visto como um ativo de segurança em cenários de incerteza, a aversão ao risco se espalhou em virtualmente todos os setores dos principais índices acionários de wall street. o gatilho para as baixas foi um tuíte do presidente dos estados unidos, donald trump, que criticou novamente o regime tributário da amazon. outro fator que semeou pessimismo entre investidores foi o anúncio pela china da imposição de tarifas sobre a importação de 128 produtos americanos, em retaliação às sobretaxas no aço e no alumínio importados pelos eua. a decisão espalhou tensão sobre os mercados e reviveu temores de uma guerra comercial entre os países.
03/04/2018

Em meio à crise, bancos são campeões de lucro: R$ 63 bi em 2017

  fonte: portal vermelho enquanto, em 2017, o brasil somava 12 milhões de desempregados, a maior parte das vagas criadas foram na informalidade, a fome voltou a assolar as famílias, a desigualdade aumentou e direitos e programas sociais foram cortados, um setor passou incólume pela crise. os bancos - que não produzem riqueza e drenam recursos da economia real - registraram o maior lucro entre as empresas com ações negociadas na bolsa de valores.    de acordo com um levantamento produzido pela empresa de informações financeiras economatica, juntos, os 23 bancos com capital aberto lucraram r$ 63,12 bilhões no ano passado. o resultado, que leva em conta os demonstrativos financeiros entregues pelas companhias à comissão de valores mobiliários, significa uma alta de 12,27% em relação a 2016. o setor bancário lidera com folga a lista dos mais lucrativos. em segundo lugar, está o de mineração, com um lucro que é mais de 3,6 vezes menor: r$ 17,42 bilhões. em seguida, aparecem os setores de energia (r$ 9,9 bilhões), alimentos e bebidas (r$ 8,49 bilhões), seguradoras e corretoras de seguros (r$ 6,94 bilhões). além disso, quatro bancos estão entre as cinco empresas de capital aberto com maior lucro em 2017. o itaú unibanco, sozinho, obteve uma rentabilidade de r$ 23,96 bilhões. para se ter uma ideia, o orçamento destinado ao bolsa família, que beneficia 14 milhões de famílias, é de r$ 27,7 bilhões em 2018. no ano passado, o programa sofreu, inclusive, um corte de r$ 1 bilhão, sob o argumento da falta de recursos.  o bradesco, por sua vez, teve lucro de r$ 14,66 bilhões; o banco do brasil, de r$ 11,01 bilhões; e o santander, de r$ 8 bilhões. somados os rendimentos das quatro empresas, daria para custear praticamente dois bolsa família. o levantamento sobre o lucro das empresas não inclui a petrobras e a eletrobras. mais lucro: menos crédito, menos emprego e juros mais altos os bons resultados dos bancos, contudo, não têm se convertido em boas notícias para os trabalhadores dessas instituições financeiras. o setor bancário fechou 17.905 postos de trabalho em 2017, de acordo com dados do caged. além da piora no atendimento, as demissões têm deixado sobrecarregados dos empregados que ficam na empresa. a alta rentabilidade está associada à falta de regulação, apontam diversos analistas. um exemplo é que, apesar de o banco central ter reduzido sucessivamente a selic, que é usada como referência para empréstimos e financiamentos entre os bancos e o governo, os juros cobrados pelos bancos aos seus clientes continuam nas alturas.  hoje, a selic está em 6,5%, mas os juros do cartão de crédito, por exemplo, aumentaram e, em média, chegam a 333% ao ano. além disso, os bancos também vêm aumentando as receitas por conta das caras tarifas cobradas de clientes pela prestação de serviços, como a manutenção de contas. estudiosos apontam que o setor que mais contabiliza lucros no país não cumpre o papel que deveria para ajudar o país a retomar o crescimento. ao contrário do que faz hoje, deveria praticar juros civilizados, elevar a oferta de crédito, preservar empregos e melhorar o atendimento à população.
03/04/2018

