02/05/2018

Dólar sobe com ajustes e forte dado de emprego privado nos EUA antes do Fed

 o dólar opera em alta frente o real na volta do feriado local, depois do avanço nesta terça-feira, dia 1º, da moeda americana e dos juros dos treasuries no exterior, enquanto os investidores aguardam a decisão de política monetária do federal reserve (às 15h desta quarta-feira, dia 2). a moeda americana no mercado à vista segue acima dos r$ 3,50 e está sob o monitoramento do banco central. na semana passada, o presidente do bc, ilan goldfajn, alertou que a instituição combaterá o câmbio perverso. e na terça, o instituto internacional de finanças (iif) disse que intervenções oficiais dos bancos centrais nos mercados de câmbio podem ser fontes de estabilidade durante períodos de moedas muito voláteis. mais cedo, a consultoria adp informou que o setor privado dos estados unidos criou 204 mil vagas de emprego em abril, acima da previsão de +190 mil. o dado reforça expectativas de um ciclo mais forte de alta de juros pelo fed, além de sustentar as expectativas pelo relatório do mercado de trabalho (payroll) que será divulgado na sexta-feira (4). para o desfecho do fed na tarde desta quarta, não há expectativa de que o bc americano eleve juros agora, mas apenas no encontro de meados de junho, que será seguido por uma coletiva de imprensa com o presidente da instituição, jerome powell. contudo, a inflação medida pelos gastos com consumo (pce) também chegou a 2% ao ano em março e o índice dos gerentes de compras (pmi) da indústria americana subiu para 56,5 em abril, o maior resultado desde dezembro de 2014. com isso e os dados da adp, o comunicado do encontro do fed nesta quarta pode mencionar que a inflação no país está subindo em direção à meta de 2% ao ano, abrindo espaço para um ciclo mais forte de elevação dos juros dos fed funds neste ano. às 9h28min, o dólar à vista desacelerava a alta para r$ 3,5242 (+0,57%). no mercado futuro, o contrato de dólar com vencimento em junho de 2018 indicava ganho de 0,48% neste mesmo horário, aos r$ 3,5350.   jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/05/economia/625011-dolar-sobe-com-ajustes-e-forte-dado-de-emprego-privado-nos-eua-antes-do-fed.html)
02/05/2018

Petróleo opera de lado, após bater máximas recentes

 o petróleo opera sem sinal único, com investidores avaliando o risco de que os estados unidos abandonem o acordo nuclear internacional com o irã. os contratos não mostram fôlego, após fecharem ontem em queda de cerca de 2%, pressionados pelo câmbio e pelo aumento recente na produção dos estados unidos. às 7h59min (de brasília), o petróleo wti para junho subia 0,33%, a us$ 67,47 o barril, na new york mercantile exchange (nymex), e o brent para julho recuava 0,18%, a us$ 73,00 o barril, na ice. há expectativa pela posição do presidente americano, donald trump, sobre a possível volta das sanções contra o irã, caso o governo dos eua recue do acordo nuclear. a decisão deve sair em 12 de maio. na semana passada, o barril do brent bateu máxima desde 2014, o que abriu espaço para a realização de lucros. "tudo dependerá do que trump decida nos próximos dez dias, isso será a principal força" nesse mercado, disse giovanni staunovo, analista de commodities da ubs wealth management. uma retirada do acordo poderia reduzir as exportações iranianas. "menos petróleo do irã significaria uma oferta mais restrita, portanto os preços do petróleo seguiriam bem apoiados", afirmou em nota o commerzbank. nesta semana, o premiê de israel, benjamin netanyahu, emitiu comunicado dizendo que há evidências de que o irã mantém um plano secreto para construir armas nucleares. analistas mostraram-se céticos sobre qualquer revelação de jerusalém, vendo as declarações como uma maneira de encorajar os eua a desistir do acordo. "os comentários dos especialistas foram bem claros, não havia nada novo no que ele comunicou", disse staunovo. os preços do petróleo têm avançado cerca de 10% desde o início do ano, diante das maiores tensões geopolíticas, da queda na produção da venezuela e de reduções na oferta de importantes produtores. nesta quarta-feira, investidores aguardam o relatório semanal de estoques dos estados unidos, às 11h30min.   jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/05/economia/625005-petroleo-opera-de-lado-apos-bater-maximas-recentes.html)  
30/04/2018

