24/11/2015

VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros

 a exemplo dos últimos meses, a boa performance dos produtos de acumulação financeira como vgbl vem sustentando o crescimento do setor de seguros. de acordo com a edição de novembro da carta de conjuntura do setor de seguros, publicação assinada pelo sincor-sp (sindicato dos corretores de seguros no estado de são paulo), no acumulado dos três primeiros trimestres de 2015, o faturamento do setor de seguros, com vgbl e sem saúde suplementar, conta com alta de 14%. contudo, quando considerados somente os produtos típicos de seguros, como automóvel, pessoas e residencial, por exemplo, a variação acumulada é bem menor, girando em torno dos 6%. o avanço, portanto, está abaixo da inflação registrada no mesmo período, em quase 10%. desmembrando aquele percentual por tipo de produtos, o seguro de pessoas cresceu 9%, ao passo que a evolução do ramo de seguros elementares foi de 4%. segundo a carta de conjuntura, sofrendo influência direta da crise econômica, o mercado de seguros deve desacelerar, de modo que a estimativa para 2015 é expansão de aproximadamente 7%, sem saúde suplementar, abaixo dos 10% registrados em 2014. com acréscimo dos produtos de saúde e vgbl, a perspectiva é ficar entre 10% e 15%, mantendo os dois dígitos de exercícios anteriores.   é assim que dedicação, criatividade, empreendedorismo e muita determinação são as recomendações do presidente do sincor-sp, alexandre camillo, para superar esse momento desafiador da economia. “precisamos ter em mente que estamos e continuaremos entre as dez maiores economias do mundo. além disso, o consumo de seguros ainda conta com muito espaço para crescer. é por isso que ouvir o corretor de seguros, capacitá-lo e apontar oportunidades tem sido uma das diretrizes do sincor-sp”, finaliza camillo. carta de conjuntura novembro de 2015 http://www.segs.com.br/carta_de_conjuntura_novembro_web.pdf o objetivo da carta de conjuntura do setor de seguros é avaliar mensalmente o mercado e seus setores relacionados (resseguro, capitalização etc), considerando suas tendências e projeções. além disso, aborda a sua correlação com aspectos macroeconômicos do país e com outros segmentos da economia. fonte: alberto zambrana
12/11/2015

JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI

 a federação nacional de previdência e vida, cuja eleição terá chapa única para o mandato de sete de fevereiro de 2016 até seis de fevereiro de 2019 ? período de 3 anos, terá na presidência, o diretor da zurich vida e previdência, edison luís franco. também terá os nobres executivos da rio grande do sul nilton celente bermudez, conselheiro do gboex previdência privada, com eleição pelo terceiro mandato, e julio césar de oliveira machado, diretor do grupo aspecir, ambos com o cargo de diretor na federação.
28/10/2015

Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade

 o aumento da expectativa de vida dos brasileiros criou um desafio a mais para os fundos de pensão. a situação deficitária de muitos fundos, que já na atualidade acumulam um rombo estimado em r$ 36 bilhões, pode se agravar e muito se não for implantado e aprovado rapidamente o seguro para o risco de longevidade. esta foi a conclusão da atuária magali zeller, da consultoria at service atuarial, durante sua participação em palestra do meio-dia da apts, realizada no dia 21 de outubro, quando apresentou o tema “prática atuarial e longevidade segundo ela, o envelhecimento acelerado da população, as transformações na estrutura do mercado de trabalho e os desequilíbrios fiscais da economia brasileira podem impactar na solvência dos fundos e comprometer o pagamento de benefícios aos participantes, por ocasião da aposentadoria. nesse aspecto, magali destacou que a resolução nº 17/2015, do conselho nacional da previdência complementar (cnpc), permitiu às entidades compartilhar do risco de longevidade com as seguradoras, atendendo os interesses de fundos de pensão, seus patrocinadores, participantes e assistidos. o seguro longevidade para fundo de pensão ainda não foi aprovado na susep, mas a expectativa é que a partir de 2016 já esteja disponível. “a cobertura de longevidade resolve um aspecto crítico, trazendo benefícios para a população ao oferecer uma proteção previdenciária efetiva para quem irá se aposentar dentro de 15 ou 20 anos”, disse. segundo ela, a formatação do produto, sua precificação e custos, devem garantir ao menos uma renda mínima a partir de determinado momento, seja pela compra de anuidades ou pela contratação de benefício diferido vitalício. modelos de transferência de risco na opinião de magali, diante desse desafio demográfico, o seguro longevidade para fundos de pensão seria a única alternativa. em sua palestra, ela analisou a viabilidade de alguns modelos de transferência do risco de longevidade ao mercado de seguros. um, é o que prevê a retirada de patrocínio. “ao fazer a retirada de patrocínio, empresas contribuintes transferem todos os ativos e passivos para uma seguradora, que assume todas as responsabilidades do fundo de pensão”, explicou. o desenhado deste modelo serve para o fundo de pensão fechado e totalmente financiado, composto, em sua maioria, por pensionistas e membros em gozo de benefício, que tenha grande impacto no balanço da empresa patrocinadora. “neste caso, a empresa patrocinadora terá de simplificar a estrutura de governança”, sugeriu. em outro modelo, o fundo de pensão permanece intacto, com todos os seus participantes, e apenas a parte do risco atuarial e financeira é removida. segundo magali, este modelo pode ser instaurado independentemente do nível de reservas do fundo de pensão. é mais indicado para patrocinadoras que queiram minimizar o impacto do fundo em seu balanço ou para o fundo que pretenda fazer a retirada do patrocínio ou apenas remover riscos, permanecendo com o controle. outra maneira de promover a transferência parcial de riscos atuariais e financeiros dos fundos de pensão ao seguro é por meio de anuidades. a anuidade poderia contemplar um período mais longo da vida do participante – entre 65 e 85 anos (temporária) - ou mais curto – a partir dos 85 anos (diferida).  neste caso, magali explica que o modelo pode ser aplicado apenas para alguns participantes, com contrato individual com a seguradora e possibilidade de portabilidade de formação de reserva para a obtenção de renda. a proteção contra longevidade seria embutida nos planos de renda vitalícia. já no seguro de longevidade, não haveria troca de ativos. de acordo com a atuária, os fluxos de caixa seriam trocados a cada período e os pagamentos fixos e flutuantes liquidados (encontro de contas). “o contrato deve ter colaterais para proteger ambas as partes de risco de crédito”, disse. na prática, o fundo de pensão compra a proteção do seguro e a seguradora, por sua vez, garante os pagamentos mensais para os pensionistas existentes (desde que o fundo de pensão tenha desembolsos conhecidos previamente). “em troca, o fundo pagaria um prêmio de risco, que é incluído na curva de desembolso acordada, com a possibilidade de recomprar o contrato no futuro, caso tenha interesse”, disse. solução magali defende que a prática atuarial é fundamental para prever cenários futuros, por meio da análise de riscos e expectativas. segundo ela, a gestão de riscos consiste no mapeamento e identificação dos riscos inerentes ao passivo atuarial de cada plano de benefícios, considerando as hipóteses biométricas, demográficas, econômicas e financeiras, seus regimes financeiros e métodos de financiamento. o resultado será a definição da matriz de risco atuarial, contemplando o mapeamento e a identificação de fatores potenciais de risco, quantificação, ajuste, controle e acompanhamento do processo. para magali, cabe aos atuários e ao mercado segurador desenvolver práticas que possam minimizar em seus cálculos o risco da longevidade. “um plano que tenha seu passivo mal precificado certamente terá um custo maior para contratar o seguro, do ponto de vista da regulação”, afirmou. fonte: portal nacional de seguros por márcia alves
28/10/2015

