29/08/2018

Prospecção inteligente de clientes é tema de palestra em Ipatinga

 como manter a saúde financeira na área de seguros durante um período de crise econômica? o que fazer para prospectar novos clientes e crescer mesmo em cenário de aparente queda de vendas? como o marketing de relacionamento pode ser aplicado para otimizar as relações com clientes e converter confiança em vendas? essas perguntas foram abordadas na palestra “prospecção inteligente de clientes para seguros de a a z”, promovida pelo sindseg mg/go/mt/df, na última quinta-feira (23/8). segundo o palestrante sérgio ricardo de magalhães souza, para que as seguradoras cresçam, é necessário que os métodos de prospecção e abordagem de clientes se renovem e sejam pensados de forma estratégica. “hoje as pessoas estão muito preocupadas em vender e esquecem que essa venda é a solução de problemas para um cliente. esquecem o básico, que a venda de seguros é a arte da confiança. os clientes vêm quando você presta serviços com responsabilidade e passa segurança em seu atendimento” diz. sérgio comenta que o anseio de prospectar novos clientes e fechar novos negócios faz com que alguns profissionais se esqueçam dos clientes “antigos”, que são, muitas vezes, a chave para a manutenção da saúde financeira de uma seguradora. “as pessoas se esquecem de fazer novos negócios com os clientes que já têm. é muito mais fácil vender para eles do que começar uma nova relação do zero. é preciso prospectar os próprios clientes e fortalecer um vínculo de confiança que já existe”. questões como marketing digital, planos de comunicação pautados no relacionamento, funil de vendas e softwares de gestão e planejamento de trabalho, que já são uma realidade palpável no mercado de seguros e não podem ser esquecidas pelas seguradoras, foram questões também abordadas pelo palestrante. “o que eu falo não é nada de muito novo. são coisas simples que todo mundo sabe, mas às vezes se esquece de aplicar.” fonte: sindseg mg via /cqcs
29/08/2018

Os que se dão bem na vida!

 conta uma história que um professor universitário entra em sala de aula e constata que a turma continua conversando, entretendo-se com outros afazeres, sem se dar conta de sua presença, demonstrando desinteresse pela aula. sem chamar a atenção dos alunos, o professor iniciou a narrativa: – bem, conforme as pesquisas informaram somente dez por cento dos alunos que ingressam nas universidades se tornam grandes profissionais, bem como apenas 10% podem pleitear altos cargos no governo e realizar-se profissionalmente. os alunos aos poucos foram se aquietando e passaram a se concentrar na aula, pois ninguém queria fazer parte dos 90% que serão medianos, ficando fora dos 10% que se darão bem. fazendo uma analogia com a previdência privada, somente cerca de 10% da população economicamente ativa do brasil têm uma previdência privada como alternativa ou complemento à previdência social. assim, somente 10% da população terão o privilégio de uma aposentadoria digna e uma velhice financeiramente tranquila. olha, há duas formas de mudança: pela conscientização e pela frustração. mais e mais brasileiros estão trabalhando até morrer porque ainda não se conscientizaram que não dá para viver só do inss. os que se conscientizaram estão nas grandes multinacionais e estatais. gente bem formada e bem informada. quem vocês acham que está acertando? fonte: paraná portal por renato follador
29/08/2018

Candidatos são arrojados com suas finanças

 os candidatos aos cargos em disputa nas eleições distribuem seus investimentos financeiros em produtos considerados conservadores, embora se comportem de forma mais arrojada do que o investidor típico brasileiro, conforme especial...   fonte: agência estado felipe frazão em brasília...   veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/agencia-estado/2018/08/28/candidatos-sao-arrojados-com-suas-financas.htm?cmpid=copiaecola
29/08/2018