Valor publica especial sobre Longevidade

 o valor econômico publica o especial longevidade nesta quinta-feira. conta que em 2030, o número de brasileiros idosos deve chegar a 41,5 milhões, maior do que o de crianças e adolescentes, que deve ficar em 39,2 milhões, segundo projeção do ibge. essa inversão da pirâmide demográfica tende a causar profundos impactos na estrutura social e econômica do país, criando um cenário que desafia governo, empresas e cidadãos. traz matérias que mostram como o mercado segurador tem criado estratégias e produtos para atender a essa nova onda da sociedade mundial. entre elas, uma traz a discussão sobre a reacomodação do sistema de previdência. outra aborda a urgente necessidade da reforma da previdência e uma terceira destaca a estratégia das operadoras de saúde passou a ser cuidar do cliente e não apenas administrar recursos de pagamento de atendimento. leia mais no link: http://www.valor.com.br/especiais/suplemento?tid=185157&date=20180426 fonte: sonho seguro
30/04/2018

Susep divulga seu Plano de Regulação 2018

 documento contempla sugestões da cnseg entre os 46 temas abordados. a susep publicou em 13 de abril a deliberação 206 que aprova o plano de regulação da superintendência para o exercício de 2018. o plano contempla, inclusive, alguns temas não finalizados, constantes no plano de regulação de 2017 (deliberação susep 199.2017), revogado. a portaria susep 7.108, de 20 de abril de 2018, que constitui grupo de trabalho para estudar e propor a revisão da atual regulamentação sobre os prazos para “guarda de documentos” e armazenamento de dados dos mercados supervisionados pela susep, é uma das inúmeras ações da autarquia, para cumprimento do plano de regulação de 2018. uma das propostas sugeridas pela cnseg, e acatadas pelo regulador, foi intensificar os estudos para implementar novo marco legal do “microsseguro”. algumas agendas são dedicadas aos consumidores, como por exemplo, “princípios e política institucional dos mercados supervisionados”, que visa dispor a respeito dos princípios e da política institucional que as instituições autorizadas pela susep a operar no mercado deverão adotar, criar e implementar em sua rotina de relacionamento com clientes e usuário de produtos e de serviços de seguro, previdência complementar, capitalização e resseguro. por fim, vale mencionar que alguns temas já foram concluídos, um exemplo é o “auditor contábil independente”, que visa garantir a atuação efetiva das empresas de auditoria como auxiliares da supervisão, através da dispensa do rodízio das empresas, determinando somente o rodízio da equipe técnica, restando apenas a alteração na resolução cnsp 321/2015. clique para conferir a descrição dos 46 temas do plano de regulação: http://cnseg.org.br/data/files/88/86/f6/a3/c6ef2610b0baec26f98aa8a8/delibera__o%20206-2018%20e%20plano%20de%20regula__o%202018_sei_15414.632896_2017_52.pdf fonte: cnseg
30/04/2018

Ministério da Fazenda descarta privatização do seguro de acidente de trabalho

 a privatização do seguro de acidente de trabalho que vinha sendo discutida há mais de um ano pela equipe de michel temer foi descartada pelo ministério da fazenda, segundo fontes próximas das negociações. “a princípio o tema interessou ao governo porque reduziria uma despesa importante do governo, ainda mais num momento em que se debate que o orçamento para 2019 não tem como cumprir a regra de ouro, que estabelece que o governo não pode se endividar para financiar despesas correntes”, comentou a fonte que pediu anonimato. no entanto, o custo de transferência do seguro de acidente do trabalho não compensaria neste momento de final de governo, acrescentou. até 1967, o sistema funcionava com seguradoras privadas e com o estado. esse tema está em pauta desde o governo de fernando henrique cardoso. em 1996 chegou a ser enviado para o senado, onde foi engavetado. trata-se de uma obrigação contributiva patronal paga pelas empresas e administrada pelo inss. segundo a iniciativa privada, a ideia de privatizar o seguro era ter as seguradoras como gestoras de riscos, com campanhas de prevenção junta às empresas, com alíquotas reduzidas para as empresas que cumprirem normas de segurança criteriosas e penalidades para aquelas que se mostrarem omissas no cuidado com o bem-estar do trabalhador. hoje, segundo se comenta no setor de seguros, o governo não tem como fiscalizar de forma eficaz o que é feito pelas empresas para prevenir acidentes no dia a dia. dados do observatório digital de saúde e segurança e do trabalho, do ministério público do trabalho e pela organização internacional do trabalho, contabilizam de 2012 a 2017 3,9 milhões de comunicados de acidentes, ou 646,6 mil por ano. em 2012 fora o estudo revela ainda que nos últimos seis anos foram gastos r$ 26,2 bilhões com benefícios acidentários, entre eles auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e pensão por morte. essas estatísticas fazem do brasil o quarto país com maior índice de acidentes de trabalho no mundo, superado por china, índia e indonésia, de acordo com a oit. fonte: sonho seguro
30/04/2018