Como se preparar financeiramente para grandes eventos

 são paulo - um dos grandes problemas do planejamento financeiro é que poucas pessoas se preparam para mudanças repentinas em sua vida, mesmo quando são previsíveis. além dos impactos psicológicos, há os financeiros e fiscais, que podem complicar ainda mais as situações de estresse. um exemplo dessas mudanças de vida é o casamento, que pode ter consequências no futuro se não for bem planejado, afirma adriana chieco, do escritório chieco da costa advogados, especialista em sucessões. “as pessoas deveriam se preocupar com as consequências patrimoniais do casamento ou da união estável antes, e não depois, quando dá errado, no divórcio ou na separação”, afirma, lembrando que tanto o casamento quanto a união estável são contratos com consequências sobre os bens dos envolvidos. outras mudanças drásticas na vida que podem ser planejadas são mudanças de país, a questão da herança e a administração dos bens em caso de incapacidade. “se eu sofrer um acidente ou um derrame e ficar impossibilitado de tomar decisões, será que minha mulher ou meu marido são as pessoas ideias para cuidar da minha empresa, por exemplo?”, questiona adriana, que participou do congresso de planejamento financeiro do ibcpf. casamento na questão do casamento, a advogada lembra que o primeiro ponto é que, pela lei brasileira, quem casa ou vive uma união estável automaticamente se enquadra no regime de comunhão parcial de bens. “se não houver um contrato deixando claro outro regime, terá de dividir com o parceiro o que ganhar”, diz. outro ponto que cria confusão são os bens que os cônjuges tinham antes de casar, que são considerados particulares, e os que forem adquiridos depois do casamento adriana lembra que, mesmo com essa separação, há problemas quando os bens são valores em dinheiro. “e, no meio da separação, pode haver um pedido de bloqueio dos bens até que seja feita a divisão que pode durar um bom tempo”, alerta. a saída para evitar esse tipo de problema é que o casamento seja feito com separação de bens. mudança de país outro evento que tem se tornado mais comum é quando a família resolve mudar de país. “tem muita gente procurando morar fora, mas nem sempre se preocupa com os impactos que isso tem em termos patrimoniais e até do regime do casamento”, afirma adriana. ela diz que há países que não reconhecem o regime brasileiro de união, sem contar os impactos fiscais e na sucessão. herdeiros “inesperados” no caso da morte, o imprevisível fica por conta dos herdeiros inesperados que podem surgir e complicar a divisão dos bens. além da discussão sobre a comprovação da condição de herdeiro, que pode levar bastante tempo, há a questão de como o novo beneficiário participará da divisão de bens como empresas ou como ele poderá ser compensado por esse direito. além disso, há a morosidade dos processos, impostos e custos, também inesperados, que criam dificuldades para a família no curto prazo. paraíso fiscal das heranças com relação à tributação nas sucessões, adriana diz que o brasil tem impostos relativamente baixos. “podemos dizer que o brasil é quase um paraíso fiscal em termos de sucessão”, afirma, lembrando que há um imposto estadual, o imposto sobre transferência de bens intervivos (itbi), de 4%. em outros países, a tributação é muito maior, chegando a 40% nos estados unidos. “a diferença é que lá há um limite de isenção bem alto no ‘state tax’, de até us$ 5 milhões”, afirma a advogada. no brasil, está em discussão aumentar esse percentual para 20%. fundos fechados e holdings a alternativa para reduzir os impactos do imposto nas heranças é a criação de fundos fechados, que funcionam como empresas, e nos quais os herdeiros serão cotistas. os fundos têm regras de resgate para evitar que os herdeiros gastem todo o dinheiro de uma vez. “para fazer uma reserva de usufruto, tem de ser um fundo fechado”, explica adriana. já nos casos de empresas, a estrutura mais recomendável são as holdings, que substituem as pessoas físicas no controle das empresas por pessoas jurídicas. “há a opção também de usar os fundos de investimentos em participações (fip), mas aí a estrutura fica mais cara”, afirma. incapacidade uma outra surpresa desagradável que as pessoas deveriam antever é o caso de incapacidade. com as pessoas vivendo mais, é comum o empresário ou pai de família perder a capacidade decisória e ficar anos nessa condição. ou casos de pessoas que sofrem acidentes vasculares cerebrais (avc) e de uma hora para outra têm de se afastar dos negócios, o que cria uma situação delicada para a família e para os sócios. para esses casos, adriana diz que existe a declaração de curatela, que determina quem vai cuidar da pessoa e dos negócios. “pela lei, seria o cônjuge, mas nem sempre essa solução é a melhor, por exemplo, no caso em que há sociedade em empresas com outras pessoas”, explica adriana. com a declaração, pode-se indicar outro profissional para representar a família nos negócios ou para cuidar das finanças e tomar decisões. dinheiro para necessidades imediatas outras alternativas usadas no planejamento da sucessão são o seguro de vida e os fundos de previdência privada, os pgbl e vgbl, pela liquidez imediata dos recursos. “isso acalma o desespero da família se a pessoa é mantenedora e serve para atender às necessidades imediatas de pagamentos de custas dos processos e até dos impostos sobre a herança, para que a família não tenha de vender um bem para pagar os tributos, por exemplo”, diz. segundo a advogada, alguns estados têm decidido cobrar o imposto itbi também sobre pgbl e vgbl. “mas mesmo com o imposto de sucessão, ainda compensa pela liquidez imediata e pelo imposto de renda mais baixo se a aplicação no fundo for de longo prazo”, diz, lembrando que os pgbl e vgbl podem ter alíquota de 10% sobre os rendimentos após 10 anos. continuar ou não vivendo? a longevidade criou também outra necessidade, o testamento vital, que determina se a pessoa quer prolongamento artificialmente a vida em caso de incapacidade permanente. “nele, o titular pode dizer se deseja ou não passar por vários procedimentos se a situação for irreversível”, explica adriana, que deixa claro que não se trata de eutanásia, o que é proibido no brasil. “a pessoa apenas impede que sejam tomados cuidados paliativos que só vão prolongar a situação e seu sofrimento”, diz. essa questão, lembra a advogada, tem impacto patrimonial e financeiro importantes para a família. “e pode-se também incluir no documento a doação de órgãos”, acrescenta. testamento, o que pode sobre o testamento, adriana diz que ele só faz sentido se houver alguma situação especial que não permita a divisão igual dos bens. “isso já é previsto em lei”, lembra. já se a pessoa quiser privilegiar algum herdeiro, poderá fazê-lo com metade dos bens. a outra metade, chamada de legítima, segundo a lei, tem de ser dividida de maneira igual entre os herdeiros. na metade livre, a pessoa pode destinar para o que quiser, desde um herdeiro específico ou outra pessoa ou ainda instituições de caridade. “são coisas que a pessoa pode definir antes, que fazem parte do bom planejamento”, diz. fonte: arena do pavini por angelo paviniz.
14/10/2015