Confiança de serviços atinge o maior patamar desde abril, diz FGV

 o índice de confiança de serviços (ics) subiu 1,5 ponto na passagem de julho para agosto, para 89,0 pontos, na série com ajuste sazonal, informou a fundação getulio vargas (fgv). após duas altas consecutivas, o indicador atingiu o maior patamar desde abril deste ano. "o novo aumento da confiança dos serviços em agosto sugere que a fase de queda desse indicador, observada desde o início do segundo trimestre, pode estar chegando ao fim, reforçando que talvez o momento seja de estabilização da curva de confiança do setor", avaliou silvio sales, consultor do instituto brasileiro de economia da fgv (ibre/fgv), em nota oficial. houve melhora na confiança em 11 das 13 principais atividades pesquisadas. o índice de expectativas (ie-s) avançou 2,9 pontos, para 91,5 pontos, após cinco meses de quedas. já o índice da situação atual (isa-s) se manteve estável em agosto ante julho, aos 86,7 pontos. "as avaliações sobre a situação corrente dos negócios apontam para uma estabilidade, enquanto as expectativas apresentam, pela primeira vez em cinco meses, um avanço na margem em agosto. com isso, permanece a sinalização de uma recuperação moderada na atividade para os próximos meses", completou sales. a maior contribuição para a alta do ie-s em agosto foi do componente que mede a demanda para os próximos três meses, com elevação de 3,5 pontos, para 91,4 pontos. no isa-s, houve aumento de 0,9 ponto do item que mede o volume de demanda atual, mas queda também de 0,9 ponto no componente que avalia a situação atual dos negócios. o nível de utilização da capacidade instalada (nuci) do setor de serviços caiu 1,0 ponto porcentual em agosto, para 80,7%, o menor patamar da série histórica. a coleta de dados para a edição de agosto da sondagem de serviços foi realizada entre os dias 1º e 24 do mês.   jornal do comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2018/08/646181-confianca-de-servicos-atinge-o-maior-patamar-desde-abril-diz-fgv.html)
27/08/2018

O CVG-RS reúne mercado de seguros em noite de festa para os destaques do segmento

 o grupo aspecir e a união seguradora estiveram presentes a este grande evento realizado pelo clube de seguros de vida e benefícios do rio grande do sul que todo ano elege os destaques do mercado de seguros. o evento ocorreu na última sexta-feira (24) na associação leopoldina juvenil, em porto alegre (rs). representando as empresas do grupo aspecir: joão carlos lock, antônio coutinho, marco rocha e maurício dória. corretor convidado, rafael heck machado da wgseg – administradora e corretora de seguros ltda. para o grupo, a entidade é sempre impecável na realização desta grande festa que valoriza e reconhece o trabalho realizado no mercado de seguros. os destaques da noite: categoria seguradora – previsul. recebeu o prêmio, andreia araújo, diretora de negócios da companhia representando o presidente da empresa, renato pedroso. para andreia, receber este prêmio é o reconhecimento de um trabalho que é feito com muito afinco, amor e dedicação de uma equipe que está sempre se reinventando e focando muito na questão de inovação, sem esquecer o mais importante que é a proximidade com o corretor. categoria executivo - andreia araújo: “ganhar entre profissionais tão importantes que eu tenho como referência e que eu admiro, significa muito para mim. é um momento muito feliz receber este prêmio, principalmente com as pessoas que vem nesta jornada comigo”. categoria comercial de seguradora - a executiva especialista no segmento vida da sompo seguros, estela formiga. “eu acredito que o mais importante é o comprometimento com que se desempenha este trabalho tão nobre que é falar sobre proteção, que é o que o seguro de vida traz. então eu vejo que o grande segredo é estar comprometido com o que acreditamos, o que eu faço diariamente”, afirmou. categoria corretora de seguros - ksa corretora de seguros. recebeu o prêmio o gestor jean figueiró que declarou que ganhar um troféu é um conjunto de circunstâncias do relacionamento que existe com as pessoas do mercado, do comportamento e empenho e que o primeiro passo é ter um sonho e depois ir atrás disso através de muito trabalho. categoria prestador de serviços - cjosias e ferrer advogados, que recentemente completou 35 anos. para carlos josias menna de oliveira, sócio da empresa, há 35 anos atrás já era possível imaginar o sucesso do escritório atualmente. e, acrescenta: “digo isso porque tudo aquilo que fazemos com paixão e dedicação, e se nos cercamos de pessoas do bem, não há como dar errado”. a entidade destaque foi a escola nacional de seguros. “quando uma escola ganha um prêmio, o mercado está dizendo alguma coisa. ele está premiando a ele mesmo, à educação dele”, salientou a coordenadora da unidade rio grande do sul da entidade, jane manssur. nilo molina, presidente do conselho de administração da mongeral aegon e do instituto de longevidade mongeral aegon, foi eleito pela diretoria do cvg-rs como personalidade do ano. “considero que 2017 como o primeiro ano da história do seguro no brasil que o seguro de vida risco foi mais importante em termos de prêmios do que seguro de automóvel, e isso já se repetiu no primeiro semestre deste ano. isso significa que o seguro de automóvel tem a ver com a sociedade e esta sociedade está mudando”, finalizou molina, que foi um dos pioneiros do mercado brasileiro de previdência privada, somando notáveis contribuições ao ramo de vida. o grupo aspecir parabeniza a todos os premiados e, principalmente, ao cvg-rs pela iniciativa, desenvolvimento e crescimento desse evento tão importante para o mercado segurador.
27/08/2018