Avanços na economia ficarão mais claros com o tempo, diz Meirelles

  meirelles disse, ainda, que é preciso avançar nas reformas que ainda não foram feitas e que o crescimento da economia para os próximos anos será maior que o previsto atualmente. fonte: por taís laporta, g1 o ministro da fazenda, henrique meirelles, afirmou nesta segunda-feira (2) que os avanços na área econômica resultantes das medidas do governo ainda não foram totalmente percebidos, mas ficarão mais claros com o passar do tempo. a declaração foi feita durante o fórum econômico brasil e países árabes, que também contou com a presença do presidente da república, michel temer, em são paulo. meirelles não comentou sua possível candidatura à presidência da república e a decisão de filiar-se ao mdb. em seu discurso, o ministro disse acreditar que as medidas já adotadas pelo governo na área econômica resultarão em importantes transformações na forma como a economia funciona. "suas implicações não foram ainda integralmente percebidas, mas vão ficar mais claras com o passar do tempo", declarou. meirelles disse, ainda, que é preciso avançar nas reformas que ainda não foram feitas e que o crescimento da economia para os próximos anos será maior que o previsto atualmente. o governo federal colocou na gaveta o projeto de reforma da previdência quando decidiu pela intervenção federal no rio de janeiro em fevereiro deste ano. nesta segunda-feira, economistas do mercado financeiro reduziram a previsão de crescimento do pib para 2018, de 2,89% para 2,84%, junto da projeção de uma inflação mais baixa. já o governo projeta um avanço de 3% para a economia este ano.
03/04/2018

Queda dos juros libera R$ 196 bi, diz ministério

 fonte: agência estado brasília, 03 - a queda dos juros básicos da economia tem potencial para liberar r$ 196 bilhões de renda do orçamento das famílias e das empresas brasileiras ao longo de 2018. cálculos feitos pelo ministério do planejamento apontam que os juros mais baixos vão reduzir em r$ 147 bilhões o endividamento das famílias e em r$ 49 bilhões das empresas - o equivalente a cerca de 3% do produto interno bruto (pib). o principal efeito desse processo é que os juros mais baixos permitem não só a renegociação de dívidas, trocando juros mais elevados por taxas mais baixas, como abrem espaço para o aumento da demanda na economia e dos investimentos. no dia 22 de março, a taxa selic atingiu mínima histórica, chegando a 6,5% ao ano. em outubro de 2016, quando o atual ciclo de queda começou, a selic estava em 14,25%. para o secretário de planejamento e assuntos econômicos do ministério, marcos ferrari, o potencial de aumento de renda aponta que a retomada do crescimento da economia é sustentável. pelos cálculos do governo, o pib do país deve crescer 3%. os números mais fracos de janeiro, segundo ele, decorrem de fatores sazonais. “as taxas de investimento e do crescimento vão aumentar este ano e um dos principais motivos é o ciclo monetário favorável”, diz ferrari, ressaltando que os investimentos já crescem mais do que o consumo no país. na sua avaliação, um bom sinal para mostrar a “qualidade” da expansão econômica. segundo ele, as empresas podem fazer o pré-pagamento de uma dívida cara mediante outro financiamento mais barato. as famílias podem quitar sua dívida no cheque especial com um cdc (crédito direto ao consumidor) com juros mais baixos. “isso libera recursos para uma alocação mais eficiente”, diz. a economista ione amorim, do instituto brasileiro de defesa do consumidor (idec), argumenta que consumidores com elevado endividamento não conseguem fazer acordos bons na renegociação aproveitando os juros mais baixos, o que leva a nova inadimplência. segundo ela, as dívidas de cartão de crédito e as renegociadas são as que têm maior inadimplência. o idec vai promover um seminário na fundação getulio vargas, em são paulo, esta semana para discutir o problema. pib apesar da projeção de alta maior do pib em 2018, a preocupação em torno da sustentabilidade do crescimento entrou no radar dos economistas por causa das incertezas que rondam o país e do processo inconcluso de ajuste das contas públicas, com problemas fiscais sendo transferidos para depois das eleições. a pergunta que tem sido feita aos economistas é se a retomada de agora corre o risco de ser atropelada. “o ajuste fiscal tem atuado positivamente na retomada do crescimento dada a ancoragem das expectativas e a melhora da confiança”, ressalta ferrari. o levantamento do ministério foi feito com base nos dados de crédito para pessoa física no banco central, divulgados na semana passada. o das empresas foi calculado levando-se em consideração o estoque de dívida de cerca de 270 companhias listadas na bolsa de valores. as informações são do jornal.
03/04/2018

Bovespa sobe amparada por recuperação em Nova Iorque, enquanto dólar renova mínima

 fonte: estadão   a bovespa opera em alta nesta terça-feira (3) na esteira da recuperação em wall street após o tombo registrado da véspera, conduzido pelo setor de tecnologia. às 10h29min, o principal índice da bolsa subia 0,65%, aos 85.218,71 pontos, em sintonia com o desempenho dos índices futuros das bolsas de nova iorque. no cenário local, a agenda é fraca e as atenções estão voltadas para o julgamento no supremo tribunal federal (stf), na quarta, do habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente luiz inácio lula da silva. nesta terça-feira (3), o movimento brasil livre (mbl), o vem pra rua e uma série de outros coletivos preparam atos para pedir a prisão do petista, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no guarujá.
03/04/2018