Para onde caminha o mercado de seguros

 em uma tentativa de traçar tendências futuras, o 19º congresso dos corretores que aconteceu na cidade de foz do iguaçu, convidou os corretores a refletir para onde vai o mercado. com o tema “para onde caminha o mercado de seguros: uma visão local e global”, os profissionais ouviram atentamente as exposições de davi colmenares, ceo da zurich, fábio basilone, da swett & crawford brasil e mauro batista, presidente da academia nacional de seguros e previdência. a mediação do painel foi de josé antônio, presidente do sincor-pr. em sua apresentação, davi colmenares, deu seu parecer sobre como corretores e companhias devem atuar. ele fez uma comparação entre o mundo em 1998 e o mundo em 2015 que é completamente diferente em diversos aspectos. “hoje temos que a maior empresa de táxi do mundo não tem nenhum veículo em sua frota (uber) e a mais popular empresa de mídias sociais não produz seu conteúdo (facebook)”, exemplificou. e os seguros? ele disse ser importante mudar a forma como o cliente é visto. “o consumidor mudou; 78% dos clientes não são fiéis a nenhuma marca; 62% fazem consultas online, mas compram off-line”, disse. para ele é preciso mudar o relacionamento com o mercado profissionalizando cada vez mais o corretor de seguros e também investir em tecnologia. “as pessoas mudam mais rápido que as empresas e seu comportamento mudam drasticamente em pouco tempo”, afirmou. representando a swett & crawford brasil, fabio basilone lembrou que durante a crise internacional de 2008 quando houve redução na taxa de juros, houve reflexo no mercado de seguros, afinal, o mercado e financeiro é primo-irmão do mercado segurador. para ele, a tendência dos próximos anos é focar no relacionamento com o público consumidor. “trabalhar com uma demanda que talvez nem saiba dessa demanda; em tantos lugares do mundo o poder público já entendeu que pode dividir algumas responsabilidades com a área privada”, disse. ele acha ainda que é importante todas as pontas do mercado ter um clima de colaboração, com as seguradoras, com a susep e indicar soluções para os problemas. para ele há algumas tendências. ele aposta no aumento na taxa de juros do banco central americano e isso deve elevar a rentabilidade do dinheiro. “devemos começar a perceber redução na competição no mercado internacional e, com isso, o número de fusões reduz”, analisou. outra tendência apontada por basilone é de que vão existir seguradoras muito capitalizadas que precisarão vender e precisarão de um canal de distribuição para colocar esses produtos nas mãos do cliente, por isso ela ganha destaque. o corretor precisa se reinventar, ficar livre das questões administrativas e burocráticas da empresa para buscar ambientes de colaboração para que o corretor possa fazer o que ele faz melhor. “está nas mãos dos corretores encontrar essa demanda diferente e aprender a lidar com esse público que muitas vezes não sabe o que precisa”, ponderou. mauro batista, o presidente da academia nacional de previdência e seguros também fez uma análise do mercado. para ele, crise é inerente à vida humana, uma questão de atitudes na vida de cada um.  batista disse ainda, que a crise econômica atual do país é fruto do desdobramento também da crise política. ele lembrou ainda que o mundo está globalizado. “quando a china parou de crescer isso se refletiu no mundo todo. é preciso entender a crise e traçar o norte através de atitudes”, afirmou. para entender o futuro é preciso fazer uma análise do presente. isso vale para diversos setores e não é diferente na indústria do seguro que nos últimos anos obteve uma expansividade jamais vista. isso foi impulsionado por diversos fatores entre eles o aumento de renda da população e o aumento de integrantes da classe média e também o melhor entendimento da famosa “cultura do seguro”. batista disse ainda que o melhor planejamento das famílias e das empresas também foi fundamental para contribuir no crescimento do mercado segurador brasileiro. batista destacou que ao olhar para o futuro percebe-se uma classe média que conquistou um espaço interessante e contribuiu para a expansividade do mercado. “o seguro passou a ser objeto de desejo para manter o posicionamento dessa classe; podemos entender que o mundo hoje não vive mais sem seguro”, analisou. perspectivas para o presidente da ansp as projeções para o crescimento do mercado segurador esse ano podem ser menor que 2014, mas há espaço para crescer. “ainda existe uma demanda importante de quem não faz seguro; na carteira de auto, a frota segurada não chega a 30% e ultimamente tem se falado muito no seguro popular que pode atingir essas demandas”, lembrou. em sua análise ele lembrou que ainda haverá mudança na expectativa de vida das pessoas e essas pessoas entram com necessidade de ter seguro. “o corretor de seguros tem ouvido muitos questionamentos sobre venda pela internet, por exemplo. é preciso entender que contra a modernização não existe outra alternativa se não aderir”, sentenciou. as seguradoras já estão se modernizando e é provável que nessa era digital elas passam a ter sua atividade usando recursos que possam ser usados a distância e o corretor também vai usar essa tecnologia. “quero crer que o corretor de seguros vai se beneficiar com o recurso da tecnologia, imagino o corretor fazendo suas operações e atraindo clientes em seus sites, talvez emitindo apólices”, prevê.  para ele, nesse cenário, o que resta ao corretor é se modernizar e entender que o mundo digital pode ser um aliado da vida profissional. “penso que a era digital vai ser um aliado, mas as seguradoras e operadoras precisam ter produtos eficazes; precisamos perceber que hoje o segurado é atualizado com o mundo moderno”, analisou. otimista, mas com pé no chão, batista disse que o corretor deve fazer uma caminhada ascendente: é preciso se modernizar, conhecer o produto que opera. “com crise ou sem crise, o corretor de seguros vai continuar a desemprenhar muito bem o seu papel; o setor de seguros evolui além dos números. o corretor precisa entender que é um profissional que não precisa de nenhum rótulo para mostrar sua importância dentro da cadeia”, finalizou. fonte: c q c s
06/10/2015

Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS

 o presidente da aspecir previdência, milton machado, recebeu o presidente da fundação dos servidores públicos estaduais do estado do rio grande do sul - fusepergs, flávio dall’agnol, no dia 05 de outubro na sede da empresa. na ocasião, foi assinado o convênio que visa promover assistência aos servidores públicos estaduais ativos e inativos. o grupo aspecir através da aspecir previdência, suas controladas ou conveniadas, disponibilizará planos de previdência, de seguros e assistência financeira, na modalidade consignação em folha de pagamento, junto ao estado do rio grande do sul. o ato da assinatura foi comemorado com satisfação pelos presidentes das duas entidades, reafirmando a confiança no excelente convênio firmado.
05/10/2015

Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS

 a aspecir previdência, representada pelo presidente milton machado, comemorou seus 78 anos e foi reconhecida por sempre manter suas raízes e tradições no rio grande do sul. outro motivo de orgulho para a empresa é figurar entre as cinquenta maiores empresas previdenciárias do brasil. os excelentes produtos proporcionados pela empresa do grupo aspecir foram fundamentais para que a honraria, concedida das mãos da apresentadora júlia senna, fosse entregue a machado. o mercado segurador mais uma vez fez com que porto alegre fosse a capital nacional do seguro na última sexta-feira (02). cerca de 1.200 profissionais e parceiros deste mercado comemoraram os resultados positivos deste nicho em mais um ano, mesmo com as dificuldades enfrentadas pela economia brasileira. ano marcado pelo empreendedorismo, novas ideias e sucessão familiar. foram 36 reconhecimentos especiais que marcaram o novo formato da cerimônia, a maior e mais aguardada do segmento independente. jota carvalho, o comandante das operações do grupo jrs comunicação, abriu o evento com uma mensagem de agradecimento aos parceiros de negócios que tornam esta noite uma grande realidade há mais de uma década de forma ininterrupta. "hoje reconhecemos produtos, serviços, seguradoras, entidades e ainda vemos que muitos participantes fazem negócios interessantes que agregam valor a este evento", comentou carvalho. a jornalista vera armando, da tv pampa, foi quem conduziu os trabalhos. "uma noite realmente especial, onde o mercado segurador se faz presente. tenho muita honra de comandar há muitos anos este grande evento. o mercado brasileiro de seguros dá uma verdadeira lição, enquanto falamos em crise, este setor demonstra toda sua pujança e mostra que realmente é possível fazer", disse a apresentadora. fonte: jrs comunicação por william anthony - foto: igor pires
21/09/2015

Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet

 modalidade, porém, tem armadilhas e brasileiro deve tomar cuidado para não se encrencar fonte: r7 por joyce carla as contas não param de chegar e o salário não é suficiente para pagar todos os boletos: alguma semelhança com a sua casa? com a crise, essa situação está se tornando cada vez mais comum nos lares brasileiros. o que fazer? atrasar, pagar no crédito ou pegar um empréstimo? ferramenta acessível ao brasileiro, a internet ajuda a traçar estratégias e agir para acabar com as dívidas. de olho nisso, as financeiras identificaram a oportunidade e estão oferecendo dinheiro on-line — sem que o cliente precise ir à uma loja ou esperar até uma semana para receber o valor do empréstimo. o analista contábil claudio rossi, de 60 anos, é um desses clientes. ele precisou fazer um empréstimo de r$ 2.000 e, em uma pesquisa na internet, descobriu que poderia conseguir o dinheiro de forma mais rápida e prática. — o que me atraiu mais foi a facilidade de explicação do site. resolvi tudo por e-mail e, em um dia, recebi o dinheiro na minha conta. agora, vou pagar em um ano. se fosse em uma loja física, teria que apresentar muitos documentos e demoraria para receber o valor. como precisava de forma emergencial, preferi pegar o empréstimo on-line. inadimplência do consumidor sobe 16,9% em um ano a pensionista cecília bueno pereira da silva, de 62 anos, também encontrou na internet a praticidade de conseguir o dinheiro de um empréstimo. — tive uma emergência de saúde e precisei de r$ 1.000. o dinheiro caiu na conta no mesmo dia. vou pagar em oito vezes. ela conta que já possui um empréstimo consignado de 72 meses e que o seu limite já estava comprometido. assim, a opção on-line foi mais simples e resolveu a necessidade dela. o diretor da enova/simplic, ferramenta de empréstimos pessoais on-line, rafael pereira, afirma que a empresa começou a operar no meio do ano passado e que já teve mais de 1 milhão de visitantes únicos em seu site. — nós fazemos empréstimos de até r$ 2.500. mas o valor médio buscado pelos consumidores fica abaixo de r$ 2.000. e os clientes podem dividir o pagamento em, no mínimo, três parcelas e, no máximo, 12. o presidente executivo da lendico no brasil, marcelo ciampolini neto, afirma que a empresa começou a operar no brasil em julho deste ano e que, em menos de três meses, já recebeu 29 mil solicitações de empréstimos e que, em média, o valor solicitado pelos consumidores fica em torno de r$ 10 mil. — esperamos que, até o fim do ano, sejam emprestados mais de r$ 10 milhões. o sócio-fundador da geru, sandro reiss, explica que os principais benefícios para os empréstimos on-line são a conveniência, a praticidade, a transparência e preço do crédito. — o consumidor nem sempre tem tempo para ir no horário comercial em cada financeira para pesquisar o preço do empréstimo. além disso, com a ferramenta, ele pode saber de forma prática e simples como irá pagar e quanto irá custar o empréstimo. e ainda, como os custos para uma empresa on-line são menores do que o de uma estrutura física, nós podemos repassar esse benefício para o cliente e o preço do crédito fica abaixo da média do mercado. o presidente e fundador da bom pra crédito, ricardo kalichsztein, também começou a operar no início do ano passado e, de lá para cá, teve mais de 4 milhões de visitas no site. essa ferramenta, diferentemente da simplic, não empresta dinheiro diretamente, mas faz a intermediação entre o cliente e 18 instituições parceiras. — o consumidor entra na ferramenta, faz um cadastro só e pode consultar os melhores preços pelas 18 financeiras ao mesmo tempo. se fosse em cada uma delas, o cliente teria que preencher um formulário para cada uma. aqui, ele agiliza esse processo com um só formulário simples. o bom pra crédito afirma que já intermediou a venda de quase r$ 30 milhões de empréstimos e que a taxa de juros varia conforme a garantia do empréstimo. pode ser de 1,5% ao mês para imóveis ou veículos como garantia a entre 10% e 12% ao mês para os empréstimos com cheque ou boleto, que não têm garantia para a financeira. os valores oferecidos pelas financeiras por meio do bom pra crédito são os mesmos das lojas físicas, assim, é possível ter um empréstimo de até r$ 3 milhões, caso a garantia para o valor seja um imóvel, por exemplo. simulações o r7 fez simulações nas três empresas para um empréstimo de r$ 2.500 pagos em 12 meses. os valores encontrados foram os seguintes: — enova/simplic: 12 parcelas de r$ 448,04 (total: r$ 5.376,48) — geru: 12 parcelas de r$ 255,51 (total: r$ 3.066,12) — lendico: 12 parcelas de r$ 252 (total: r$ 3.024) na bom pra crédito, não foi possível fazer a simulação on-line. a reportagem recebeu uma ligação de uma financeira que pedia para ir a uma loja física.
15/09/2015