Dívida pública sobe 1,51% e fecha março em R$ 3,6 trilhões

 a dívida pública federal (dpf) – que inclui o endividamento interno e externo do brasil – teve aumento de 1,51%, passando de r$ 3,582 trilhões trilhões em fevereiro para r$ 3,636 trilhões em março, de acordo com o relatório mensal da dívida pública federal, divulgado pela secretaria do tesouro nacional, do ministério da fazenda. esse aumento da dívida, de acordo com o tesouro, ocorreu por conta da emissão líquida de títulos, no valor de r$ 23,95 bilhões, e à apropriação positiva de juros, no valor de r$ 30,23 bilhões. dinheiro a dívida pública mobiliária federal interna (dpmfi) – que é a parte da dívida pública que pode ser paga em reais – teve o estoque ampliado em 1,47%, ao passar de r$ 3,456 trilhões para r$ 3,507 trilhões, devido à emissão líquida, no valor de r$ 24,11 bilhões, e pela apropriação positiva de juros, no valor de r$ 26,76 bilhões. o estoque da dívida pública federal externa (dpfe), captada do mercado internacional, teve aumento de 2,64% sobre o estoque apurado em fevereiro, encerrando o mês de março em r$ 128,91 bilhões (us$ 38,78 bilhões), sendo r$ 115,89 bilhões (us$ 34,87 bilhões) referentes à dívida mobiliária e r$ 13,02 bilhões (us$ 3,92 bilhões), à dívida contratual. de acordo com o plano anual de financiamento (paf), a dívida pública poderá fechar este ano entre r$ 3,78 trilhões e r$ 3,98 trilhões. variação do endividamento a variação do endividamento do tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões pela internet (tesouro direto) ou pela emissão direta. além disso, pode ocorrer assinatura de contratos de empréstimo para o tesouro, tomado de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. já a redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos. em março, os maiores detentores da dívida pública eram fundos de investimento, com 29,21% da dívida. os fundos de previdência ficaram em segundo lugar, com uma participação relativa de 22,80%. o grupo previdência apresentou variação negativa em seu estoque, passando de r$ 844,44 bilhões para r$ 799,66 bilhões, de fevereiro para março. em seguida, aparecem as instituições financeiras com 22,39%, grupo que elevou o estoque em r$ 26 bilhões, chegando a r$ 785,23 bilhões. os investidores estrangeiros concentraram 11,84% da dívida; o governo, 4,38%; as seguradoras, 3,85% e outros, 5,53%. por mariana tokarnia – repórter da agência brasil edição: talita cavalcante
30/04/2018

Prazo de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural é adiado

 o prazo de adesão ao programa de regularização tributária rural (prr) foi adiado para 30 de maio próximo. na última sexta-feira (27), a receita federal alertou que o prazo terminaria hoje (30). mas a edição desta segunda-feira do diário oficial da união traz uma medida provisória, assinada pelo presidente michel temer - que aumenta o prazo em 30 dias. a adesão ao programa deverá ser feita na unidade de atendimento da receita federal do domicílio tributário do devedor, sem a obrigatoriedade de agendamento do serviço, informou o órgão. o contribuinte que já aderiu ou que aderir ao programa, além da redução de 100% dos juros, já prevista, terá também reduções de 100% sobre as multas de mora e de ofício. no caso de pessoa jurídica, poderá utilizar créditos de prejuízos fiscais ou de bases de cálculo negativas da contribuição social sobre o lucro líquido (csll) para quitação de parte da dívida. esses benefícios não se aplicam aos 2,5% da dívida correspondentes à entrada, disse a receita. o programa de regularização tributária foi instituído pela lei nº 13.606, de 9 de janeiro de 2018, e permite que as dívidas dos produtores rurais com a fazenda nacional, vencidas até 30 de agosto de 2017, sejam renegociadas em condições especiais, ou seja, mediante o pagamento, sem reduções, de 2,5% da dívida consolidada, em duas parcelas, vencíveis em abril e maio de 2018, e o restante da dívida com redução de 100% dos juros de mora e das multas de mora, observado o seguinte: 1 - se o optante for produtor rural, pessoa física ou jurídica, o restante da dívida será parcelado em 176 meses, e o valor da parcela corresponderá a 0,8% da média mensal da receita bruta proveniente da comercialização da produção rural do ano imediatamente anterior ao do vencimento da parcela. a prestação mínima é de r$ 100; 2 - se o optante for adquirente de produção rural de pessoa física ou cooperativa, o restante da dívida será parcelado em 176 meses, e o valor da parcela corresponderá a 0,3% da média mensal da receita bruta proveniente da comercialização do ano imediatamente anterior ao do vencimento da parcela. a prestação mínima é de r$ 1.000,00.   jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/04/economia/624779-prazo-de-adesao-ao-programa-de-regularizacao-tributaria-rural-e-adiado.html)
30/04/2018