EMPRESAS

 fonte: jornal do comércio   pesquisa da work foundation revelou que 73% das empresas na inglaterra utilizam formalmente práticas de mentoria há mais de 10 anos. no brasil, o fenômeno ainda é recente. a metodologia passou a ganhar espaço como política de desenvolvimento de pessoas quando teve suas primeiras iniciativas implantadas em grandes corporações, como natura e petrobras. no entanto, a metodologia é apresentada, muitas vezes, com distorções motivadas pela carência de entendimento e de fontes de informações. a maioria das empresas ainda acredita que mentoria organizacional consiste apenas em colocar um profissional sênior a orientar um profissional júnior, mas um programa de mentoria organizacional interna bem-estruturado demanda e tem potencial para muito mais. motivado pelo interesse de oferecer uma ampla base teórica para a execução de programas de mentoria em organizações, marcus ronsoni, que é doutorando em psicologia social, empresário e consultor em empresas de grande porte, lançou o primeiro manual de implantação de programas de mentoria organizacional interna. o livro mentoria organizacional - manual de implementação de programa interno, que conta com a coautoria de jean guareschi, coordenador executivo da sociedade brasileira de desenvolvimento comportamental, reúne depoimentos sobre o processo de mentoria em grandes empresas. mentoria organizacional - manual de implementação de programa interno; marcus ronsoni e jean guareschi; primavera editorial; 382 páginas; r$ 44,90 inovação ex-executivo da apple e do google, guy kawasaki é um dos grandes nomes do empreendedorismo no mundo. considerado um dos mais originais estrategistas de negócios, kawasaki ganha a edição revisitada de uma obra clássica de sua autoria. em a arte do começo 2.0, publicação atualizada do clássico de 2004, o autor sugere as práticas mais recomendadas para as mídias sociais, financiamento coletivo, navegação em nuvem e todas as ferramentas essenciais para os que estão iniciando um novo projeto ou empresa. o autor destaca as mudanças no mundo dos negócios na última década e defende que se tornou mais fácil se estabilizar no mercado. ele fala sobre o papel das mídias sociais como relações-públicas, analisa o crowfunding como alternativa ao pitching de investidores e relativiza a importância dos tradicionais planos de negócios. além de tratar dos novos desafios do mercado, a obra ensina a lidar com questões que continuam sendo fundamentais para o sucesso de um empreendimento - a construção de uma equipe forte, o desenvolvimento de bons produtos e serviços e ainda as estratégias para enfrentar a concorrência. durante a leitura, om autor afirma que "grandes empresas nascem da resposta a perguntas simples que mudam o mundo, não do desejo de enriquecer". guy kawasaki é o mentor do canva, serviço de design on-line, e membro executivo da escola de negócios haas, da universidade da califórnia, em berkeley. a arte do começo 2.0; guy kawasaki; grupo editorial record; 480 páginas; r$ 59,90 psicologia numa mesa de bar, uma conversa inocente evolui para opiniões divergentes que acabam num debate mais acalorado. todos na mesa tentam defender suas posições. exibem-se dados, estatísticas, fatos, frases de efeito. todos os recursos são usados para convencer o interlocutor. mas, no final da noite, a tentativa e o esforço em mudar a opinião do outro resultam apenas no reforço das próprias crenças e ideias e todos vão para casa fechados em si mesmo sem saber como influenciar e transformar o pensamento dos outros. afinal, o que determina isso? quais fatores permitem que abracem o que pensamos ou que nos ignorem por completo? em a mente influente - o que o cérebro revela sobre nosso poder de mudar os outros, a neurocientista cognitiva israelense tali sharot analisa a prática da influência. segundo a autora, existem sete fatores essenciais para que entendamos como e de que forma é possível influenciar no pensamento dos outros e também estarmos mais abertos a mudanças de opinião e paradigmas. sharot explica que em um mundo com um manancial quase infinito de informações a nosso dispor, o que poderia facilitar a transformação e amadurecimento das ideias, contribui ainda mais para nos deixar menos sensíveis aos dados e nos tornar mais arredios a argumentos. no final das contas, continuam valendo as narrativas que apelam para nossas emoções e que coadunam com nossas crenças.
03/04/2018