9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer

  inusitados são paulo - para algumas pessoas, os seguros se resumem a uma proteção contra roubo e acidentes de carros ou, no máximo, uma cobertura contra um incêndio na sua casa. mas, depois de alguns séculos de vida - o primeiro seguro do brasil, por exemplo, foi registrado em 1808 - a indústria de seguros oferece hoje proteção para quase tudo, até para o risco de abdução por alienígenas. seguros bizarros à parte, muitas das coberturas oferecidas podem ser extremamente úteis e o melhor: algumas delas não exigem grandes esforços para serem contratadas, são incluídas no seguro da sua casa ou da sua viagem. nesta lista, foram selecionadas algumas proteções pouco óbvias oferecidas por seguros que podem te salvar de roubadas, evitar prejuízos e ajudá-lo na manutenção do seu patrimônio, item importante para um bom planejamento financeiro, mas que nem sempre recebe a devida atenção. confira a seguir nove exemplos de proteções que os seguros podem oferecer e veja quais combinam melhor com os riscos aos quais você está exposto. proteção para gestantes os seguros de viagem oferecem, basicamente, coberturas para morte acidental e assistência médica, mas já existem apólices que garantem tratamento especial às gestantes. é o caso do seguro viagem para gestante, da mondial assistance, que cobre despesas médicas relacionadas à gravidez durante a viagem para grávidas até a 26º semana de gestação. entre as vantagens, estão a cobertura para exames médicos de emergência e ultrassom e imprevistos, como partos prematuros e abortos espontâneos. de acordo com eluza gomes, coordenadora da área de viagens da mondial, enquanto nos seguros viagem convencionais, as despesas médicas geradas pela gravidez não são cobertas pois entram em uma cláusula de pré-existência, no seguro gestante elas são cobertas. “os seguros de viagem comuns também não cobrem cancelamentos de viagem por motivos simples, mas o seguro para gestante entra nesse detalhe: se houver algum evento relacionado à gravidez e a grávida ficar impedida de viajar, ela é reembolsada.” ela acrescenta que o seguro é muito contratado por gestantes que viajam  ao exterior para montar o enxoval do bebê. o valor do seguro gestante da mondial para uma viagem aos estados unidos de uma semana, com cobertura para assistência médica de até 20 mil dólares, é de 525,72 reais. ainda que seu valor não seja insignificante, o seguro pode valer a pena, sobretudo para viagens a países com altos custos de procedimentos médicos, como é o caso dos estados unidos. de acordo com o centro de serviços medicare e medicaid, que é parte do departamento de saúde e serviços humanos do governo americano, um simples ultrassom tem custo médio de 1.058 dólares. proteção para uma tacada certeira no golfe uma tradição nos jogos de golfe diz que quando o golfista acerta a bola no buraco em apenas uma tacada, jogada chamada de hole in one, ele deve pagar uma refeição ou uma rodada de bebidas a todos os jogadores do clube. sim, existe seguro contra esse tipo de risco. essa proteção pode ser contratada dentro de seguros residenciais que incluem a cobertura de responsabilidade civil familiar, ou em seguros de responsabilidade civil familiar vendidos separadamente do residencial, como é o caso do tranquilidade familiar, da allianz seguros. o seguro da allianz, no plano básico, cobre danos causados a terceiros pelo segurado, seu cônjuge, filhos menores de idade e animais domésticos. “ele cobre os principais riscos que a propriedade tem em relação a terceiros, como um vazamento que afeta apartamentos vizinhos, a queda de um muro que machuca alguém que está passando por perto do imóvel e até uma mordida do cachorro em uma pessoa que passa pela rua”, afirma luiz carlos meleiro, diretor da allianz seguros. para essas coberturas básicas, o seguro da allianz custa 350 reais e tem um limite de indenização de 100 mil reais. já o seguro mais completo, que além da cobertura para o hole in one, cobre danos causados a terceiros durante a prática de outros esportes, como tênis, surf, pesca e ciclismo, assim como danos sofridos por empregados domésticos durante o trabalho, o valor sobre para 1.500 reais e o limite de indenização é de 500 mil reais. proteção contra desemprego também existe um seguro que te ajuda a segurar as pontas em caso de desemprego, o seguro prestamista. ele garante a quitação de dívidas, ou de parte delas, diante de imprevistos, como uma demissão, morte ou invalidez permanente. o seguro prestamista para financiamentos de carros, compras parceladas e operações de empréstimo.  ele é oferecido normalmente pela loja ou banco no ato da compra financiada ou contração da dívida. é comum que esse tipo de seguro cubra de três a seis parcelas em casos menos graves, como em casos de perda involuntária de emprego, e garanta a quitação de 100% da dívida nos casos mais graves, como falecimento, ou invalidez total permanente por acidente. eliane escudero, gerente de massificados da corretora e consultora de seguros willis, lembra que o seguro cobre situações involuntárias apenas. “se o desemprego for voluntário, como no caso de o segurado pedir demissão, o seguro não cobre. isso ocorre para evitar que alguém contrate o seguro para receber a indenização porque sabe que vai pedir demissão.”  vale ressaltar que alguns seguros prestamistas não preveem cobertura em casos demissões em massa ou falência e encerramento de atividades do empregador. como o custo da proteção pode ser equivalente a até 10% do valor da dívida, é importante ler atentamente a apólice, que pode ter uma série de restrições, para avaliar em quais casos o seguro vale a pena. proteção para mudanças nos planos de viagem você já fechou uma viagem com aquele medo de surgir um imprevisto e ficar no prejuízo? existem seguros que eliminam esse temor. ainda que usualmente os seguros de viagem cubram apenas cancelamentos por motivos extremos, como em caso de morte, já existem apólices que oferecem coberturas amplas para diferentes motivos de cancelamento. é o caso dos seguros de viagem da april coris, que contam com uma cláusula, chamada de plus reason, que prevê a cobertura de gastos decorrentes do cancelamento de viagem por 25 motivos, como cancelamento de casamento, roubo de bagagem, demissão do passageiro, visto negado, cancelamento de férias e até compensação por mudança de datas de provas, trabalhos e apresentações do segurado ou familiar de primeiro grau de parentesco. “o seguro pode ser interessante hoje em dia porque temos visto ótimas promoções de passagens aéreas para o exterior. assim, se o cliente comprou a passagem para obter o desconto e depois não conseguiu o visto americano, por exemplo, ele tem o reembolso”, diz agnaldo abrahão, diretor comercial da april. na april, um seguro de viagem à europa de sete dias, que prevê cobertura de 40 mil euros para assistência médica, custa 152 reais. se o cliente optar por contratar o plus reason, o custo adicional é de 4,55 dólares para o limite mínimo de cobertura, de até mil dólares, e chega até 38,90 dólares, valor adicional para a cobertura máxima de 10 mil dólares.  