Seguro de vida e previdência: Susep fará mudanças na tábua biométrica

 a susep vai colocar em consulta pública minuta de circular que irá estabelecer novas regras para a adoção de tábua biométrica específica na estruturação de planos de seguros de pessoas e previdência complementar com coberturas de risco. profissionais e entidades do mercado interessados nessa questão poderão enviar sugestões até o dia 06 de setembro, por meio de mensagem dirigida ao endereço eletrônico copep.rj@susep.gov.br de acordo com a susep, o texto da minuta já está disponível na página da autarquia para ciência e, se for o caso, apresentação de comentários e sugestões. fonte: cqcs
24/08/2018

Confira os investimentos que podem ajudar você a ter uma aposentadoria tranquila

  especialistas destacam que os trabalhadores devem se preparar financeiramente para garantir uma vida confortável no futuro a boa previdência é mais do que subsistência. o que os especialistas preconizam é que as pessoas se preparem para viver uma vida confortável — e que comecem o quanto antes a traçar este plano e a colocá-lo em prática.  — a aposentadoria tranquila é a que vai manter o estilo de vida atual ou garantir o almejado. quanto antes se começar a construí-la, melhor. o ideal seria que, desde o primeiro salário, a pessoa já fosse guardando, porque quanto mais cedo, menor o esforço para juntar o mesmo patrimônio — avalia o educador financeiro adriano severo. assim, preparar-se para uma aposentadoria tranquila vai além de contribuir para o instituto nacional do seguro social (inss). levantamento recente do serviço de proteção ao crédito (spc brasil) e da confederação nacional de dirigentes lojistas (cndl) apontou que para 38% dos brasileiros, o valor a ser recebido do inss não será suficiente para o sustento. diante do cenário incerto quanto à possibilidade reforma da previdência, cabe começar desde já. confira, abaixo, dicas de especialistas para desfrutar do resultado de décadas de muito trabalho e,  com sorte, planejamento financeiro. veja como se preparar tipos de investimentos para garantir uma aposentadoria tranquila dicas para se planejar para a aposentadoria calcule seu objetivo como em qualquer outro investimento, mover fundos para a previdência requer que se estabeleça um objetivo. só assim será possível definir uma estratégia para, ao longo dos anos, compor a carteira de investimentos que garantirá esse sonho. — se meu padrão de vida depende de r$ 2 mil mensais, o patrimônio que eu preciso para que uma rentabilidade de 1% ao mês pague meu padrão é de r$ 200 mil. sendo mais pé no chão, se espero rentabilidade de 0,5%, preciso de patrimônio de r$ 400 mil. quanto antes consigo ir diluindo a construção desse patrimônio, melhor, considerando que também faço ele render ao meu favor — explica o educador financeiro rogério cauduro. comece já a se preparar o “quanto mais cedo melhor” é muito bem ilustrado pelo caso que o educador financeiro e autor de best-sellers sobre o assunto gustavo cerbasi gosta de contar em seus cursos e palestras: — se um casal, no nascimento de um filho, começa a poupar r$ 100 por mês para pagar a faculdade do filho no futuro, e consegue ganho fictício de 10% ao ano (viável com investimentos tanto em renda fixa quanto em renda variável), aos 18 anos do filho, esses r$ 100 reais por mês vão se transformar em r$ 56 mil. ao chegar na faculdade, caso o jovem consiga pagá-la trabalhando, obtenha uma bolsa ou entre em uma universidade pública, e siga investindo esse valor (que daria para pagar, no máximo, dois anos de uma boa faculdade) para ganhar 10% ao ano, aos 50 anos, esse filho terá r$ 1,2 milhão. esse ganho exponencial vai se acumulando. com 60 anos, dá mais de r$ 3 milhões. com 70, mais de r$ 8 milhões. previdências são complemento a previdência privada é o primeiro investimento que vem à cabeça quando se fala em complementar a aposentadoria. os especialistas entrevistados para o caderno consideram um desperdício concentrar todos os investimentos para a aposentadoria em um plano do tipo, mas ele pode compor uma carteira com outros investimentos. a diversidade será chave para reduzir o risco e aumentar os rendimentos. os dois tipos principais são: vgbl: também funciona como seguro de pessoa. é indicado para quem faz a declaração simplificada do imposto de renda (ir). não permite abater os aportes do ir, porém, ao fim do período, serão tributados somente os rendimentos. pgbl: é um plano de previdência complementar, indicado para quem faz a declaração completa do ir. permite abater do ir os aportes, até um limite de 12% da renda anual bruta tributável do investidor.
24/08/2018