Banco Central pode interromper cortes de juros em breve para avaliar resultados, diz Ilan

 fonte: folhapress – jornal do comércio   a taxa de juros ainda deverá sofrer um corte no próximo encontro do copom, mas há uma perspectiva de que essa queda seja interrompida por algumas reuniões para avaliar com mais calma os impactos de longo prazo da redução, afirmou o presidente do banco central, ilan goldfajn, nesta terça-feira (3). "se as condições permanecerem, imaginamos como mais provável uma nova redução da taxa de juros para garantir uma trajetória em direção às metas. mas, olhando para o futuro, achamos que pode haver uma interrupção da queda, uma pausa de algumas reuniões, para avaliar defasagens", disse ele, em um evento do banco bradesco, em são paulo. para ele, os estímulos da redução da selic e de incentivos aos investimentos levam algum tempo para fazerem efeito, o que gera uma incerteza sobre seu impacto. "pode levar seis meses, nove meses. mas essa estimativa pode ser mais curta, mais longa, e só vai descobrir isso no futuro. há uma incerteza. achamos que vai precisar um tempo, uma pausa de algumas reuniões, para observar essas defasagens", completou. na última reunião do copom, em 22 de março, o bc cortou a taxa a 6,5% ao ano e surpreendeu ao sinalizar mais uma redução. a inflação medida pelo ipca ficou em 2,86% nos 12 meses até fevereiro. a taxa está bastante abaixo da meta definida para este ano. "temos riscos dos dois lados: de ficar abaixo do que se imagina, e de ficar acima. mesmo com a recuperação da economia, pode ser que [a inflação] fique baixa, e caberá ao banco central agir para que fique dentro da meta." o maior risco, diz ele, é uma interrupção das reformas, especialmente se esta for complementada por uma mudança no cenário internacional, cuja recuperação atual é favorável ao brasil, segundo goldfajn. banco central pode interromper cortes de juros em breve para avaliar resultados, diz ilan folhapress a taxa de juros ainda deverá sofrer um corte no próximo encontro do copom, mas há uma perspectiva de que essa queda seja interrompida por algumas reuniões para avaliar com mais calma os impactos de longo prazo da redução, afirmou o presidente do banco central, ilan goldfajn, nesta terça-feira (3). "se as condições permanecerem, imaginamos como mais provável uma nova redução da taxa de juros para garantir uma trajetória em direção às metas. mas, olhando para o futuro, achamos que pode haver uma interrupção da queda, uma pausa de algumas reuniões, para avaliar defasagens", disse ele, em um evento do banco bradesco, em são paulo. para ele, os estímulos da redução da selic e de incentivos aos investimentos levam algum tempo para fazerem efeito, o que gera uma incerteza sobre seu impacto. "pode levar seis meses, nove meses. mas essa estimativa pode ser mais curta, mais longa, e só vai descobrir isso no futuro. há uma incerteza. achamos que vai precisar um tempo, uma pausa de algumas reuniões, para observar essas defasagens", completou. na última reunião do copom, em 22 de março, o bc cortou a taxa a 6,5% ao ano e surpreendeu ao sinalizar mais uma redução. a inflação medida pelo ipca ficou em 2,86% nos 12 meses até fevereiro. a taxa está bastante abaixo da meta definida para este ano. "temos riscos dos dois lados: de ficar abaixo do que se imagina, e de ficar acima. mesmo com a recuperação da economia, pode ser que [a inflação] fique baixa, e caberá ao banco central agir para que fique dentro da meta." o maior risco, diz ele, é uma interrupção das reformas, especialmente se esta for complementada por uma mudança no cenário internacional, cuja recuperação atual é favorável ao brasil, segundo goldfajn.
02/04/2018

Mercado prevê inflação menor e juros mais baixos em 2018

 relatório focus, divulgado pelo banco central, nesta segunda-feira, 2, reduz previsão de inflação de 3,57% para 3,54% e juros em 6,25% ao ano fonte: fabrício de castro, o estado de s.paulo os economistas do mercado financeiro reduziram pela nona semana consecutiva a previsão para a inflação de 2018. além disso, especialistas acreditam que a taxa selic deva encerrar o ano em 6,25% e que o crescimento do pib também deve ser menor que o esperado. o relatório de mercado focus, divulgado nesta segunda-feira, 2, pelo banco central (bc), mostra que a previsão para o índice nacional de preços ao consumidor amplo (ipca) este ano caiu de 3,57% para 3,54%. há um mês, estava em 3,70%. já a projeção para o índice em 2019 caiu de 4,10% para 4,08%. quatro semanas atrás, estava em 4,24%.  a expectativa de alta para o pib este ano caiu de 2,89% para 2,84%. há quatro semanas, a estimativa era de um crescimento de 2,90%. para 2019, o mercado manteve a previsão de alta do pib de 3,00%, mesmo patamar de quatro semanas atrás.  parte inferior do formulário   analistas do mercado financeiro esperam por um corte de 0,25 ponto porcentual da selic (a taxa básica de juros) em maio, de 6,50% para 6,25% ao ano. depois disso, de acordo com o  relatório focus, a projeção é de que a selic permaneça em 6,25% ao ano até fevereiro de 2019, quando a taxa subiria a 6,50% ao ano. este aumento marcaria o início de um novo ciclo, desta vez de alta para os juros básicos.  inflação. com as quedas seguidas, a projeção dos economistas para a inflação em 2018 caminha em direção ao piso da meta deste ano, cujo centro é em 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 3,0% a 6,0%). para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%). tanto na ata da última reunião do comitê de política monetária (copom) quanto no relatório trimestral de inflação (rti), divulgados na semana passada, o bc projetou o ipca em 3,8% ao fim de 2018 e em 4,1% ao fim de 2019, considerando o cenário de mercado. a projeção do igp-di de 2018 passou de 4,37% para 4,40%. há um mês, estava em 4,31%. no caso de 2019, o igp-di projetado seguiu em 4,27%, ante 4,25% quatro semanas antes. calculados pela fundação getulio vargas (fgv), os índices gerais de preços (igps) são bastante afetados pelo desempenho do dólar e pelos produtos de atacado, em especial os agrícolas. outro índice, o igp-m, que é referência para o reajuste dos contratos de aluguel, foi de 4,37% para 4,51% nas projeções dos analistas para 2018. quatro levantamentos antes, estava em 4,22%. para 2019, a projeção passou de 4,38% para 4,30%, ante 4,40% quatro semanas atrás. ainda houve previsão de ligeira desaceleração dos preços administrados em 2018. o mercado financeiro para o indicador este ano foi de 4,90% para 4,80%. para 2019, a mediana seguiu em 4,50%. há um mês, o mercado projetava aumento de 4,94% para os preços administrados neste ano e elevação de 4,50% no próximo ano.