proteção para seu animal de estimação na falta de um plano de saúde para animais de estimação, os donos podem contratar o seguro pet, que cobre despesas médicas, como consultas e exames do animal.  segundo danilo silveira, presidente da comissão de riscos patrimoniais massificados da fenseg, geralmente o cliente paga as despesas e depois pede o reembolso, mas dependendo da seguradora, ela pode contar com uma rede credenciada de veterinários à qual o segurado pode recorrer. “os preços dos seguros pets variam de 80 a 100 reais por mês, mas podem aumentar de acordo com a importância segurada”, diz silveira. essa importância segurada é um limite anual de valor que pode ser reembolsado ao segurado.  alguns seguros podem oferecer adicionalmente cobertura para procedimentos cirúrgicos, assistência funeral, castração, vacinas, parto, tratamento odontológico e internação. o seguro pet é mais comumente oferecido a cachorros e gatos. proteção para home office se você trabalha em uma grande empresa é provável que ela tenha algum seguro para proteger os computadores e outras ferramentas de trabalho que estão em sua sede. as pessoas físicas que trabalham em casa também podem contar com esse tipo de proteção para cobrir os bens que estão ligados à sua atividade profissional. “se acontece um incêndio na casa e existe uma oficina lá dentro, o seguro residencial básico não cobre equipamentos usados para a atividade profissional”, afirma danilo silveira, da fenseg. “ao contratar a cobertura home office, o segurado muda o enquadramento e passa a cobrir o que usa profissionalmente”, diz. existem seguros específicos para microempreendedores, mas se você não tem uma loja instalada na sua casa, mas apenas uma pequena atividade, é possível contratar a cobertura adicional para home office dentro do seguro residencial, que costuma sair mais em conta. no seguro residencial do bb mapfre, por exemplo, a cobertura home office garante indenização de prejuízos ou danos causados por incêndio, queda de raio, explosão e roubos para máquinas, móveis, utensílios, mercadorias e matérias-primas. os valores da cobertura adicional para home office variam de acordo com a importância segurada. proteção contra estresse na festa de casamento se organizar uma festa de casamento já é caro o suficiente, arcar com imprevistos, como uma eventual interdição do local do evento ou cancelamento do buffet, pode não só levar os noivos a falência como transformar o que era para ser um sonho em pesadelo. os seguros de casamentos cobrem não só esse tipo de evento, que, no limite, podem levar ao cancelamento da festa, como danos causados aos prestadores de serviço que podem levar os noivos a serem responsabilizados criminalmente. o seguro simplificado de casamento do bb mapfre, por exemplo, pode ser contratado por 400 reais. esse é o valor pago para uma apólice que inclui cobertura de até 25 mil reais em caso de cancelamento do evento, 100 mil reais por danos a terceiros, 2 mil reais para cobrir prejuízos relacionados aos presentes de casamento e 3.500 reais para proteger eventuais danos causados aos trajes dos noivos. já na porto seguro, o seguro de um casamento para 300 pessoas com coberturas para: acidentes pessoais, alimentos e bebidas, não comparecimento do artista, danos morais e acidentes na montagem e desmontagem do evento, com indenizações que chegam a 300 mil reais, sairia por 1.500 reais. é importante ressaltar que, como o seguro de casamento cobre danos imprevistos, não há cobertura em caso de desistência de um dos noivos, ou se na assinatura da apólice os segurados já tivessem alguma previsão sobre a possibilidade de adiamento ou cancelamento da festa. proteção contra barbeiragem ao volante também existe um seguro para te proteger das barbeiragens ao manobrar seu carro na garagem. dentro do seguro residencial do grupo bb mapfre, é possível contratar a cobertura “proteção em garagem”. o custo adicional é de 145 reais e ela prevê indenizações de até 25 mil reais ou reparo do carro em casos de danos causados no para-choque, nos retrovisores, no portão e na parede durante a manobra de entrada ou saída da garagem do imóvel segurado. proteção para perda e roubo de cartões o seguro para cartões de crédito e débito é um dos mais baratos desta lista e pode valer a pena para quem mora em cidades com alto índice de violência. ele cobre basicamente compras realizadas sob coação e prejuízos pela utilização indevida do cartão por perda, roubo, furto e saques. uma das vantagens deste seguro é a praticidade, já que os valores são debitados diretamente da conta corrente do cliente. no santander, o seguro custa 5,45 reais por mês e, além da cobertura básicas para utilização indevida do cartão, no valor de até 100 mil reais, ele inclui cobertura para acidentes pessoais de até 10 mil reais em caso de invalidez ou morte acidental, decorrente de roubo ou sequestro por utilização do cartão. já no bradesco, o custo do seguro é de 6,99 reais por mês. ele prevê cobertura de até 50 mil reais para compras indevidas (mesmo pela internet) decorrentes de roubo, furto e perda e, em caso de falecimento do segurado, a fatura a vencer é quitada até o limite de 50 mil reais. ele também oferece transporte até a delegacia em caso de roubo, furto ou sequestro, e o serviço de um vigilante por até 48 horas se depois de roubos ou furtos à residência houver risco à integridade física do segurado e de sua família. vale ressaltar que esses seguros normalmente estipulam um prazo de até uma semana dentro do qual o segurado deve comunicar o sinistro (evento que garante a indenização). se a comunicação demorar, a seguradora pode não reembolsar os prejuízos. fonte: exame por priscila yazbek