Dólar opera em alta de 0,23% sob influência do exterior

 o dólar iniciou o dia em alta e assim vem se mantendo nesta primeira hora de negociação dos mercados à vista e futuro. a valorização acontece sob influência do cenário internacional, onde a segunda-feira é de fortalecimento generalizado da moeda americana. o último dia de abril tem como destaque a formação da ptax do mês, que será referência para liquidação de contratos futuros de câmbio. um dos principais indicadores esperados para o dia, o índice de preços de gastos com consumo (pce, na sigla em inglês) dos estados unidos avançou 2,0% na comparação anual e ficou estável ante o mês anterior em março, informou o departamento do comércio. o pce é a medida de inflação preferida do federal reserve (fed, o banco central americano), que tem meta de inflação de 2% ao ano. às 9h51min, o dólar à vista era negociado a r$ 3,4707, em alta de 0,23%. no mercado futuro, a divisa subia 0,38% no vencimento de maio, cotada a r$ 3,4700. o dollar index, que mede a variação do dólar ante uma cesta de moedas fortes, tinha alta de 0,32%.   jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/04/economia/624776-dolar-opera-em-alta-de-0-23-sob-influencia-do-exterior.html)
30/04/2018

Taxas de juros têm viés de alta em linha com dólar

 os juros futuros rondam a estabilidade nesta manhã de segunda-feira (30) mas o viés de alta, em sintonia com o avanço do dólar ante o real e a maioria das moedas, em semana de decisão do federal reserve (fed, banco central dos eua) sobre juros e relatório de emprego nos estados unidos. na sexta-feira (27), os juros futuros fecharam em queda, acompanhando o recuo do dólar ante o real, após dias tensos em que os juros dos treasuries de 10 anos romperam os 3% e o dólar à vista chegou a bater a cotação de r$ 3,51 no intraday na última quarta-feira, em meio à percepção de que o fed poderá acelerar o ritmo de alta de juros. essa percepção, no entanto, não alterou a perspectiva de mais um corte de juros no brasil. a curva de juros precificava no fim da tarde de sexta-feira, 74% de chance de redução da selic de 6,50% para 5,25% em maio, de 26% de possibilidade de manutenção da taxa, segundo cálculos da quantitas asset. às 9h11min, o di para janeiro de 2019 subia a 6,215%, na máxima, de 6,214% no ajuste anterior. o di para janeiro de 2020 estava em 6,92%, na máxima, de 6,91% no ajuste de sexta-feira. o vencimento para janeiro de 2021 marcava 7,91%, na máxima, de 7,90%, enquanto o di para janeiro de 2023 exibia 9,13%, de 9,11% no ajuste de sexta-feira.   jornal do comércio (http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2018/04/economia/624775-taxas-de-juros-tem-vies-de-alta-em-linha-com-dolar.html)

Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas


08/02/2019
O governo estuda diferentes propostas de reforma da Previdência. Uma delas foi vazada nesta semana, mas não se sabe se será a definitiva. Duas outras ideias avaliadas pelo governo concedem a todas as pessoas que completem 65 anos o direito de ganhar uma aposentadoria básica, de até R$ 700, mesmo que nunca tenham contribuído para a Previdência. Mas como funcionaria na prática?
Hoje, a grande maioria dos trabalhadores não tem direito a nada caso seu tempo de contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) seja inferior a 15 anos.

RENDA BÁSICA DO IDOSO

As propostas de uma “renda básica do idoso”, como têm sido chamadas, garantem um piso simbólico a todos, com valor um pouco inferior ao salário mínimo. Deixa de existir um período mínimo de contribuição: todos partem desse mesmo piso e, para cada ano contribuído, ganha-se um aumento proporcional na aposentadoria final a ser recebida, até o teto estipulado.
Por outro lado, as idades mínimas para se aposentar e o tempo de contribuição para chegar ao teto seriam maiores do que hoje. O teto (R$ 5.839 em 2019) também pode ficar mais baixo, sendo complementado por um regime de capitalização, sistema em que cada trabalhador faz uma espécie de poupança para a própria aposentadoria.