O acordão da Previdência


12/04/2019

Como uma espécie de Davos à brasileira, o 18º Fórum do LIDE reuniu, de forma inédita, governadores, parlamentares, empresários e o Executivo para fecharem questão em torno de mudanças na aposentadoria, no maior pacto federativo já visto sobre o tema. Agora é possível que a Reforma saia de uma vez do papel

O ministro Paulo Guedes e o presidente da Câmara Rodrigo Maia tocam instrumentos diferentes na sinfonia do poder, mas nada impede que atuem na mesma orquestra quando a partitura interessa a todos. No caso, a tão decantada e ainda aguardada Reforma da Previdência. Semanas a fio, de uns tempos para cá, os dois estão compondo, afinados, a banda de articulações que tenta a aprovação da proposta, ainda no primeiro semestre se tudo correr bem. Marcam quase todos os dias conversas fechadas nos gabinetes do Parlamento e do ministério para acertar pontos ainda pendentes. Seguem juntos para conversas com as bancadas dos partidos e com públicos e plateias os mais variados. Tratam de ajustes pontuais no texto e no calhamaço de estatísticas para chegar ao número mágico pretendido de uma economia na casa de R$ 1 trilhão em dez anos.
E trocam elogios mútuos quando se referem à disposição do interlocutor para aceitar sugestões. Viraram, por assim dizer, verso e emenda do mesmo refrão. Na semana passada, os dois e mais o presidente do Senado David Alcolumbre – que também dá corda à cantilena da Reforma – além de portentos empresariais, ministros, congressistas e seis governadores se reuniram em um encontro tão representativo como inequívoco na demonstração de força e sintonia em torno do tema. Na 18º edição do Fórum Empresarial do LIDE, dessa vez realizado em Campos do Jordão, interior de São Paulo – com um formato e dinâmica que lembram em muito as conferências globais de Davos -, todos pareciam sinceramente ávidos por enfrentar o impossível para chegar lá (ou, pelo menos, o aparentemente impossível, dado que sai governo, entra governo, ninguém consegue emplacar a ideia) com uma espécie de bloco coeso de apoio, integrado por camadas de diversos setores comprometidos com a retomada econômica. Foi um ponto de inflexão importante nessa trajetória de idas e vindas daquela que é, de fato, a principal pauta lançada sobre as mesas de deputados e senadores neste ano. Até aqui não havia ocorrido ainda uma reunião tão ampla e diversificada de agentes envolvidos com a reforma. Na batuta da mobilização, o governador de São Paulo, João Doria, funcionou ali como uma espécie de intermediador de interesses, sem tomar lados, uma vez que o intuito geral era o de fechar a agenda comum pelo engajamento para ajudar no rito da aprovação. “Não há mais o que esperar, o Brasil precisa o quanto antes dessa reforma, o recado ficou claro e vamos trabalhar em conjunto por ela. Articulem-se, sejamos todos ativos nessa direção”, convocou Doria, que há quase duas décadas idealizou os fóruns anuais (ainda organizados pelo grupo que leva o seu nome e do qual se desligou desde que entrou para a política, deixando a direção a cargo de uma banca de profissionais). De uns tempos para cá, no comando da máquina paulista, Doria procurou ser uma espécie de fiador de entendimentos nesse sentido, se esforçando como poucos para reunir, inclusive na própria casa, vários dos personagens da complexa negociação. Foi assim na semana passada quando recepcionou o vice-presidente General Mourão e sugeriu alguns encontros entre ele e os governadores dos demais Estados para ouvir as necessidades de cada um, e ao receber também o presidente do Supremo Tribunal, Dias Toffoli, que reagiu entusiasmado ao convite: “estou há 10 anos no STF e nunca ninguém me chamou para uma conversa como essa e o senhor faz isso justo no momento mais decisivo do País”, disse ao anfitrião. No ponto alto das rodadas de tratativas que entabulou pela reforma, Doria resolveu falar a respeito tanto com o presidente Bolsonaro como com o deputado Maia para aparar arestas, tal qual um bombeiro que percebe a fumaça a tempo de controlar o incêndio. É um trabalho de diplomacia que vem fazendo a diferença. No Fórum de Campos, ele dobrou a aposta. Lá, de certa forma, estavam colocados inúmeros papeis estratégicos disponíveis a cada um dos participantes para o sarau de negociações. Para quem viu de fora foi possível alimentar razoável otimismo sobre a costura de saídas para o impasse previdenciário. Basta compreender a função dos protagonistas daqueles tête-à-tête e a dimensão de um encontro como o de Campos, quando esses senhores reservaram o final de semana para juntos debater e firmar denominadores comuns.
“Não há mais o que esperar. O Brasil precisa o quanto antes dessa reforma” João Doria, governador de São Paulo
Existiam diferenças? Claro. Incontornáveis? O desenrolar do evento acabou demonstrando que não. Lado a lado, sem intermediários, os participantes acabaram por fechar convergências em vários aspectos. E isso fez toda diferença na evolução dos ânimos quanto à entrega ao País de uma reforma verdadeiramente eficaz. O clima de hostilidade de outras ocasiões foi superado e análises consistentes sobre crise fiscal, reorientação de receitas e passos complementares na área das privatizações e do ajuste no Sistema “S” pontificaram sem maiores resistências. Os governadores, por exemplo, estão muitos deles em situações calamitosas de caixa. Não sabem como seguir um ano sequer a mais com o atual quadro de vinculações orçamentárias para a rubrica das pensões, bem mais salgadas no campo da atividade pública se comparadas às da iniciativa privada. Deram ali esse testemunho e reforçaram a carga de pressão sobre os representantes do Legislativo presentes. Prefeitos, deputados e senadores que foram ao Fórum, dentre os quais Antonio Carlos Magalhães Neto, de Salvador, e Nelson Marchezan, de Porto Alegre, repisaram o alerta da inanição dramática de verbas nas respectivas regiões para bancar o compromisso. Cada uma das vozes serviu de caixa de ressonância direta sobre os feitores da costura do projeto, dispostos de maneira genuína a escutar e ajustar excessos.
Ministros como o responsável pela pasta da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, trouxeram sua contribuição mostrando os esforços em andamento para a recomposição de receitas. Freitas listou um balanço de leilões que repassaram, dentre outras estruturas, inúmeros terminais portuários, ferroviários e aeroportos. No total, em 60 dias, 23 ativos mudaram de mãos, do Estado para a iniciativa privada, gerando resultados bilionários que vão ajudar no resgate da saúde financeira da União. Longe dali, até a ala militar, através dos generais Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança, e Eduardo Villas Bôas, ex-comandante-geral do Exército, saíram em busca de apoio para as mudanças nas aposentadorias e serviram de promotores do tema em convescote no final de semana com um grupo de governadores liderados por Ronaldo Caiado, de Goiás. Caiado esteve ainda no pelotão dos participantes do Fórum.