União Seguradora fecha o ano com novos negócios


14/12/2018
A União Seguradora recebeu a Uperformance Assessoria & Consultoria em Seguros em sua sede em Porto Alegre. O diretor comercial João Lock, Antônio Coutinho, técnica, e Marco Rocha, comercial, receberam Domingos Costa, Ailton Lopes e Estela De Moura Rey para iniciar uma parceria com prospecção de novos negócios. Segundo os participantes, a reunião foi produtiva em ideias que, com certeza, confirmam o sucesso dessa parceria para 2019. O diretor João Lock e sua equipe agradecem a visita da Uperformance e encerram o ano com excelentes perspectivas.

Praça Otávio Rocha, 65 - 1º andar
Centro Histórico - Porto Alegre/RS
CEP.: 90020-140
+55 (51) 3228.1999

News

Receba nossas novidades

LIGUE

+55 51 3228-1999

Ouvidoria
0800 703 1989
E-mail: ouvidoria@sinapp.org.br

Atendimento ao Deficiente Auditivo e de Fala através da TSPC-CAS – Central de
Atendimento a Deficientes Auditivos ou de Fala -
0800 200 0819 E-mail: sac.especial.auditivo.fala@sinapp.org.br

Atendimento ao
Deficiente Visual
0800-703-1989