BENEFÍCIO MÍNIMO DE R$ 550 A R$ 698,60

Há duas propostas com o modelo de aposentadoria mínima: uma foi capitaneada pelo ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga e o economista Paulo Tafner, e a outra é assinada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) em parceria com as entidades de seguros e previdência privada FenaPrevi, Abrapp, CNSeg e ICSS.
Na proposta de Fraga e Tafner, a renda básica seria de 70% do salário mínimo (R$ 698,60 em 2019) e, na da Fipe, de R$ 550 em valores de hoje –equivalente a um quarto da renda média do país, atualmente próxima de R$ 2.200 por mês, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
A proposta de Fraga pode ter algum peso porque ele participa de um conselho consultivo sobre Previdência criado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com participação de economistas independentes.

“BASTA PROVAR QUE ESTÁ VIVO”

“Basta ter 65 anos, ir ao INSS e provar que está vivo”, disse Tafner, que também é pesquisador da Fipe. Segundo ele, a aposentadoria básica ajuda a limpar distorções e injustiças. “A pessoa que chega aos 65 anos com 10 ou 13 anos de contribuição não recebe nada”, disse.
É uma situação, segundo ele, especialmente comum entre os mais pobres, que passam mais tempo na informalidade ou desempregados se comparados a pessoas com escolaridade e níveis de renda mais altos.

PARA GANHAR MAIS, É NECESSÁRIO CONTRIBUIR

“É um benefício não contributivo, universal e incondicional”, disse o economista Hélio Zylberstajn, coordenador da proposta de reforma da Previdência apresentada pela Fipe.
Mas ter o direito a um benefício sem precisar fazer nada não vai desestimular as pessoas a contribuir com a Previdência ao longo da vida? “É por isso que o valor é pequeno”, afirmou Zylberstajn, que é pesquisador da Fipe e professor da Faculdade de Economia da USP (Universidade de São Paulo). “Se a pessoa quer chegar aos 65 anos e viver com mais de R$ 550 por mês, ela vai ter que contribuir.”

RENDA MÍNIMA ENTRARIA NO LUGAR DO BPC

Atualmente, é o BPC (Benefício de Prestação Continuada) que cumpre, em parte, essa função: ele garante uma aposentadoria básica, no valor de um salário mínimo, a deficientes e idosos de baixa renda. Também não é necessário ter contribuído para ter direito ao benefício. Nas duas propostas, o BPC deixa de existir. Deficientes também têm direito a recebê-la, independentemente de contribuições.
A diferença é que, se por um lado, muito mais pessoas receberiam o benefício, por outro, ele seria menor. É essa redistribuição dos recursos que garante o benefício universal sem que o déficit da Previdência aumente.
Além disso, ambas as propostas garantem economias mais profundas em outras frentes do sistema, com idades mínimas maiores do que as atuais (iriam para 65 anos para homens e mulheres), regras menos generosas para pensões e benefícios mais rigorosos para servidores públicos e militares.

COMO SERIA A RENDA BÁSICA DO IDOSO:

Na proposta Fraga/Tafner:
  • Valor: R$ 698,60 (70% do salário mínimo de 2019)
  • Reajuste anual: Pela inflação
  • Quem teria direito: Qualquer pessoa acima dos 65 anos e deficientes
  • Válida a partir de quando: Para aqueles que se aposentarem a partir do ano em que a reforma entrar em vigor
  • Teto da aposentadoria: R$ 3.952,07, chegando a R$ 5.645,81 (em valores de 2018) com o regime de capitalização
  • Idade mínima para aposentar: 65 anos para homens e mulheres
  • Tempo de contribuição para receber o teto: 40 anos (reduzido em até três anos para mulheres com filhos; quem tiver direito ao teto máximo e colaborar por mais de 40 anos, pode receber acima dos R$ 5.645,81 em proporção ao tempo extra de colaboração)
Na proposta da Fipe:
  • Valor: R$ 550 (em valores de 2018)
  • Reajuste anual: Pela inflação
  • Quem teria direito: Qualquer pessoa acima dos 65 anos e deficientes
  • Válida a partir de quando: Para nascidos a partir de 2005
  • Teto da aposentadoria: R$ 2.200 (em valores de 2018), podendo ser ampliado individualmente com o regime de capitalização, em proporção à renda recebida
  • Idade mínima para aposentar: 65 anos para homens e mulheres
  • Tempo de contribuição para receber o teto: 40 anos (35 anos para mulheres com filhos)(As informações são do portal UOL)
Dica extra: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social.
Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana?
Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática: Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Fonte: Jornal Contábil

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989