Um pacto federativo

Mas vamos nos ater aos principais protagonistas dessa espécie de pacto federativo que ocorreu durante as rodadas de Campos – e não se pode chamar de outra coisa uma sinalização conjunta de ideias em torno da Reforma. Maia e Guedes exerceram no encontro a condição de maestros da pacificação. Por mais que opositores e críticos do Governo tentem desmerecer o escopo do projeto, a dupla de seus defensores tem acertado não apenas no diagnóstico da crise como na receita para saná-la. Tal qual padarias mal administradas, o Tesouro Nacional mergulhou há muito tempo no vermelho e já teria ido à falência se estivesse no ramo comercial – principalmente devido aos desembolsos descomunais que realiza para arcar com a Previdência, na casa dos R$ 720 bilhões ao ano. Os arautos da reforma estão juntos conversando com os interlocutores para demonstrar por A mais B que o único jeito de consertar a situação e evitar o desfecho trágico passa por uma reformulação completa do sistema de gastos sob essa rubrica. “Tenho a minha absoluta tranquilidade, fora dos ruídos aqui e ali, quanto à dinâmica maior dos eventos. Para mim é claro que a continuar nessa marcha estaremos indo para a desordem da forma mais organizada que já vi”, alertou Guedes ainda na sexta-feira 05 a uma plateia de atentos ouvintes. “As pessoas estão irritadas e ansiosas porque vivemos uma crise há quase cinco anos e precisamos da reforma para mudar esse estado de coisas”, reforçou Maia. Os dois estão pedindo ao Congresso celeridade. Essa é uma providência habitualmente perseguida pelos governantes, mas a missão de cobrá-la e negociá-la foi tão mal recebida pelo mandatário que ambos decidiram tomar a frente do processo. Diga-se de passagem que os brasileiros acompanham desde o início, com certa sofreguidão, o desenrolar dos acordos. Em um primeiro momento majoritariamente contra a perda de benefícios perceberam que seriam os principais prejudicados, ou no mínimo seus filhos, pela falta de uma solução estrutural. A história revelou que, a rigor, a curva de contribuintes e de beneficiários se inverteu dramaticamente com o avanço da população idosa – fenômeno que, por aqui, assumiu contornos de calamidade na equação. O resultado a que se chegou, com risco de calote generalizado dos pagamentos em até três ou quatro anos, pode ter contribuído para a mudança dos humores da população a favor de um ajuste. Pesquisa da XP Investimentos divulgada recentemente mostrou que 65% dos entrevistados se colocam agora a favor da reforma. O aval serviu de senha para que o ministro Guedes tomasse novo fôlego após o bombardeio de ataques que sofreu da bancada do atraso na Câmara. Ah, as contradições da democracia! Se há 15 dias Guedes perdeu a paciência com um auditório dominado por arrivistas que o exauriram em seis horas de depoimento, nas apresentações de Campos, logo após, ele teve que seguidamente interromper as mesmas explicações em virtude dos aplausos de convertidos, inebriados com a clareza dos argumentos. Dois públicos, duas reações absolutamente distintas. A soma das sessões lhe dá ainda assim um quórum altamente favorável à cruzada que empreende. De Posto Ypiranga a “tchutchuca”, Tigrão ou czar da economia, Guedes conheceu todos os mimosos epítetos com que o brindaram na trajetória de andarilho atrás de votos pela Previdência, mas segue indiferente, talvez porque costuma colocar a causa acima dos contratempos. Disse isso em Campos: “vou me irritar com o que? Tem uma minoria que fica batendo bumbo, problema deles.
“As pessoas estão ansiosas e irritadas porque vivemos uma crise há quase cinco anos e precisamos da reforma para mudar esse estado de coisas” Rodrigo Maia, presidente da Câmara