Por que o brasileiro não pensa em aposentadoria; e como investir para chegar lá

 é uma regra simples: quanto maior o tempo de contribuição, menor será o valor mensal poupado. mas por que as pessoas não pensam no seu futuro financeiro?    por que o brasileiro não pensa em aposentadoria; e como investir para chegar lá - infomoney veja mais em: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/aposentadoria/noticia/7581813/por-que-o-brasileiro-nao-pensa-em-aposentadoria-e-como-investir-para-chegar-la
24/08/2018

Projeto permite que corretores de seguros atuem em licitações públicas

 proposta em análise na câmara dos deputados autoriza o corretor de seguros, pessoa física ou jurídica, a participar de processos licitatórios como intermediário de contratos entre seguradoras e entidades e órgãos do setor público. é o que determina o projeto de lei 9129/17, do deputado lucas vergilio (sd-go). atualmente, a lei que regulamenta a profissão de corretor de seguros (lei 4.594/64) já prevê autorização para que corretores atuem também na área pública. ocorre que, com a publicação do decreto-lei 73/66, com status de lei complementar, a expressão “direito público” foi suprimida do texto, passando, na prática, a vedar a atuação de corretores de seguros em processos licitatórios. “é fundamental permitir que corretores de seguros localizados em quase todos os municípios do país possam usar sua expertise para auxiliar sociedades seguradoras e entidades públicas nos processos licitatórios”, disse o autor. sem ônus pelo projeto de lei 9129/17, o corretor de seguros poderá participar, intervir e figurar em qualquer fase do processo licitatório no setor público, em conjunto com a empresa seguradora, ficando especificado e definido em edital ou termo de referência quais suas obrigações e responsabilidades, sem implicar ônus remuneratórios para a parte licitante. caberá ao órgão licitante escolher o corretor de seguros de sua preferência, de acordo com aptidões técnicas e especialidades nas modalidades de coberturas licitadas, devendo, inclusive, figurar no edital ou no termo de referência. a supervisão e a fiscalização das atividades do corretor de seguros serão feitas pela entidade autorreguladora do mercado da corretagem de seguros, resseguros e previdência complementar aberta, na condição de órgão auxiliar da superintendência de seguros privados (susep). código de ética para atuar em licitações, o corretor deverá estar inscrito e credenciado na entidade autorreguladora e se sujeitará ao cumprimento do código de ética e do estatuto dessa entidade. a remuneração pelos trabalhos técnicos especializados e auxiliares será de inteira responsabilidade da sociedade seguradora, e será considerada como despesa administrativa. a permissão se refere a seguros de bens, direitos, créditos e serviços dos órgãos centralizados da união, das autarquias, sociedades de economia mista e demais empresas ou entidades controladas direta ou indiretamente pelo poder público federal e abrange ainda o resseguro, que é o seguro da seguradora para cobrir riscos que ela assumiu perante os segurados. tramitação o projeto será discutido e votado de forma conclusiva nas comissões de trabalho, de administração e serviço público; de finanças e tributação; e de constituição e justiça e de cidadania. íntegra da proposta:pl-9129/2017 fonte: agência câmara notícias

Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas


08/02/2019
O governo estuda diferentes propostas de reforma da Previdência. Uma delas foi vazada nesta semana, mas não se sabe se será a definitiva. Duas outras ideias avaliadas pelo governo concedem a todas as pessoas que completem 65 anos o direito de ganhar uma aposentadoria básica, de até R$ 700, mesmo que nunca tenham contribuído para a Previdência. Mas como funcionaria na prática?
Hoje, a grande maioria dos trabalhadores não tem direito a nada caso seu tempo de contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) seja inferior a 15 anos.

RENDA BÁSICA DO IDOSO

As propostas de uma “renda básica do idoso”, como têm sido chamadas, garantem um piso simbólico a todos, com valor um pouco inferior ao salário mínimo. Deixa de existir um período mínimo de contribuição: todos partem desse mesmo piso e, para cada ano contribuído, ganha-se um aumento proporcional na aposentadoria final a ser recebida, até o teto estipulado.
Por outro lado, as idades mínimas para se aposentar e o tempo de contribuição para chegar ao teto seriam maiores do que hoje. O teto (R$ 5.839 em 2019) também pode ficar mais baixo, sendo complementado por um regime de capitalização, sistema em que cada trabalhador faz uma espécie de poupança para a própria aposentadoria.