A minha expectativa da classe política é a melhor possível, a construtividade do Maia, do Doria e de muitos outros reforça a minha convicção de não recuar. Sem recuo e sem rendição”, estabeleceu o ministro. Seu companheiro de batalha, Rodrigo Maia, que compartilha da mesma fama de pavio curto, sempre com uma resposta na ponta da língua, tem um pé cautelosamente atrás e o outro lado a lado com o de Guedes. “Perdi a condição de cumprir um papel de articulador porque fui mal compreendido, mas se a gente quer reformar o Estado precisamos agora de um pacto onde a Previdência é o primeiro item”, afirma. Maia tem surpreendido positivamente como um autêntico embaixador da reforma no Congresso. Até Guedes reconhece isso. Com seu estilo carrancudo, parrudo, mas competente em todos os sentidos, o presidente da Câmara virou o fiador do projeto, mesmo que o presidente Bolsonaro inicialmente não o tenha enxergado assim. Já no segundo mandato, com assento cativo no comando da Câmara pelos próximos dois anos, não há mais dúvidas de que ele participará das decisões-chaves do que mudar e do que manter na estrutura da proposta (leia quadro) e, aos interlocutores, Maia vem enviando sinais de que não se furtará da missão de harmonizar a Casa, buscando uma solução que elimine os privilégios em qualquer direção: dos servidores públicos aos militares. É aí que a coisa pode pegar. No Executivo se coloca como assunto fechado o tratamento diferenciado para a caserna, com um regime especial de Previdência.
“A gente pode enveredar já pelo caminho certo da reforma porque a convicção de sua importância nunca foi tão acentuada” André Esteves, presidente do BTG Pactual
O Congresso discorda e Maia precisará atuar como apaziguador. Guedes, de sua parte, tem um tom mais incisivo sobre o assunto. Disse na Comissão de Constituição e Justiça, dias antes, que cabe aos parlamentares a coragem de mudar ou não o modelo sugerido para os aposentados de farda. No íntimo ele torce pela revisão para reforçar as chances da economia na casa do trilhão. Sempre preciso na exposição dos motivos, Guedes não arreda pé do ouvido do presidente e atende quando pode demandas como a dos militares. Nesse pormenor, no entanto, ele foi menos enfático – talvez por não estar plenamente a favor – e assim deixou de transmitir explicações convincentes na defesa da categoria. O mesmo não aconteceu quando o item abordado foi o esquema de “capitalização” para as gerações futuras que entrarão daqui por diante no sistema. Com essa via Guedes advoga que serão criados milhares de empregos rápidos em virtude da “desoneração dramática” (expressão dele) dos encargos trabalhistas. Bolsonaro mostra resistência, parlamentares idem, governadores como Doria e Eduardo Leite (RS) apoiam e Guedes se equilibra insistindo na alternativa. De todo modo, o ministro tem se consagrado como referência quando se fala do lado bom do Governo.
Com o seu estilo surpreendente, brilhante e obstinado virou o estrategista-chefe do acordo em andamento. E ainda bem que está sendo bem-sucedido na empreitada. Desenho estatístico de um País que caminha a fortes solavancos, os índices de aposentadoria por aqui dizem respeito a uma velha tragédia nacional – a de não se preparar para o envelhecimento da população. As estatísticas indicam que ocorreu em curtíssimo espaço de tempo aquilo que muitas pessoas temiam: o risco da insolvência do sistema, que se tornou inviável há alguns anos e que agora consome boa parte do orçamento federal. Como pontua Guedes, devido aos estouros bilionários desse modelo os brasileiros ficaram literalmente atolados. “Carimbamos os recursos, vinculamos os gastos e assim reconstruímos uma Europa por ano para ficar no mesmo lugar. R$ 4 trilhões de receita equivale a um Plano Marshall por ano”. O economista se refere ao valor do PIB e o compara ao plano de ajuda financeira das nações destruídas pela II Grande Guerra. Os desembolsos realizados atualmente sangram quase três quartos das receitas públicas disponíveis. Em bom português: não sobra nada, ou quase nada, para o resto. Com uma escalada vertiginosa e ininterrupta do problema. Em sua infelicidade burocrática, o Brasil está enredado numa armadilha da qual precisa se livrar urgentemente.
Os empresários que desembarcaram em peso no foro estão unanimemente convencidos de que não há outra saída que não a da reforma já. “quantas vezes vimos essa discussão ser colocada à mesa e adiada por falta de disposição política? Agora o quadro parece diferente”, disse o presidente da MAN, líder na produção de caminhões no Brasil, Roberto Cortes. “O que temos de notar é que há no momento uma vontade geral na busca por convergência sobre a questão”, endossou o presidente da gigante nacional do aço CSN, Benjamin Steinbruch. “A Reforma garante a solvência do estado brasileiro no futuro, sem isso entramos numa sociedade à beira da falência”, pontuou Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco.

Vozes em Uníssono

Nessa ala que responde pela produção e, na prática, é quem faz a roda girar para os resultados auspiciosos do Produto Interno Bruto, não foram poucas, nem isoladas, as vozes pedindo a solução urgente. Engrossaram o coro personagens como Michael Klein, que construiu a rede varejista Casas Bahia e no momento dedica-se ao setor de aviação, José Luiz Gandini, da Kia Motors e dirigente da associação de importadores de veículos, Claudio Lottenberg, que preside a líder de planos de saúde Amil e Manfredo Rübens, presidente da gigante química Basf. Ali, naqueles dias de agitação sectária que tomou a aprazível cidadezinha de Campos, com ares de recanto europeu, eram ao menos 700 CEOs, financistas e executivos de grandes conglomerados batendo ponto e empenhando aval na composição da Previdência. “Potencialmente, pelo que tratamos aqui, a gente pode enveredar já pelo caminho certo da reforma porque a convicção de sua importância nunca foi tão acentuada”, convocou o fundador e presidente do conselho do BTG Pactual, André Esteves. O Chairman do LIDE, Luiz Fernando Furlan, definiu em uma parábola o que considera como uma fase de transição: “Se queremos pular para um novo Brasil, esse é o caminho”. Do contrário, como pontua o governador Doria, qualquer impulso de retomada estará comprometido. “Sem a reforma, estados, municípios e o próprio Governo Federal entrarão em um caos, com a falta de recursos para o pagamento de serviços básicos de saúde, educação e segurança entre outros”. É melhor não arriscar.

“A Reforma garante a solvência do estado no futuro. Sem isso, entramos numa sociedade à beira da falência” Luiz Carlos Trabuco, Bradesco

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989