BENEFÍCIO MÍNIMO DE R$ 550 A R$ 698,60

Há duas propostas com o modelo de aposentadoria mínima: uma foi capitaneada pelo ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga e o economista Paulo Tafner, e a outra é assinada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) em parceria com as entidades de seguros e previdência privada FenaPrevi, Abrapp, CNSeg e ICSS.
Na proposta de Fraga e Tafner, a renda básica seria de 70% do salário mínimo (R$ 698,60 em 2019) e, na da Fipe, de R$ 550 em valores de hoje –equivalente a um quarto da renda média do país, atualmente próxima de R$ 2.200 por mês, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
A proposta de Fraga pode ter algum peso porque ele participa de um conselho consultivo sobre Previdência criado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com participação de economistas independentes.

“BASTA PROVAR QUE ESTÁ VIVO”

“Basta ter 65 anos, ir ao INSS e provar que está vivo”, disse Tafner, que também é pesquisador da Fipe. Segundo ele, a aposentadoria básica ajuda a limpar distorções e injustiças. “A pessoa que chega aos 65 anos com 10 ou 13 anos de contribuição não recebe nada”, disse.
É uma situação, segundo ele, especialmente comum entre os mais pobres, que passam mais tempo na informalidade ou desempregados se comparados a pessoas com escolaridade e níveis de renda mais altos.

PARA GANHAR MAIS, É NECESSÁRIO CONTRIBUIR

“É um benefício não contributivo, universal e incondicional”, disse o economista Hélio Zylberstajn, coordenador da proposta de reforma da Previdência apresentada pela Fipe.
Mas ter o direito a um benefício sem precisar fazer nada não vai desestimular as pessoas a contribuir com a Previdência ao longo da vida? “É por isso que o valor é pequeno”, afirmou Zylberstajn, que é pesquisador da Fipe e professor da Faculdade de Economia da USP (Universidade de São Paulo). “Se a pessoa quer chegar aos 65 anos e viver com mais de R$ 550 por mês, ela vai ter que contribuir.”

RENDA MÍNIMA ENTRARIA NO LUGAR DO BPC

Atualmente, é o BPC (Benefício de Prestação Continuada) que cumpre, em parte, essa função: ele garante uma aposentadoria básica, no valor de um salário mínimo, a deficientes e idosos de baixa renda. Também não é necessário ter contribuído para ter direito ao benefício. Nas duas propostas, o BPC deixa de existir. Deficientes também têm direito a recebê-la, independentemente de contribuições.
A diferença é que, se por um lado, muito mais pessoas receberiam o benefício, por outro, ele seria menor. É essa redistribuição dos recursos que garante o benefício universal sem que o déficit da Previdência aumente.
Além disso, ambas as propostas garantem economias mais profundas em outras frentes do sistema, com idades mínimas maiores do que as atuais (iriam para 65 anos para homens e mulheres), regras menos generosas para pensões e benefícios mais rigorosos para servidores públicos e militares.

COMO SERIA A RENDA BÁSICA DO IDOSO:

Na proposta Fraga/Tafner:
  • Valor: R$ 698,60 (70% do salário mínimo de 2019)
  • Reajuste anual: Pela inflação
  • Quem teria direito: Qualquer pessoa acima dos 65 anos e deficientes
  • Válida a partir de quando: Para aqueles que se aposentarem a partir do ano em que a reforma entrar em vigor
  • Teto da aposentadoria: R$ 3.952,07, chegando a R$ 5.645,81 (em valores de 2018) com o regime de capitalização
  • Idade mínima para aposentar: 65 anos para homens e mulheres
  • Tempo de contribuição para receber o teto: 40 anos (reduzido em até três anos para mulheres com filhos; quem tiver direito ao teto máximo e colaborar por mais de 40 anos, pode receber acima dos R$ 5.645,81 em proporção ao tempo extra de colaboração)
Na proposta da Fipe:
  • Valor: R$ 550 (em valores de 2018)
  • Reajuste anual: Pela inflação
  • Quem teria direito: Qualquer pessoa acima dos 65 anos e deficientes
  • Válida a partir de quando: Para nascidos a partir de 2005
  • Teto da aposentadoria: R$ 2.200 (em valores de 2018), podendo ser ampliado individualmente com o regime de capitalização, em proporção à renda recebida
  • Idade mínima para aposentar: 65 anos para homens e mulheres
  • Tempo de contribuição para receber o teto: 40 anos (35 anos para mulheres com filhos)(As informações são do portal UOL)
Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.
Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?
Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Fonte: Jornal Contábil

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989